Avatar

Assessoria

Em 13 anos, Brasil diminui em 40% o consumo de tabaco

No último mês de julho, a OMS (Organização Mundial da Saúde) divulgou relatório sobre a Epidemia Mundial do Tabaco. O Brasil e a Turquia são os dois únicos países, dentre as 171 nações que aderiram às medidas globais da OMS e que implementaram ações governamentais de sucesso para a redução do consumo de tabaco.

De acordo com pesquisa do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), 9,3% dos brasileiros afirmaram ter o hábito de fumar, em 2018, contra 15,7%, em 2006.

Nos últimos 13 anos, a população brasileira submetida à entrevista, diminuiu em 40% o consumo do tabaco. O estudo demonstra também que o consumo vem caindo em todas as faixas etárias: de 18 a 24 anos de idade (12% em 2006 e 6,7%, em 2018), 35 e 44 anos (18,5% em 2006 e 9,1% em 2018); e entre 45 a 54 anos (22,6% em 2006 e 11,1% em 2018). Entre as mulheres, a redução do hábito de fumar alcançou 44%.

Segundo o Ministério da Saúde, a adoção de políticas públicas para o controle do tabagismo iniciaram na década de 1990, a partir da capacitação de profissionais pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca) para tratar pacientes no Sistema Único de Saúde (SUS) em mais de 4 mil unidades de saúde espalhadas pelo país. O SUS disponibiliza tratamento para os fumantes incluindo o medicamento bupropiona, adesivos e gomas de mascar (terapia de reposição de nicotina). Em 2018, foram tratadas mais de 134 mil pacientes.

A medicina privada também investe em iniciativas para diminuir o tabagismo. Na Clinipam, o Centro de Qualidade de Vida (CQV), uma unidade especializada no tratamento de doenças crônicas, possui um programa direcionado aos fumantes que querem deixar de lado a dependência do cigarro. Eles são encaminhados pelos médicos para o Grupo de Tabagismo e passam por uma entrevista com a psicóloga, que avalia se eles estão aptos para participar da ação. Até hoje, 559 pacientes já passaram pela experiência.

Rafael Mendonça Rey dos Santos, que está à frente do Grupo de Tabagismo da Clinipam, explica que os encontros presenciais – cinco no total – acontecem uma vez por semana e envolvem médico e psicóloga no atendimento aos pacientes. Nas ações em grupo, que possuem 12 pacientes, o foco é troca de experiências e o apoio mútuo dentro do grupo dos próprios fumantes. “Oferecemos tratamento farmacológico, além de uma abordagem cognitiva e comportamental. Nosso índice de sucesso é alto: 60% dos dependentes tratados pelo programa conseguiram parar de fumar”, afirma o médico.

Esse mesmo projeto é difundido nas empresas que contrataram o plano corporativo da Clinipam. Entre elas, podemos citar o Grupo Marista e a Cavo. Na ação in company, a operadora de saúde realiza uma palestra junto aos colaboradores, além de entrevistas individuais. Não faltam motivos para demonstrar porque vale a pena apagar a cigarro definitivamente da vida dos fumantes: a OMS considera o tabagismo como a principal causa de morte evitável. “Os números são impactantes. O tabagismo faz 7 milhões de óbitos por ano, sendo que a causa de 10% dessas mortes, que correspondem a 800 mil casos, podem ser atribuídas ao tabagismo passivo”, informa Rafael dos Santos.

Conforme o Inca, mais de 80% das incidências da doença estão relacionadas ao uso do tabaco. Além disso, o médico da Clinipam elenca outros males causados pelo cigarro que engrossam as estatísticas dos óbitos: doenças pulmonares, infarto agudo e Acidente Vascular Cerebral (AVC), conhecido como derrame. “O cigarro também é um dos principais causadores das amputações, porque suas substâncias tóxicas colaboram com o entupimento das veias e artérias”, diz Santos.

Outros avanços nas políticas públicas contra o fumo

Na primeira quinzena de agosto, mais uma boa nova foi anunciada: o Grupo de Trabalho (GT) do Ministério da Justiça e Segurança Pública se pronunciou e não vai diminuir impostos de produtos de tabaco. Essa proposta havia sido cogitada em março desse ano, quando o GT foi criado com o objetivo de discutir políticas para enfrentamento do mercado ilegal de produtos de tabaco. A equipe do GT é multidisciplinar e reúne especialistas da Receita Federal, da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal.

Na opinião de Rafael dos Santos, todos os esforços para combater o tabagismo são válidos. “Os impostos aumentam a arrecadação, mas não pagam uma fração mínima do alto custo que o tabagismo causa para o Brasil, para o sistema de saúde pública e para as operadoras de saúde. Se  cigarro é mais caro, a tendência é que as pessoas fumem menos. Todas essas ações anti-tabaco são as principais responsáveis pela diminuição do tabagismo no país. As pessoas deixaram de ver o cigarro como algo glamouroso e sim como um fator nocivo para a saúde e para sua vida social. Os ambientes livres de tabaco desestimulam os fumantes. Eles precisam sair das rodas de conversa para ir ao ‘fumódromo’, e isso também acaba sendo um incômodo”, avalia.

Além disso, o documento final do GT recomenda a criação de políticas públicas para o enfrentamento ao contrabando. Uma das possiblidades para combater a ação dos contrabandistas é a implementação do Protocolo para Eliminar o Comércio Ilícito de Produtos de Tabaco, que é um instrumento da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco e foi ratificado pelo Brasil em 2018 (Decreto 9.516/2018).

Para a psiquiatra Alessandra Diehl, que também é vice-presidente da Associação Brasileira de Estudos Sobre o Álcool e Outras Drogas (ABEAD), o contrabando é um problema grave que estimula a realização de outros crimes como roubo, furto, receptação, homicídios, lavagem de dinheiro, corrupção de agentes públicos, ameaças a agentes públicos e evasão de divisas. “Ficamos felizes com a preocupação do GT, que incentiva a cooperação dos órgãos responsáveis pela prevenção e repressão ao contrabando de cigarros e providências para recriação do Comitê para Implementação do Protocolo. O documento prevê ainda a aplicação rigorosa da lei nas sentenças judiciais que envolvem os contrabandistas”, comenta.

Nem tudo são flores

No entanto, nem todas as notícias são positivas quando a pauta é o combate ao tabagismo no País. Neste mês de agosto, a Agência Nacional da Vigilância Sanitária (Anvisa) realizou duas audiências públicas para debater a possibilidade de liberar a comercialização de cigarros eletrônicos – tecnicamente identificados como dispositivos eletrônicos para fumar (DEFs).

Em 2009, a Anvisa proibiu a comercialização, a importação e a propaganda de quaisquer dispositivos eletrônicos para fumar. Esses dispositivos eletrônicos são apresentados pelo mercado como uma alternativa ao cigarro comum, ou até como uma forma de transição para quem quer deixar de fumar. No entanto, do ponto de vista médico, esses produtos podem ser até mais viciantes, causando uma dependência rápida e muito mais intensa.

Os encontros da Anvisa reuniram representantes da Comissão Nacional para Implementação da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco (Conicq), que defendeu e proibição, além de membros da Associação Brasileira da Indústria do Fumo (Abifumo) e do Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (Sinditabaco), que se manifestaram a favor da legalização, por razões econômicas. A justificativa é de que a ilegalidade não inibe os fumantes, que compram cigarros eletrônicos na internet, contrabandeado de outros países.

A própria OMS, no mesmo relatório sobre a Epidemia Mundial do Tabaco demonstra preocupação sobre a regulamentação da comercialização dos cigarros aquecidos e eletrônicos. Segundo o documento, a entidade acredita que esses produtos servem de porta de entrada para outras dependências e, entre elas, o cigarro tradicional.

Alessandra Diehl também é contra a liberação de cigarros eletrônicos. Para ela, além do risco aumentado de uso posterior de cigarros tradicionais, maconha, opioides e outras drogas ilícitas, esses produtos também apresentam riscos à saúde. “Embora o número e os níveis de substâncias tóxicas sejam menores em aerossóis dos cigarros eletrônicos do que do fumo do tabaco tradicional, a exposição a longo prazo ao vapor do cigarro pode causar dependência à nicotina e aumentar o risco de efeitos respiratórios e cardiovasculares”, diz Alessandra.

A especialista destaca ainda que o suposto benefício do uso de cigarros eletrônicos como ferramenta de redução ou interrupção do tabagismo nessa faixa-etária ainda é pouco ou nada fundamentado. “As pesquisas existentes apontam justamente para o contrário: há evidências na associação robusta entre tabagismo e vaping, inclusive em estudos de coorte prospectivos, mostrando que os jovens que fazem uso de dispositivos eletrônicos têm um risco aumentado de fumar subsequentemente, e vice-versa”, afirma a psiquiatra.

Panorama mundial

Em outros países, o uso de nicotina através da forma vaping (dispositivos alimentados por bateria, equipados com um elemento de aquecimento que produz um aerossol ou vapor inalado pelos usuários) disparou entre adolescentes e adultos jovens. “Os E-cigarros, com seu alto teor de nicotina, sabores atraentes, baixos custos, ampla disponibilidade já ameaçam cinco décadas de progresso na luta contra o uso do tabaco em vários locais do mundo, como na América do Norte”, conta Alessandra.

Para se ter uma ideia do tamanho desse fenômeno, no período de 2017 e 2018, a prevalência de vaping entre adolescentes entre 16 e 19 anos aumentou no Canadá e nos EUA, assim como o fumo no Canadá, com pouca mudança na Inglaterra. Conforme Alessandra Diehl, entre 2017 e 2018, a prevalência de vaping em 30 dias entre os adolescentes aumentou cinco pontos percentuais nos EUA e seis pontos percentuais no Canadá. Esses achados são consistentes com dados recentes de pesquisas nacionais de referência realizadas nos EUA: a prevalência de vaping em 30 dias aumentou em 8,9% no National Youth Tobacco Survey e em 6,8% no estudo Monitoring the Future (coorte representativa de escolares realizados desde 1975), em comparação com 5,1%.

 “Observando os dados coletados em outros países, é nosso papel, como pesquisadores da área médica, de alertar os perigos que representa a liberação dos cigarros eletrônicos. A audiência da Anvisa é mais uma oportunidade de ação, mantendo a proibição da venda no Brasil”, finaliza Alessandra Diehl.

Curitiba recebe nova edição do campeonato CSN Winter Tour Copa de Hipismo Indoor

A Sociedade Hípica Paranaense promete agitar o inverno curitibano. Entre esta quinta-feira (22) e sábado (24) acontece mais uma edição do campeonato CSN Winter Tour Copa de Hipismo Indoor. Nessa edição as provas serão realizadas no picadeiro coberto. Uma estrutura está sendo especialmente montadaanexada ao local das provas para atender os nossos aletas e públicoaliando  emoção das provasdiversão e entretenimento em um único espaço.

O concurso contará com atletas já conhecidos por sua excelência dentro do circuito nacional. Nos 3 dias de evento acontecerão 15 provas entre as alturas de 0,60m e 1,40m com início a partir das 15:30 de hoje. Um lounge montado ao lado do picadeiro contará com as marcas parceiras e opções de alimentação. Um evento para entusiastas do esporte e aberto ao público geral com entrada franca.

Uma disputa acirrada já anima a noite de sexta-feira. Com horário de inicio programado para às 19:30 a sempre acirrada Copa Ouro com apoio da Band contará com a presença de clássicos nomes do esporte, competindo atrás de uma premiação total em dinheiro no valor de R$40.000,00 -, a disputa se dá sobre um percurso com desempate. Outras provas contam com apoio de Lúcio Miranda, D’Lacerda, Horse Bauer e Rocha Top.

Fechando o dia de competições, no sábadotemos o Clássico com o apoio de Ademilar, marcado para às 20:00 o inicio da primeira volta. Um prêmio total em dinheiro no valor de R$70.000,00 espera pelos melhores classificados.

A programação se encerra com a volta da festa Festerê da Hípica, já tradicional em Curitiba, com organização da CWB que a cada evento supera expectativas. Um público seleto, DJS conhecidos e open bar prometem finalizar a programação hípica com chave de ouro.

Curitiba recebe BMS Motocycle na próxima semana

De 16 a 18 de agosto, Curitiba recebe o BMS Motorcycle, evento mais esperado do universo duas rodas. A estrutura do BMS desembarca na capital paranaense para revolucionar mais uma vez o mercado de eventos do motociclismo.

Em 2018, o BMS Motorcycle conseguiu reunir o maior número de customizadores em um único evento do segmento. Foram mais de 40 artistas que participaram, apresentando um pouco mais sobre o seu trabalho e estilo de customização em um espaço exclusivo.

MOTO OFICIAL

Além da área especial voltada à cultura custom, o evento ainda conta, a cada edição, com uma moto oficial, em que um profissional é convidado para modificar uma motocicleta, de acordo com o seu próprio estilo e liberdade. “O BMS Motorcycle trabalha não só com a liberdade duas rodas, mas também com a liberdade profissional, em que damos abertura total, assim como todo o suporte necessário, para que o customizador possa criar em cima de suas referências e anseios, valorizando cada vez mais essa importante e crescente cultura”, explica Cezinha Mocelin, diretor do BMS Motorcycle.

Em 2019, a moto oficial da quinta edição do evento será uma Royal Enfield Classic 500, que será customizada profissional Danilo Bona, da Wolf Motorcycle, de Santa Catarina.

“Ter a oportunidade de participar deste evento é um marco muito grande em minha carreira, pois o BMS Motorcycle está revolucionando a cena duas rodas do Brasil e o mais gratificante é ter sido escolhido como o construtor da moto oficial no meio de tantos customizadores de peso no mercado”, comenta Bona, que atua no ramo desde os 16 anos, sendo especialista no ramo custom desde 2013.

É a primeira vez que a Royal Enfield participa do BMS Motorcycle. A marca de motocicleta, que é a mais antiga em produção contínua, foi criada em 1901, na Inglaterra, e abriu a sua primeira unidade no Sul do Brasil neste ano. Com mais de 50% de crescimento a cada ano nos últimos meses, a Royal Enfield está rapidamente se tornando um importante player no mercado global de média cilindrada e trabalha para reinventar esse segmento, com modelos evocativos, envolventes e muito divertidos de pilotar. A marca opera por 675 revendedores na Índia e exporta para mais de 50 países em todo o mundo, incluindo os EUA, Reino Unido, diversos mercados europeus e latino-americanos, além de cidades do Oriente Médio e do Sudeste Asiático.

A customização da moto oficial ainda conta com todo o suporte e apoio da Gedore, marca que reúne as ferramentas profissionais mais conhecidas e as campeãs de vendas do mercado, sendo possível de encontrar utensílios ideais para cada uma das necessidades buscadas, disponibilizando também profissionais altamente qualificados para atender os usuários dos instrumentos.

O resultado final da motocicleta poderá ser conferido durante a quinta edição do BMS Motorcycle, na Usina 5.

INGRESSOS

Os ingressos e passaportes para os três dias do BMS Motorcycle 2019 já estão disponíveis pela Eventim, com valores a partir de R$ 30 (meia-entrada por dia). Passaporte para os três dias R$ 60.

Arraiá no MON reúne grupos de forró, gastronomia típica e 50 torneiras de chope

Para encerrar as celebrações julinas, acontece a terceira edição do Arraiá no MON, no próximo sábado (27), a partir das 11h, no gramado do Museu Oscar Niemeyer (MON). O evento, que é considerado a maior festa julina da cidade, reunirá gastronomia para toda a família, com direito a opções típicas da temporada, atividades gratuitas para as crianças, 50 torneiras de chope artesanal e muita música ao vivo.

“Queremos fazer uma festa linda para toda a família, com estrutura confortável, ampla área e com equipamentos e palcos altamente profissionais para que os participantes possam curtir um dia animado e de boas vibrações”, explica Patrik Cornelsen, diretor executivo da Planeta Brasil Entretenimento, uma das produtoras do evento.

A programação musical tem início às 12h30, com aula de forró com o grupo Danza Mais. Já às 13h, é hora de colocar o aprendizado em prática com a banda Areia Branca, que aposta no forró pé de serra, seguido por Cira Airan e Ricardo Ribeiro Quarteto, às 16h30, com o melhor do forró raiz.

“Na questão musical teremos o típico forró, até mesmo com aula de dança para as famílias presentes. Além disso, várias surpresas e uma grande quadrilha estão na programação”, completa Bruna Wladyka, da 302 produções, também produtora do Arraiá no MON.

Já para as crianças, atividades gratuitas, desplugadas e supervisionadas prometem conquistar os pequenos com brincadeiras como pescaria, boca do palhaço, bingo, argola, tomba latas, entre outros.

Entre as opções gastronômicas, Churrasco de Igreja, Barreado, Sanduíche de Pernil, Hambúrguer, Batata Frita, Cachorro Quente e Pizza, disponíveis com valores a partir de R$10, além de opções típicas, como milho verde, pinhão, pipoca, doces julinos e quentão. Para beber, o tradicional quentão estará à disposição, assim como 50 torneiras de chope artesanal, reunindo rótulos de cervejarias locais, além de drinks especiais, com valores a partir de R$10. 

“O Arraiá no MON já entrou para o calendário da cidade de Curitiba e a terceira edição promete encerrar as celebrações típicas da melhor forma possível, oferecendo atividades gratuitas para as crianças, diversão para os adultos e gastronomia típica para todas as idades”, finaliza José Araújo Neto, proprietário de Bar Quermesse e um dos idealizadores do evento.

Os ingressos para a terceira edição do arraiá já estão disponíveis pela Alô Ingressos por R$15 + taxa (lote promocional).

viagens Paraná

Férias escolares: 5 viagens no Paraná para curtir a natureza com crianças

As férias escolares de julho chegaram e os finais de semana podem se tornar um bom período para fazer viagens com as crianças. Por isso, para tirá-las de casas e programar atividades ao ar livre, na natureza, existem alguns lugares do Paraná para curtir o tempo em família.

Conheça cinco opções de viagens no Paraná:

1. Parque Estadual de Vila Velha 

Localizado no município de Ponta Grossa, a 95 quilômetros de Curitiba, o parque é famoso pelas formações rochosas em vários formatos, como a taça e o camelo, mas a Unidade de Conservação também possui outras atrações, como as Furnas e a Lagoa Dourada, que fica com essa coloração a partir do reflexo do sol. O parque tem mais de 3 mil hectares, é tombado como Patrimônio Histórico e Artístico Estadual e foi criado em 1953 para conservar as formações de arenito e a vegetação nativa da região. No local, já foram encontradas espécies ameaçadas de extinção, como o lobo-guará e o tamanduá-bandeira. O parque, que passou por revitalização recente, possui trilhas para os passeios, que são acompanhados por guias. O local também possui lanchonete, centro de visitantes, estacionamento e loja de souvenirs.

Horário de visitação: das 8h30 às 15h30, de quarta à segunda-feira. A permanência no local é permitida até as 17h30. O parque fecha ao atingir a capacidade máxima de 800 pessoas.

Ingresso: R$ 28 por pessoa (o valor contempla a taxa do guia e ingresso para os Arenitos, Lagoa Dourada e Furnas)

Contato: (42) 98417-2323 e (42) 99943-0582, das 13h30 às 17h30

2. Buraco do Padre

Outro destino em Ponta Grossa que chama a atenção pela beleza natural é o Buraco do Padre. Localizado no distrito de Itaiacoca, o local tem como principal atração uma furna formada pela junção de falhas geológicas e aberturas nas rochas arenosas, onde é possível ver uma cachoeira com mais de 30 metros de altura. Acessando a Trilha do Favo, de dificuldade média, os visitantes também podem conhecer o topo da Furna e uma piscina natural. O Buraco do Padre está dentro de uma área particular contemplada pelo Parque Nacional dos Campos Gerais, criado em 2006, e considerado a maior área de Floresta com Araucárias protegida do mundo. O local possui playground e um café, que funciona nos finais de semana. A trilha principal é feita por uma passarela com fácil acesso a portadores de necessidades especiais.

Horário de visitação: das 9 às 17 horas, de quarta a domingo. Saída obrigatória dos visitantes até as 19 horas.

Ingresso: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). Para a Trilha do Favo é necessário pagar uma taxa de conservação de R$20.

Contato: (42) 3220-1814

3. Reserva Natural Salto Morato 

Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) localizada em Guaraqueçaba (PR), litoral Norte do estado, a Reserva Natural Salto Morato faz parte do maior remanescente contínuo de Mata Atlântica do Brasil, reconhecido pela Unesco como Patrimônio Natural da Humanidade. No local, aberto à visitação desde 1996, já foram registradas mais de 320 espécies de aves, algumas ameaçadas de extinção. Os principais atrativos turísticos da Reserva, mantida pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, são a queda d’água de cerca de 100 metros de altura que dá nome à área e uma figueira centenária que forma uma ponte viva sobre o Rio do Engenho. O acesso aos dois pontos é feito por trilhas demarcadas com painéis interpretativos e sinalização.

Horário de visitação: de terça-feira a domingo e feriados, das 8h30 às 16 horas

Ingresso: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). A entrada é gratuita para os moradores de Guaraqueçaba, menores de 10 anos e maiores de 60 anos.

Contato: (41) 3375-9671 e (41) 98827-4137 (WhatsApp)

4. Parque Nacional do Iguaçu

Um dos locais mais famosos e visitados do Brasil, o Parque Nacional do Iguaçu foi criado em 1939 e abriga as Cataratas do Iguaçu, formadas pelas quedas do Rio Iguaçu. São 19 saltos principais, cinco do lado brasileiro. Além de apreciar uma das Novas Sete Maravilhas da Natureza, o visitante também pode conhecer outras atrações do parque, como a Trilha do Poço Preto, realizada com guias bilíngues que explicam a diversidade biológica do parque. Um dos destaques do caminho é a Lagoa do Jacaré. Os nove quilômetros da trilha podem ser feitos a pé, de bicicleta ou com carro elétrico. O Parque ainda possui outras atrações, como a Trilha das Bananeiras e o radical Macuco Safari.

Horário de visitação: diariamente, das 9 às 17 horas

Ingresso: R$ 70 (entrada integral, a partir de 12 anos). Brasileiros pagam R$ 41 (a partir de 12 anos). Crianças de 2 a 11 anos e idosos acima de 60 anos pagam R$ 11.

Contato: (45) 3521-4400

5. Parque Estadual do Guartelá

Localizado em Tibagi, na região dos Campos Gerais, o parque foi criado em 1992 e abriga o Cânion do Rio Iapó, sexto maior do mundo em extensão e o único que mantém a vegetação nativa. No local, existe um mirante que pode ser visitado a partir de uma caminhada pela trilha básica do parque, onde também é possível conhecer a Cachoeira da Ponte de Pedra e os Panelões do Sumidouro, formações de piscinas naturais onde é permitido tomar banho. O parque também possui uma opção de trilha mais completa, que permite conhecer as pinturas rupestres do local. Essa segunda trilha tem pouco mais de 7 quilômetros e é feita somente com guia autorizado pelo parque.

Horário de visitação: das 9 horas às 16h30, de quarta-feira a domingo e feriados nacionais.

Ingresso: A entrada no parque para a realização da trilha básica é de graça. Para a trilha com pinturas rupestres, é necessário a contratação de um guia em uma agência de turismo local

Contato: (42) 3916-2150

LDO é aprovada em primeira e em segunda votação na Alep

Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para o exercício financeiro de 2020 foi aprovada em primeira e em segunda votação em uma sessão ordinária e outra extraordinária realizadas nesta quarta-feira (3), na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

Nas duas votações, o texto recebeu 40 votos favoráveis e seis contrários.

O projeto de lei nº 270/2019, do Poder Executivo, passou na forma de um substitutivo geral elaborado pela Comissão de Orçamento da Alep, que prevê para o exercício de 2020 receitas correntes de R$ 57,6 bilhões e uma receita liquida de R$ 55,8 bilhões.

Os deputados paranaenses apresentaram 85 emendas ao projeto. Do total de emendas, 60 foram acatadas pelo relatório apresentado e 25 rejeitadas. O texto também garante a possibilidade do Poder Executivo acrescentar aos cofres públicos mais de R$ 200 milhões.

Na prática, o substitutivo permite direcionar recursos do Fundo de Participação dos Estados (FPE), que poderiam ser destinados ao Judiciário, Legislativo e Ministério Público, ao governo do Estado.

A economia se dará em duas frentes. Uma delas é repassar aos Poderes responsabilidades financeiras que vem sendo arcadas pelo Governo do Estado.

Em 2019, o pagamento das pensões do Tribunal de Justiça vai custar R$ 25,2 milhões e do Ministério Público de R$ 8,1 milhões, os dois que têm os maiores orçamentos. Estes valores deixarão de sair dos cofres do Estado e poderão ser utilizados pelo Executivo em outras demandas.

Além do pagamento das pensões, a proposta da Comissão de Orçamento também prevê que o Governo do Estado deixará de pagar as custas processuais judiciais e extrajudiciais (Funrejus) ao TJ, hoje calculadas em R$ 17 milhões.

O maior corte, de acordo com o projeto, está na segunda frente, que fixa um limite para o repasse aos Poderes e órgãos.

Ao contrário do que ocorre todos os anos, a diferença entre a previsão da Secretaria da Fazenda para a arrecadação em 2020 e o que for efetivamente arrecadado não será repassada aos Poderes. No orçamento de 2019 este valor alcançará R$ 150 milhões.

Com as duas frentes, segundo o substitutivo, a economia para os cofres públicos totaliza R$ 200 milhões com base nos dados de 2019.

Feira do Vinil reúne fãs e colecionadores em Curitiba neste sábado

Em alta, mesmo na era digital, os antigos discos de vinil tem uma legião de fãs e colecionadores. Neste sábado (29), eles estarão na Feira do Vinil Tork and Roll.

O assessor executivo do bar, Marcos Traad, diz que o objetivo é consolidar um ponto de encontro diferenciado. A Feira do Vinil foi criada pelo músico e publicitário Paulo Vitola em 2011. E hoje o trabalho prossegue com a coordenação de DJ e Produtor Marco Dusch e de Marco Felipak.

A feira vai começar às 10h e segue até 17h. No local, também funcionam lojas, praça de alimentação, estúdio de tatuagem, barbearia, loja de vinhos, roupas e acessórios.

O disco de vinil, conhecido só como vinil ou long play (LP), foi uma mídia que dominou o mercado mundial a partir do final da década de 1940. E só começou a perder espaço nos anos 1990, com o crescimento das novas mídias digitais. Mas até hoje os colecionadores defendem a excelente qualidade do vinil para a reprodução musical, pela alta frequência sonora que este sistema pode alcançar.

Feira do Vinil Tork n’ Roll

Local: Bar Tork and Roll
Avenida Marechal Floriano 1695, Bairro Rebouças, Curitiba.
Data: 29/6/2019
Horário? das 10h às 17h
Telefone: 41 99980-7137
Site: www.torknroll.com.br

Polaroid apresenta sucessos dos anos 90 em Curitiba

O grupo curitibano Polaroid, formado por músicos e cantores paranaenses, faz a sua primeira apresentação com show “Tributo aos anos 90”, no sábado (29 de junho), às 19h30, no auditório do Sest/Senat, em Curitiba.

Polaroid apresenta um show divertido e emocionante, repleto de grandes hits, coreografias icônicas, e toda a alegria e animação características da década de 90.

A direção artística é de Maurício Vogue, direção musical de Gilson Fukushima e direção executiva de Leonardo Tanaka e Renata Furtado.

A estreia do grupo acontece em apresentação única.  Os ingressos podem ser adquiridos no local. A entrada inteira custa R$ 16,00 e a meia R$ 8,00.

 Mais informações no Instagram.

Parada Pet terá concursos e presença de “pet influencers” em Curitiba

Os apaixonados por animais já tem destino certo no próximo fim de semana: a Parada Pet. O evento acontece nesta sexta-feira (28), sábado (29) e domingo (30) no Parcão do Museu Oscar Niemeyer (MON). A edição deste ano contará com a presença das pet influencers Leica e Olivia.

A Parada Pet que tem entrada gratuita e promete reunir as últimas novidades e lançamentos do segmento, assim como as principais marcas do mercado, oferecendo também serviços aos pets e seus tutores, gastronomia, palestras e concursos, além de presenças especiais de grandes representantes da causa animal.

A cenografia será inspirada em parques temáticos internacionais, com direito a muita ludicidade em peças gigantes e repletas de cor. Outro ineditismo será a coleta de travesseiros, cobertores e caminhas usadas, itens que serão encaminhados para instituições que cuidam de animais abandonados. Quem doar, ganhará um desconto especial na compra de uma casinha nova na Casa do Produtor. Parte do valor das vendas também será revertido para as ONG’s.

“Estamos preparando muitas novidades para essa edição do Parada Pet. Palestras especiais, atrações inusitadas e concursos divertidas farão parte da programação. Também contaremos com uma lojinha especial, repleta de itens do Parada Pet, como canecas, bottons, camisetas, chaveiros e bandanas”, comenta Bruna Wladyka, uma das idealizadoras do evento.

PROGRAMAÇÃO:

Sexta-feira (28) – Com início marcado para às 14h, o primeiro dia do Parada Pet será marcado pelas presenças vips dos pet influencers Leica e Olivia, além de uma palestra sobre fotografia com a Nadalin Fotografia, dando dicas de como fotografar os bichinhos de uma forma inusitada, às 16h; Um café da tarde estará à disposição dos pets com petiscos naturais e nutritivos às 17h30;

Sábado (29) – No sábado, o evento já começa às 9h com um café da manhã especial, seguindo por uma ação de microchipagem, em parceria com a Prefeitura de Curitiba; Palestras especiais também farão parte do segundo dia de Parada Pet, com a veterinária Vivien Midori Morikawa, Coordenadora da Rede de Proteção Animal de Curitiba e Professora Doutora do Departamento de Saúde Coletiva da UFPR, com o tema “Políticas públicas de Proteção Animal – a experiência de Curitiba”, às 10h30; e outra sobre o tema “Maus Tratos”, às 16h, com o delegado Dr. Matheus Loyola, formado em direto e com pós-graduações em Segurança Pública, Direito Constitucional e Gestão pública;

Domingo (30) – O último dia de evento, que tem início às 9h, será marcado pela palestra sobre “Animais Silvestres”, às 13h30, com Edson Evaristo, Zootecnista, especialista em Administração Pública e Gerência de Cidades, e  Diretor do Departamento de Pesquisa e Conservação da Fauna da Secretaria Municipal do meio Ambiente; e pela presença VIP de Alexandre Rossi, o Dr. Pet, junto com sua companheira Estopinha, às 16h. Rossi é conhecido pelos apaixonados pela causa animal como um dos maiores especialistas em comportamento dos pets que dará dicas para melhorar ainda mais o relacionamento com o seu bichinho;

Concursos

O Parada Pet ainda promoverá inúmeros concursos durante os seus três dias de realização, cujas inscrições podem ser feitas diretamente no local, sendo o Cãosplay, que conta com o apoio da Coca-Cola e consiste em um concurso de fantasia entre os pet, em que o vencedor é a roupinha mais criativa de acordo com a avaliação dos jurados; o Gato Rabujento, com o apoio do Point do Gato, em que o vencedor será o gato mais mal-humorado do evento, de acordo com o júri; o Concurso Grande Porte, voltado aos pets com mais de 15 kg; Médio Porte, para cães a partir de 8 kg; e o Pequeno Porte, para cães de até 7kg. Os pets ‘diferentões’ também terão sua chance de mostrar todo seu charme no ’Pet Inusitado’, em que os animais mais fora do comum competirão entre si, como cobras, porquinhos da índia, entre outros, e serão avaliados pelo jurado; e o Vira Lata Mais Simpático, para todos os cãezinhos sem raça definida que conquistam qualquer um com sua simpatia.

Ainda haverá a divulgação do resultado do “Carinha de Um e Focinho de Outro”, cujas inscrições encerraram no início de junho, e que consiste em descobrir qual bichinho e tutor são os mais parecidos;

Uma das maiores feiras de adoção do Paraná

O Parada Pet terá um espaço de mais de 200 m² que será voltado à adoção de cães e gatos, sendo filhotes e adultos, do Instituto Fica Comigo. No último ano, cerca de 80 animais foram adotados e a ideia é que o número seja ainda maior neste ano.

Nos finais da tarde do evento, um desfile especial com os cães se raça definida tomará conta do Parcão com o intuito de dar um empurrãozinho para quem quer adotar um melhor amigo.

Gastronomia Vegana

Claro que o evento não contará com espaço só para os pets. Os humanos de plantão também poderão desfrutar das operações gastronômicas disponíveis, incluindo pratos vegetarianos e veganos, como a Moqueca Vegana, preparada com banana da terra e leite de coco; e o hambúrguer vegano, composto por feijão, grão de bico, cenoura e berinjela.

Sanduíches, barreado, churros, fish n’chips, açaí, cafés e sorvetes também estarão à disposição. Os valores são a partir de R$15.

Fraude Detran Infosolo

Justiça garante redução de preços nas taxas de financiamento do Detran-PR

Uma decisão do desembargador Rubens de Oliveira Fontoura, do Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Paraná, determinou que o Detran-PR credencie mais uma empresa (Tecnobank) para a prestação do serviço de registro de contratos de financiamento de veículos no estado. O desembargador derrubou uma liminar anteriormente concedida em mandado de segurança movido pela Infosolo, empresa que hoje praticamente monopoliza os registros no estado, contra uma determinação unânime do Tribunal de Contas do Estado, de fevereiro de 2019, para que a Tecnobank também fosse credenciada.

O desembargador entendeu não haver legitimidade para que a empresa impetrante questionasse o credenciamento de uma possível concorrente via mandado de segurança. “O serviço público de registro de contratos gerido pelo Departamento Estadual de Trânsito do Paraná não é conferido em caráter exclusivo a uma única empresa, ao revés, todas as empresas que atendem aos requisitos legais recebem credenciamento para a prestação do serviço”, escreveu o desembargador em sua decisão. “A impetrante não detém legitimidade para, em ação individual, tutelar o interesse da coletividade, isto é, não pode pleitear outra coisa que não direito seu. Vale inteirar, o credenciamento de outras empresas não tem o condão de alijar o direito já conquistado pelo impetrante”, acrescentou.

Para Fontoura, a intenção de não concorrer com a Tecnobank no mercado de registro de contratos não autoriza a impetração de mandado de segurança individual. “Assim, uma vez realizado o credenciamento, a escolha da empresa para a realização do registro do contrato é feita no âmbito privado pelas instituições financeiras usuárias do serviço”, concluiu, ao revogar a liminar. Com a decisão, a Tecnobank é a oitava empresa credenciada pelo Detran-PR para a prestação do serviço no estado, com base no edital de 2018, que estabelece teto de R$ 350,00 para o registro de contratos no estado.

Até agora, seis empresas constam como aptas a fazer o registro dos contratos, mas uma delas, Infosolo Informática S.A. concentra hoje mais de 90% da demanda, faturando, em média, R$ 9 milhões por mês. A Infosolo cobra o teto dos paranaenses, que pagam muito mais caro que os habitantes de outros estados pelo registro da alienação fiduciária. Enquanto aqui, a taxa é de R$ 350, em São Paulo, custa um terço, R$ 116. Além disso, dos R$ 350 desembolsados pelos paranaenses, apenas R$ 87,50 vão para o Detran, enquanto R$ 262,50 são pagos à empresa prestadora do serviço.

A crítica de consumidores e revendedores de veículos paranaenses à concentração dos contratos com praticamente uma única empresa é antiga e teve seu ápice em outubro do ano passado, quando bancos e lojistas se recusaram a registrar financiamentos pela Infosolo e nenhum carro financiado foi vendido por lojas paranaenses durante 10 dias. Para conter a crise, a Tecnobank chegou a ser credenciada emergencialmente pelo Detran, mas seu credenciamento foi suspenso, por ação da Infosolo, dois meses depois.

Neste ano, o Detran lançou novo edital, estipulando o valor máximo do serviço em R$ 143,63. Mas uma liminar em favor da mesma Infosolo suspendeu o novo edital, mantendo em vigor as regras de credenciamento do ano passado. Apesar de outras seis empresas já estarem credenciadas, a Infosolo foi a responsável por mais de 90% dos contratos registrados no Paraná entre janeiro e abril deste ano (143 mil contratos, ante 6.370 da segunda empresa com maior volume).

A entrada de novas empresas no mercado, mesmo que ainda com o edital de 2018, permite a redução do valor cobrado do consumidor paranaense pelo registro dos financiamentos por conta do aumento da concorrência. O valor de R$ 350,00, cobrado atualmente e estabelecido no edital, é o teto para a prestação do serviço, sendo as empresas autorizadas a aplicar qualquer valor até este total. Cabe à instituição financeira (banco, cooperativa, financiadora) escolher a empresa para a prestação do serviço. “Depois de resolvida a questão judicial e esclarecidos os fatos, vamos buscar o imediato credenciamento da empresa para prestar um serviço de qualidade à população num preço justo, porque o valor praticado no Paraná está inexplicavelmente superfaturado”, afirmou o advogado Luiz Fernando Delazari. “E as razões para esse preço ter sido estabelecido nesse patamar, bem como a existência de um monopólio no Paraná, deverão ser investigadas na sequência pelas autoridades competentes, principalmente o Ministério Público”, acrescentou.