Avatar

Ricardo Pereira - BandNews FM Curitiba

morro homem picado cobra curitiba

Homem morre picado por cobra urutu-cruzeiro no Paraná 

Um homem, de 59 anos, morreu após ser picado por uma cobra em Campina Grande do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba.

O caso foi registrado em uma chácara, no final da tarde desta quarta-feira (5), no bairro Rancho Alegre.

Amigos do caseiro relataram que ele caminhava pelo local quando foi atacado, e morreu após cerca de trinta minutos – antes mesmo da chegada dos socorristas.

A cobra seria da espécie urutu-cruzeiro, que pode chegar a 1,7 metro de comprimento e conhecida por ter um dos venenos mais tóxicos entre as cobras encontradas no Brasil. Ela vive em áreas de matas, campos e brejos.

Por ano, o Paraná registra cerca de 17 mil casos de acidentes com animais venenosos ou peçonhentos.

ORIENTAÇÕES

A enfermeira Tatiane Dombroski, da Divisão de Vigilância de Zoonoses e Intoxicações da Sesa (Secretaria de Estado da Saúde), diz que alguns cuidados são fundamentais para evitar esse tipo de ocorrência.

“A pessoa vai fazer uma limpeza, vai andar numa mata, fazer alguma caminhada,  precisa usar equipamento de segurança, como bota, luvas de couro, perneira, pra evitar a picada nas pernas enquanto está andando. Evitar ao máximo colocar a mão em buraco no chão, ou buracos em árvores e não mexer nas folhagens secas no chão.”, alerta a enfermeira

Manter a casa e o terreno sempre limpos, para evitar o aparecimento de animais peçonhentos, também é importante. Em caso de acidentes, medidas caseiras devem ser evitadas. A orientação é buscar atendimento médico o quanto antes.

Os registros incluem acidentes com cobras, aranhas, escorpiões, lagartas, abelhas e outros animais que podem causar intoxicação ou envenenamento. Em 2019, 14 pessoas morreram após serem picadas por algum animal peçonhento ou venenoso. Dessas, sete foram vítimas de serpentes, duas de aranhas e outras seis de abelhas.

Criança sofre corte na perna em escada rolante de shopping em Curitiba

Uma menina, de apenas três anos, sofreu um corte na perna ao utilizar a escada rolante de um shopping no bairro Portão, em Curitiba. A criança precisou levar 20 pontos na panturrilha direita e ficou internada no Hospital do Trabalhador por quatro dias. Foi na semana passada, no shopping Ventura.

É o segundo caso, no mesmo local, em menos de dois meses. No ano passado, em novembro, um menino de quatro anos teve um ferimento parecido ao utilizar a mesma escada rolante. O advogado João Carlos Farracha representa as duas famílias e pretende levar os casos adiante.

“O que a família é exatamente o que a primeira família relata. Eles estavam descendo a escada rolante e no meio da escada, a Yasmim deu um grito e a mãe e realmente viu que estava sangrando. Algum problema na escada rolante, algum objeto cortante está causando esse tipo de acidente”, diz.

O que causou o corte ainda não foi identificado pelas famílias das vítimas. Um segurança do shopping foi quem chamou os bombeiros, que prestaram os primeiros atendimentos e levaram a criança ao hospital.

“O primeiro passo é que a gente evite que esse tipo de acidente continue acontecendo. O ponto principal é que o shopping tome as medidas adequadas para que essa escada rolante não funcione ou funcione corretamente”, destacou.

Por meio de nota, o Ventura Shopping lamenta o incidente e afirma que presta assistência à família. O estabelecimento informa, ainda, que um laudo, emitido em novembro – dias após o primeiro caso, comprova as manutenções em dia e “perfeitas condições de uso da escada rolante e padrões de segurança exigidos pelas normas técnicas da ABNT”. Mesmo assim, uma nova avaliação técnica deve ser feita.

festival de teatro de curitiba 2020

Festival de Teatro de Curitiba já tem data para acontecer em 2020

O Festival de Teatro de Curitiba já tem data para acontecer em 2020.

O evento será realizado de 24 de março a 5 de abril. É a 29ª edição do maior festival de artes cênicas da América Latina. São mais de 400 atrações.

Na Mostra, cerca de 30 espetáculos, que estão em processo de seleção. O Fringe, mostra aberta, conta com apresentações de companhias de teatro, circo, música e dança.

A maior parte é formada por grupos brasileiros, mas também há companhias de outros países que fizeram a inscrição para participar.

O diretor do Festival de Curitiba, Leandro Knopfholz, diz que a proposta é proporcionar um evento para todos, com diferentes tipos de públicos e de gêneros artísticos. “Mais do que um festival de teatro, o Festival é um festival de artes cênicas, tem por característica esse encontro. É diferente de outras manifestações, outras linguagens. O teatro, o circo, a dança, a ópera, elas precisam  de um palco, uma plateia e de contato com pessoas. O Festival vem pra celebrar esse encontro”, afirma.

O Gastronomix promete apresentar pratos assinados por renomados chefes nacionais. O evento, que também reúne música e arte, acontecerá no gramado do Museu Oscar Niemeyer.

O Risorama, que acontece de forma itinerante e já passou por oito cidades de seis estados, também é programa garantido na capital paranaense.

A cada edição, o Festival de Teatro atrai, aproximadamente, 200 mil pessoas de todas as partes do país.

A organização do festival promete divulgar, em breve, informações sobre a venda de ingressos. A abertura das bilheterias está programada para o mês de fevereiro.

allana brittes daniel redes sociais

Assistentes de acusação pedem a prisão de Allana Brittes após fotos em redes sociais

Os assistentes de acusação no processo que apura o assassinato do jogador de futebol Daniel Correa Freitas pedem a prisão de Allana Brites, de 18 anos, que está entre os réus da ação e é filha de Edson Brittes, que confessou ser o autor do crime. No documento incluído no processo eletrônico na sexta-feira (7), os advogados alegam que ela está descumprindo medidas cautelares impostas em agosto deste ano pela juíza da 1.ª Vara Criminal de São José dos Pinhais, Luciani Regina Martins de Paula.

As determinações foram  estabelecidas quando a magistrada colocou a jovem em liberdade. Daniel foi morto em outubro do ano passado, durante uma festa em comemoração ao aniversário de Allana. A assistência de acusação pede que, se a prisão não for determinada, ela passe a ser monitorada por tornozeleira eletrônica. Os advogados anexam no pedido duas imagens que comprovariam que a jovem desrespeitou dois compromissos assumidos. Um deles, a proibição de acesso ou frequência a bares e casas noturnas. O outro, de se ausentar da comarca de Curitiba. Em uma das postagens de Allana em redes sociais, ela aparece no shopping de entretenimento Fresh Live Market, que reunia bares e restaurantes.

Segundo os advogados, o espaço encerrou as atividades em 7 de novembro passado, mas Allana teria comparecido ao local antes dessa data. Em outra publicação, ela mostra que esteve em Porto Belo, no litoral de Santa Catarina. A defesa de Allana afirma que as fotos na praia são do ano passado, portanto, antes de o assassinato acontecer.

Sustenta, ainda, que o espaço gastronômico no qual ela esteve não pode ser considerado bar. Dos sete réus que respondem ao processo, apenas Edison Brittes ainda está preso. Ele é acusado dos crimes de homicídio qualificado pelo motivo torpe, meio cruel e outro recurso que dificulte ou torne impossível a defesa da vítima, ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de adolescente e coação no curso do processo.

A ação penal aguarda a decisão de pronúncia, que pode levar os sete réus a júri popular, mas por diferentes crimes. Daniel foi encontrado morto em 27 de outubro de 2018, perto de uma estrada rural da Colônia Mergulhão, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Ele apresentava sinais de agressões e mutilações. Edson Brittes diz que cometeu o crime para defender a esposa de uma tentativa de estupro, tese que não foi confirmada nas investigações. A esposa de Brittes também responde ao processo.

preço pão caro paraná

Pão e outros produtos devem ficar mais caros no Paraná em 2020

O preço do pão no Paraná deve subir pelo menos 5%, a partir de janeiro de 2020. A avaliação do setor é resultado da alta do dólar. Em Curitiba, atualmente o quilo do pão francês varia de R$ 8 a R$ 15, de acordo com a região onde fica a padaria. De janeiro a novembro, a moeda norte-americana acumula uma alta de 9,43%. E essa valorização reflete em muitos produtos oferecidos aos brasileiros.

No caso do setor de massas, pães, bolos industrializados e biscoitos, o reajuste tem uma explicação básica: mais da metade do trigo é importado para atender a demanda interna. O produto vem de países do Mercosul, principalmente da Argentina, mas, também do Canadá e dos Estados Unidos.

O preço da farinha de trigo corresponde a mais de 50% do custo na maioria dos produtos. É o que detalha o presidente do SIPCEP (Sindicato da Indústria de Panificação e Confeitaria do Estado do Paraná), Vilson Borgmann.

“Com certeza vamos ter um reajuste no preço do pão. Nós viemos acumulando uma alta na farinha de trigo há alguns meses e estamos retraindo. O que eu vejo é que janeiro não terá como segurar mais”, conta ele.

“A política que a gente adota é: quando sobe o dólar, é segurar um pouco o preço para ver se ele vai firmar nessa alta. Agora a gente vê que está se mantendo, então não dá mais para represar esses custos”, explica.

OUTROS SETORES DEVEM SER ATINGIDOS PELA ALTA DO DÓLAR

Não é só o pão que deve encarecer no próximo ano. (Arnaldo Alves / ANPr)

Se o dólar permanecer em alta, o setor de roupas também deve ser afetado nas coleções de outono/inverno. As peças geralmente oferecidas ao consumidor entre o final de fevereiro e o começo de março.

Além disso, a moeda ainda têm influência no custo da indústria farmacêutica, já que o setor depende de insumos importados – 95% da matéria-prima vem de outros países. Entretanto, o setor é submetido ao controle de preços.

A aviação também pode ser impactada se a moeda permanecer em alta. O querosene é comercializado em dólares, assim como a manutenção e o arrendamento de aeronaves, que, juntos, representam mais da metade de todo o custo do setor.

“As viagens para o exterior ficaram muito mais caras. O turismo nacional, automaticamente, também elevam os preços. O sucesso do real sempre foi essa âncora. Se há uma desvalorização do real perante ao dólar, fatalmente a inflação será elevada. E isso afeta o poder aquisitivo porque os salários não sobem na mesma velocidade”, analisa Armando Rasoto, economista e consultor em estratégias e finanças.

COMBUSTÍVEL TAMBÉM ENTRA NO PACOTE

Reajustes na gasolina e no diesel entram no pacote. (Geraldo Bubniak / AGB)

O reflexo no custo do combustível já é percebido com reajustes frequentes por parte da Petrobras, que, no mês passado, aumentou duas vezes o valor da gasolina: em 2,8% e 4%. O diesel também teve o preço alterado nas refinarias: cerca de 2%.

Muitos fatores têm influenciado na valorização da moeda estrangeira, entre eles a questão política. De acordo com o economista Daniel Poit, existem diversas causas.

“A disputa política no mercado internacional, entre americanos e chineses, tem um certo padrão de influência. A queda dos juros em reais também influi porque muitos investidores querem voltar com seu capital ao seu país de origem. Ao retirar o dinheiro do Brasil, eles transformam para dólar para poder retirar o dinheiro”, completa

Por fim, ele também considera que o ritmo lento para aprovar a reforma tributária – considerada por ele uma das mais importantes, também provoca insegurança entre os investidores.

sargento, pm, assassinato, morte, curitiba, paraná, tatuquara, investigação, divisão de homicídios, dhpp

Assassinato de sargento da PM pode ter sido motivado por desavenças pessoais

A DHPP (Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa) investiga a morte do sargento da Polícia Militar, Antônio Carlos Pires, de 52 anos. Ainda não se sabe a motivação do assassinato e quem matou a policial. Uma das linhas de investigação aponta que crime pode ter sido motivado por desavenças pessoais.

O crime aconteceu no sábado (26) à noite, na Cidade Industrial de Curitiba. A situação foi registrada por volta das 21h30, na Rua Anjolilo Buzzetti.

O sargento estava de folga, à paisana, e utilizava o carro particular. Ele estaria a caminho de casa, no bairro Vitória Régia, quando foi atingido pelos disparos, que teriam vindo de uma pessoa que estava em um carro parado na frente do veículo do policial.

A delegada Iara Dechiche, da DHPP, esteve no local do crime. Para a investigação, ainda é cedo para afirmar se o assassinato foi, ou não, uma emboscada.

“Não se sabe se foi um assalto ou uma emboscada. A vítima estava parada dentro do carro e ainda não sabemos o motivo. o carro do autor dos disparos estava parado na frente do veículo do sargento”, contou.

Testemunhas relataram que um veículo Gol, de cor prata, estaria envolvido na situação. Um carro com as mesmas características, e que havia sido roubado três dias antes, foi encontrado abandonado no bairro Tatuquara. É o que diz a tenente Falkenbach, da Polícia Militar.

“Ele bate com todas as características que foram repassadas pelas testemunhas. Ele foi encontrado no bairro do Tatuquara. Foi feita a perícia no veículo para verificar se é o mesmo carro usado pelos autores do homicídio”, disse.

O sargento trabalhava na função de auxiliar do setor de Transporte do 23° Batalhão da PM estava na corporação havia 26 anos. Pires, enterrado nesta segunda-feira (28), deixa esposa e uma filha adulta. A Polícia Militar e a Polícia Civil trabalham juntos na investigação sobre o assassinato.

 

viaturas conserto contrato emergência jmk paraná

Polícia investiga se agentes públicos tinham participação no esquema da JMK

A PC-PR (Polícia Civil) apura se agentes públicos tiveram alguma participação no esquema de superfaturamento na prestação de serviço à frota oficial do Estado. O crime, segundo a investigação, foi cometido por sócios e funcionários da empresa JMK, que, de 2015 a 2019, foi responsável pela manutenção de 17 mil veículos oficiais. Uma nova investigação foi aberta para descobrir se funcionários públicos proporcionaram algum tipo de facilitação ou se acobertaram as práticas.

No primeiro inquérito, concluído no mês passado, dois sócios da JMK e outras doze pessoas foram indiciadas. Entre os indiciados estão Aldo Marchini Junior e Jairo Cezar Vernalha Guimarães, donos da empresa. São pessoas suspeitas de crimes como lavagem de dinheiro, fraude em licitação, falsidade ideológica, falsificação de documentos e organização criminosa.

Agora, o Ministério Público pode, ou não, apresentar denúncia à Justiça. A averiguação foi iniciada por causa de indícios de que os responsáveis pela empresa falsificavam e adulteravam orçamentos de oficinas credenciadas para aumentar o valor dos serviços prestados.

O delegado Alan Flore explica o objetivo dessa nova etapa de investigação. “A empresa teve contrato com o poder público por mais de quatro anos e uma das vertentes agora, que nós trabalhamos, é a participação de outros envolvidos. Tando pessoas que não são agentes, como também agentes públicos. Nós estramos que essa empresa tenha praticado tantas fraudes de uma forma reiterada, sem que ela fosse incomodada em algum momento”, afirma o delegado.

Além disso, peças paralelas – de baixa qualidade, eram colocadas nos veículos. Mesmo assim, segundo a polícia, o valor cobrado era superior ao de peças originais. Um prejuízo total estimado em R$ 125 milhões. O delegado Guilherme Luiz Dias foi um dos responsáveis pela investigação.

A polícia também alega que, pelo contrato, havia a previsão inicial de uma porcentagem de 4%, cobrada das oficinas pela JMK. No entanto, o índice cresceu e chegou a 20%. As oficinas que se recusavam a pagar eram descredenciadas, segundo a polícia.

Confira a íntegra da nota da JMK:

A defesa da JMK vai apresentar à Justiça todas as provas de que cumpriu rigorosamente o contrato e está à disposição do Ministério Público para qualquer esclarecimento.

O sistema de gestão compartilhada implantado pela JMK oferecia ao Estado economia, transparência e ferramentas de fiscalização e possibilitou uma economia de R$ 96 milhões ao Estado.

Mais da metade das notas foram pagas em atraso pelo Governo, gerando uma série de problemas com as oficinas contratadas, como também prejuízos para a JMK.

A empresa segue acreditando na Justiça e está confiante que o Ministério Público não irá acolher o indiciamento feito pela Autoridade Policial, que desde o início tem agido com indevida precipitação na análise do caso.

 

requião filho deputado golpe

Deputado Requião Filho tem dados roubados e usados em golpe

O deputado estadual Requião Filho (MDB) teve os dados usados em um golpe de aluguel de imóveis. O suspeito anunciou um apartamento em Guarujá, litoral de São Paulo, e lucrou R$ 700 com o suposto aluguel do imóvel.

O deputado teve o nome completo e o CPF registrados no contrato. Além disso, a mulher só percebeu que foi enganada quando entrou em contato com Requião Filho.

“Pegaram meus dados na internet e fizeram contrato de locação de móvel com meu nome de um apartamento no Guarujá. Estava vendo o Facebook quando recebi uma mensagem de uma moça dizendo que ela teria alugado o apartamento meu e que o responsável por esse contrato não estava respondendo mais suas mensagens”, conta o deputado.

Os dois acabaram fazendo boletins de ocorrência – ele em Curitiba e ela em Mato Grosso. Além disso, eles avisaram a Polícia Civil do Guarujá, que já tem pistas sobre o suspeito.

“Tudo indica que ele é de São Paulo. Espero que a polícia encontra ele e ele responda por esse absurdo”, avalia o deputado.

“Fica a dica para quem vai alugar imóveis no verão. Procure sites confiáveis e jamais acredite em ‘negócios da China’. Bons apartamentos e boas casas muito baratas devem levantar a bandeira vermelha”, completou Requião Filho, alertando a população sobre esse tipo de golpe.

Mulher é assassinada e tem corpo jogado no rio; filho da vítima é abandonado em carro

A polícia investiga a autoria e motivação do assassinato de uma mulher de 25 anos entre os municípios de São José dos Pinhais e Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba. O filho dela, de apenas quatro anos, estava no carro e é a única testemunha do crime.

O veículo estava atolado a alguns metros de um rio, onde o corpo de Beatriz Stefanichan de Almeida Santos foi encontrado, minutos depois. A ocorrência começou no final da tarde de ontem (16), quando um motociclista percebeu uma movimentação estranha no veículo, que poderia ser um sequestro.

O subtenente Valdir, da Polícia Militar, explica como o atendimento foi feito até a localização do automóvel e do corpo.

“Essa situação começou no final da tarde, como se fosse um sequestro de um veículo com uma criança no banco traseiro. Um conduzindo o veículo e outro com ferimentos. Fizemos várias rondas e uma família da região viu ele neste local. A gente chegou, mas a Força Nacional já se encontrava com a criança.

O caso está sob investigação da Delegacia de Piraquara. O investigador Sérgio Klaar diz que as marcas dentro do carro mostram que, provavelmente, a mulher lutou com o assassino.

“Não sabemos ainda que tipo de arma foi usada. A princípio, foi uma contundente. O que nos passaram foi que foi um roubo agravado, aonde tinham mantido a motorista e o filho como refém”, completou.

O menino, de quatro anos, foi entregue aos avós e a polícia deve tentar conseguir, com ele, alguma informação que possa ajudar na identificação do assassino.

vacina febre aftosa

Ministra da Agricultura autoriza a suspensão da vacinação contra febre aftosa no PR

O Paraná pretende se tornar, até o final do ano, livre de febre aftosa e sem vacinação.

Dessa maneira, produtores agropecuários devem economizar até R$ 30 milhões ao ano – valor estimado em gastos com vacinas e manejo dos animais.

O principal benefício deve ser comercial, já que alguns mercados asiáticos só compram carne de áreas sem vacinação. São mercados considerados mais exigentes e que poderiam pagar mais pela carne exportada pelo Paraná.

Atualmente, esses países também deixam de aceitar aves e porcos – mesmo que não exista risco de o frango ser contaminado pela doença e apesar de não existir registro de casos em suínos.

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, assinou hoje (15) a Instrução Normativa que autoriza a suspensão da vacinação contra a febre aftosa no estado a partir de novembro.

O Ministério fará o monitoramento do Paraná para avaliar a atuação dos postos de fiscalização nas divisas e, após isso, deve reconhecer nacionalmente o estado como área livre da febre aftosa sem vacinação.

No entanto, até lá, devem ser contratados médicos veterinários e técnicos para atuação na vigilância. Um posto de fiscalização agropecuária, na divisa com São Paulo, deve ser construído.

Essa etapa está dentro do objetivo brasileiro de aumentar gradualmente as áreas sem vacinação contra a doença no país, previsto no plano estratégico 2017-2026 do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa. O governador Ratinho Júnior considera que a medida deve ampliar o mercado do agronegócio.

As doses de vacinas contra a febre aftosa estocadas no Paraná serão remanejadas pela iniciativa privada para os estados que ainda irão aplicar o produto. Com isso, a partir do mês que vem, o rebanho de 9,2 milhões de bovinos e bubalinos do estado não será mais vacinado contra a aftosa.

Além de suspender as campanhas de vacinação, que eram feitas anualmente sempre em maio e novembro, a Instrução Normativa do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento proíbe o uso e a comercialização dessa vacina no Paraná já a partir do dia 31 de outubro. E a partir de 2020, será proibida a entrada de animais vacinados, bovinos e bubalinos, no Paraná.