Roger Pereira

Roger Pereira

Repórter do Paraná Portal

Ratinho Junior devolve jatinho alugado pelo governo

O governador do Paraná Ratinho Junior (PSD) devolveu, nesta quinta-feira o avião que o governo do estado alugava junto à empresa Helisul para o uso exclusivo do Poder Executivo. A devolução do jatinho chegou a ser anunciada por Ratinho como sua primeira medida como governador, no dia de sua posse, em 1º de janeiro. “Esse é um compromisso que fizemos com a população do Paraná. Faz parte de um pacote que estamos apresentando e tomando medidas de redução de custo de despesas, que não são despesas que atendem à população”.

“Esse jato atendeu por muito tempo o Governo do Estado. Nós entendemos que não é prioridade uma despesa de R$ 4,5 milhões por ano para atender o governador, então estamos devolvendo a aeronave, para acabar com as mordomias que, ao longo de muitos anos, existiram no poder publico. A população não aceita mais isso”, declarou.

O governador explicou que já há, à disposição do estado um avião pertencente à Copel que, até hoje, estava subutilizado. “Temos uma avião da Copel disponível para o governo do Estado, não justifica termos ois aviões. Além dos R$ 4,5 milhões anuais de economia com o fim deste contrato de aluguel, otimizaremos a utilização da aeronave da Copel reduzindo, inclusive, seu custo para a companhia”, afirmou.

Apesar de o valor não ser tão significativo (o orçamento do estado neste ano é de R$ 57,3 bilhões), Para Ratinho Junior a medida é simbólica para seu compromisso de acabar com mordomias e valorizar o dinheiro público. “Temos um pacote para ajustar a máquina pública, priorizando o que é essencial para prestar um bom serviço para a população. Aquilo que não era essencial, que era mordomia, ou despesa que não ´importante para o cidadão, estamos cortando ou suspendendo”, disse. “Redução de secretarias, diminuição de autarquias, são medidas para valorizar o dinheiro público e cumprir com os compromissos que assumimos na campanha”, acrescentou.

Com o dinheiro economizado, o governador prometeu implementar um novo programa de saúde, que será anunciado em breve à população.

Coritiba passa pelo São Caetano nos pênaltis está nas oitavas da Copinha

Não faltou emoção na vitória do Coritiba sobre o São Caetano pela terceira fase da Copa São Paulo de Futebol Júnior. Depois de um empate em 2 a 2, a classificação coxa-branca para as oitavas de final foi decidida após 18 cobranças de pênaltis.

O Coritiba abriu o placar no primeiro tempo, com Igor, aos 32 minutos, batendo da entrada da área após boa jogada pela direita.

Mas o Azulão chegou a virar o placar. Primeiro com Gabriel Silva, aos 12′, aproveitando um bate-rebate na área; depois, com Hernandes, aos 22′, aproveitando rebote da trave após boa jogada de Rafael Menezes.

Mas, três minutos depois, o Coritiba conseguiu o empate, com Igor Jesus, aproveitando uma saída atrapalhada do goleiro Daniel.

Nos pênaltis, brilharam as estrelas dos goleiros Diego, do Coxa, e Daniel, do São Caetano, cada um defendendo três cobranças. Na nona cobrança de cada equipe, no entanto, Jean, pelo São Caetano, acertou a trave e Guilherme fez o gol da classificação coxa-banca.

Nas oitavas, o Coritiba enfrenta o Vasco, na próxima quarta-feira.

Juiz estipula fiança de R$ 8 milhões para operador de Beto Richa deixar a prisão

Em cumprimento a liminar do presidente do Supremo Tribunal Federal, José Antonio Dias Toffoli, que determinou a substituição da prisão preventiva por medias alternativas ao empresário Jorge Atherino, investigado na 53ª fase da Operação Lava Jato (Operação Piloto), o juiz federal Paulo Sérgio Ribeiro, da 23ª Vara Federal de Curitiba determinou, nesta segunda-feira, entre as “medidas alternativas”, o pagamento de uma fiança de R$ 8 milhões.

De acordo com o magistrado, a importância é o dobro do valor relacionado ao fato criminoso que foi objeto de denúncia do Ministério Público Federal. Atherino é acusado de ser o “operador financeiro” de um esquema de pagamento propina ao grupo político do ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB).

A decisão de soltar o empresário foi dada no último sábado (12 de janeiro) pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli. O ministro acatou os argumentos da defesa de Atherino que afirmou que a movimentação financeira das empresas dele, por si só, não justificaria a prisão. Os advogados ainda alegaram que, como Beto Richa não é mais governador do Paraná e Atherino não atua mais com o ex-governador, não há risco de recorrência do crime.

Apesar de aceitar o pedido para soltar o empresário, o ministro do STF determinou que as medidas cautelares que vão substituir a prisão preventiva sejam definidas pelo juízo da 23ª Vara Federal de Curitiba. Desta forma, o juiz Paulo Sérgio Ribeiro, além da fiança, definiu que Atherino terá de usar uma tornozeleira eletrônica, está proibido de manter contato com os demais denunciados, deve permanecer afastado de qualquer atividade relacionada a gestão das empresas identificadas na investigação e está proibido de sair da cidade onde mora.

A Operação Piloto, apura o pagamento de R$ 4 milhões em propinas pelo Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, em favor de agentes públicos e privados do Paraná. Em contrapartida a empreiteira teria sido beneficiada na licitação para as obras da rodovia estadual PR-323, no interior do Estado, no ano de 2014. O dinheiro teria ajudado a financiar a campanha de reeleição do ex-governador do estado em 2014. Atherino foi preso juntamente com o ex-chefe de gabinete de Richa, Deonilson Roldo, que não foi beneficiado pelo habeas corpus de Toffoli e segue preso em Curitiba.

Athletico perde para o Mirassol nos pênaltis e é eliminado da Copinha

Dono da melhor campanha entre todas 128 equipes que disputaram a primeira fase da competição, o Athletico está fora da Copa São Paulo de Futebol Júnior, após perder, nos pênaltis, para o Mirassol, do interior paulista, neste domingo, na terceira fase da competição.

Os piás do Furacão buscaram um resultado desfavorável de 2 a 0 para levar a partida para os pênaltis, mas, na decisão, desperdiçaram duas cobranças e acabaram eliminados.

Em uma partida bem equilibrada, um apagão de três minutos no primeiro tempo custou caro ao time paranaense. Aos 29’, Guilherme Castilho cobrou falta, a bola desviou na barreira e enganou o goleiro Allan, abrindo o placar para o Mirassol. O time atleticano sentiu muito o gol adversário e não demorou a sofrer o segundo. Aos 32’, em cobrança de escanteio, a bola foi desviada no primeiro pau, cruzou toda a pequena área e Giovani empurrou para o gol.

O técnico Marcão corrigiu os erros e acalmou os ânimos no intervalo,  e o Furacão voltou melhor, em busca da reação. Aos 15 minutos, em boa jogada de ataque, a bola chegou para Vitinho na linha de fundo. Ele cruzou no segundo pau e Bruno Leite diminuiu. Aos 27’, depois que Jaderson cruzou na área, Brener subiu de cabeça e foi empurrado. Pênalti que Vitinho cobrou para empatar.

Se fez o gol de empate, e de pênalti, Vitinho acabou sendo o vilão na disputa de penalidades. Depois que o goleiro do Mirassol, Lúcio, defendeu a cobrança de Vinícius e a equipe paulista converteu seus quatro primeiros chutes, Vitinho acabou batendo para fora, definindo a derrota atleticana.

Ricardo Barros anuncia candidatura à presidência da Câmara

O deputado federal paranaense e ex-ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP), anunciou neste sábado (12) sua candidatura à presidência da Câmara dos Deputados.

Em mensagem encaminhada aos seus colegas de legenda, Barros afirma que “os 30 anos de vida pública e a passagem austera e realizadora pelo Ministério da Saúde me animam a esta jornada”.

“Bom dia a todos os Progressistas. Quero pedir seu voto para presidente da Câmara dos Deputados. Meus 30 anos de vida pública e a passagem austera e realizadora pelo Ministério da Saúde me animam a esta jornada. Farei minha inscrição como candidato avulso. Deus ilumine esta jornada. Ricardo Barros.”

A movimentação de Barros é resultado da estratégia de parte dos partidos do Centro, principalmente PP e MDB de tentar derrotar Rodrigo Maia (DEM), favorito à reeleição, principalmente após a declaração de apoio do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, que elegeu a segunda maior bancada da Casa. A ideia é lançar o maior número de candidatos para levar a eleição para o segundo turno e conquistar o apoio da oposição posteriormente.

PP e MDB temem perderem poder com o crescimento do DEM, que emplacou quatro ministros no governo Bolsonaro, entre eles o chefe da Casa Civil (Onyx Lorenzoni) e, agora, pode eleger, também, o presidente da Câmara

STF - Lava Jato - Dias Toffoli - Sentenças - Lula

Toffoli manda soltar acusado de ser o operador financeiro de Beto Richa

Em decisão monocrática no plantão judiciário, o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, concedeu liminar em habeas corpus e mandou libertar o empresário Jorge Atherino, preso desde setembro do ano passado na operação Piloto, 53ª fase da Lava Jato, acusado de ser o “operador financeiro” de um esquema de pagamento propina ao grupo político do ex-governador Beto Richa (PSDB).

A Operação Piloto apura o pagamento de propina pela Odebrecht ao governo Richa em troca de favorecimento na licitação para as obras de duplicação da PR 323, em 2014. Atherino foi preso juntamente com o ex-chefe de gabinete de Richa, Deonilson Roldo, que não foi beneficiado pelo habeas corpus de Toffoli e segue preso.

Toffoli acatou os argumentos da defesa de Atherino segundo os quais a movimentação financeira das empresas dele, por si só, não justificaria a prisão, que poderia ser substituída por outras medidas cautelares como o uso de tornozeleira eletrônica e prisão domiciliar. A defesa alegou, ainda que, como Beto Richa não é mais governador do estado e Atherino não atua mais com o ex-governador, não há risco de recorrência do crime.

“Sem prejuízo de reexame posterior por parte do eminente Ministro Luiz Fux, defiro a liminar para determinar ao juízo processante que substitua a prisão preventiva do paciente pelas medidas cautelares diversas, que julgar pertinentes. Comuniquem-se, com urgência , a autoridade coatora e ao Juízo da 23ª Vara Federal de Curitiba/PR para que preste informações pormenorizadas e atualizadas a respeito da situação do paciente nos autos da ação criminal apontada nos autos”, despachou Toffoli.

Cesare Battisti é preso na Bolívia

O italiano Cesare Battisti, 64, foi preso na Bolívia. A informação foi confirmada pela Polícia Federal do Brasil na madrugada deste domingo (13).

O terrorista era considerado foragido desde o dia 14 de dezembro. A PF fez mais de 30 diligências para encontrá-lo, sem sucesso.

Ele teve a prisão determinada pelo ministro Luiz Fux, do STF (Supremo Tribunal Federal).

Ainda não há informações sobre os próximos passos de Battisti.

A Itália pede a extradição porque ele foi condenado em seu país pelo assassinato de quatro pessoas na década de 1970.

Battisti foi detido em Santa Cruz de La Sierra, uma das cidades mais importantes da Bolívia, no centro do país.
O presidente Michel Temer assinou decreto de extradição logo em seguida da decisão do Supremo, no dia 14 de dezembro.

A decisão autorizava o ministério da Justiça a iniciar o processo de entrega do terrorista às autoridades italianas, o que não se concretizou porque ele estava foragido.

Depois de não encontrar Battisti em seus endereços registrados, a PF no Brasil reiniciou do zero a busca, sem nenhuma pista do paradeiro.

Para tentar encontrar o italiano, a polícia chegou até a fazer um quadro com diversas imagens de possíveis disfarces.
O STF já havia decidido em 2009 aprovar a repatriação, mas o então presidente Lula (PT), no último dia de seu mandato, em 2010, permitiu a permanência dele no Brasil.

O Supremo deliberou, ao discutir o caso, que os crimes que levaram à condenação do terrorista não foram crimes políticos.

Em outubro de 2017, quando ainda estava vivendo em liberdade no Brasil, Battisti foi preso por evasão de divisas em Corumbá (MS) e o caso voltou à tona.

Ele foi detido na fronteira com a Bolívia ao transportar cerca de R$ 23 mil não declarados à Receita Federal brasileira.

Segundo o jornal italiano Corriere Della Sera, Battisti caminhava por uma rua de Santa Cruz de la Sierra quando foi abordado pela Interpol e por agentes bolivianos. Usava uma barba falsa e tinha com ele um documento de identidade com seu nome e data de nascimento.

Battisti estava sozinho no momento da captura, por volta das 17h de sábado (19h no Brasil). De acordo com o relato do jornal, ele não opôs resistência. Vestia calça e camisa azuis e usava óculos escuros. Levado a um carro de polícia, manteve-se em silêncio.

Uma equipe especial da polícia italiana deslocou-se para a cidade boliviana pouco antes do Natal, após receber dicas de informantes.

Pelo Twitter, o procurador Vladimir Aras, ex-secretário de Cooperação Internacional da Procuradoria-Geral da República, disse que há duas possibilidades para o envio de Battisti à Itália.

A primeira seria um novo processo de extradição, pedido pela Itália à Bolívia.

A segunda, mais simples, seria a deportação do italiano ao Brasil, uma vez que sua entrada na Bolívia provavelmente foi feita de maneira irregular.

Se o caminho for o novo pedido de extradição italiano, Battisti pode ganhar tempo e tentar se manter no país vizinho argumentando que é vítima de perseguição política. O governo Evo Morales, de esquerda, pode aceitar essa tese e lhe conceder asilo.

CESARE BATTISTI

Década de 1970
Envolve-se com grupos de luta armada de extrema esquerda.

Década de 1980
Foge da Itália e passa a maior parte do tempo no México. É condenado à prisão perpétua pela Justiça italiana, acusado de quatro homicídios.

Década de 1990
Exila-se em Paris (França), protegido por legislação do governo Mitterrand.

2004
Sem Miterrand, França aprova extradição para Itália; foge em direção ao Brasil, onde vive clandestino.

2007
É preso no Rio.

2009
Ministério da Justiça dá a ele status de refugiado político. STF aprova extradição, mas condiciona decisão ao presidente da República.

2010
Lula, então presidente, decide pela permanência de Battisti no Brasil.

2011
STF valida decisão de Lula, e Battisti é solto. Governo concede visto de permanência a ele.

2017
Em setembro, defesa entra com habeas corpus preventivo no STF para evitar extradição. Caso fica sob relatoria de Luiz Fux.
No começo de outubro é detido em Corumbá (MS) por evasão de divisas e, dias depois, recebe habeas corpus.
Temer decide extraditá-lo, mas espera decisão do STF sobre o habeas corpus. Fux concede liminar impedindo a extradição até que a corte decida sobre o habeas corpus.
Em dezembro, Battisti se torna réu no caso da evasão de divisas.

2018
Em novembro, o ministro do STF Luiz Fux conclui análise sobre habeas corpus e pede que caso seja levado ao plenário. No mês seguinte, porém, decide de forma monocrática pela prisão.

2019
Na madrugada de 13 de janeiro, o terrorista é preso na Bolívia.

Coritiba passa pelo União Mogi e avança na Copinha

O Coritiba não teve dificuldades para derrotar o União Mogi, neste sábado, pela segunda fase da Copa São Paulo de Futebol Junior e garantiu classificação para a terceira fase da competição. O coxa fez 3 a 0 sobre a equipe paulista e, agora, enfrentará o São Caetano, na segunda-feira, por uma vaga nas oitavas de final da competição.

O primeiro gol coxa-branca foi marcado por Luiz Felipe, de cabeça, depois de cobrança de escanteio, aos 36 minutos do primeiro  tempo.

No segundo tempo, Igor Paixão, em cobrança de falta próximo a grande área, ampliou o placar, aos 14 minutos. E Igor Jesus, aos 21’, definiu o placar com um gol por cobertura.

Litoral do Paraná registra 9ª morte por afogamento na temporada

Um rapaz de 45 anos morreu afogado, na tarde deste sábado, no Rio Marumbi, em Morretes. O Posto Tático-Móvel do Corpo de Bombeiros, na Região do Rio Nhundiaquara, foi acionado. Depois de 45 minutos de buscas, com utilização, inclusive, de helicóptero, a vítima foi localizada submersa.

Todos os procedimentos de reanimação cardiopulmonar foram realizados, mas, após 50 minutos de prestação de socorro foi constatado o óbito no local.

Essa é a nona vítima fatal registrada no litoral do estado na Operação Verão.

Nos pênaltis, Londrina é eliminado da Copinha pelo Fluminense

O Londrina está fora da Copa São Paulo de Futebol Junior. O Tubarão chegou a fazer 3 a 1 sobre o Fluminense, mas cedeu o empate nos acréscimos e, nos pênaltis, acabou derrotado na segunda fase da competição.

E foi o Fluminense que abriu o placar. De pênalti. Logo aos 3 minutos, o goleiro Daniel derrubou Martinelli na área. Samuel cobrou no meio do gol e fez 1 a 0 para o time carioca.

Aos 12’, o Londrina empatou, com Luquinha, o nome do Tubarão nesta Copinha. Juan avançou pela ponta direita e cruzou para o camisa 10 escorar para o gol.

Cinco minutos depois, veio a virada. Em cobrança de escanteio, Juan desviou para fazer o segundo.

Aos 18’ do segundo tempo, Luquinha (de novo ele) fez o terceiro, encaminhando a classificação do Tubarão.

Mas aí o Londrina relaxou e o Fluminense viu a chance de reação. O time carioca chegou ao segundo gol aos 21’, com nascimento, de cabeça, e, aos 46’, no abafa, Leandro conseguiu o gol de empate, levando a decisão para os pênaltis.

Na decisão nos pênaltis, João Mafra fez a primeira cobrança do Londrina por cima do gol e o goleiro Heitor defendeu a quinta cobrança, de Gabriel. O Fluminense converteu os quatro pênaltis que cobrou e garantiu vaga na terceira fase.