câmara de apucarana
Compartilhar

Moro ouve últimos depoimentos de investigados da Operação Asfixia nesta semana

Redação com BandNews FM CuritibaO juiz federal Sérgio Moro encerra os interrogatórios dos réus da 40ª fase da Operação L..

Fernando Garcel - 09 de outubro de 2017, 14:18

Redação com BandNews FM Curitiba

O juiz federal Sérgio Moro encerra os interrogatórios dos réus da 40ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Asfixia, nesta semana. O magistrado vai ouvir os ex-gerentes da Petrobras, Maurício Guedes e Márcio de Almeida Ferreira na terça-feira (10). Os empresários Marivaldo Escalfoni, da Akyzo, e Paulo Roberto Fernandes, executivo da Liderroll, serão ouvidos na sexta-feira (13).

Nesta ação penal, são investigados os crimes de corrupção, fraude em licitações, evasão de divisas, lavagem de dinheiro de empresas, e seus sócios, que atuavam em um esquema de repasses ilegais de empreiteiras para funcionários da Petrobras em decorrência da obtenção de contratos a empresa. O nome da fase é uma referência à tentativa de cessar as práticas criminosas em áreas da Petrobras dedicadas à produção, distribuição e comercialização de gás combustível.

Após ouvir os réus do processo, Moro vai abrir prazo para que o Ministério Público Federal (MPF) e as defesas apresentem as considerações finais ao processo. Depois, o magistrado vai definir as sentenças.

Moro manda soltar empresários presos na 40ª fase

Presos na 40ª fase da Lava Jato fazem exame no IML de Curitiba

Denúncia

De acordo com a denúncia do MPF, eles teriam participado de um esquema de pagamento de propina para a área de Gás e Energia da estatal, que chegou a um total de R$ 150 milhões. Os pagamentos ocorreram entre os anos de 2003 a 2016, ou seja, mesmo dois anos após o início da operação lava jato.

As empresas – Akyzo e Liderroll – firmaram contratos falsos com as fornecedoras tradicionais da Petrobras e, dessa forma, intermediavam o pagamento de propina a funcionários da estatal. O esquema criminoso também corrompia agentes políticos, que sustentavam a permanência dos cargos na Petrobras. As provas foram obtidas nos depoimentos de delação de outros ex-dirigentes e com a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telemático dos envolvidos.