camara de tamarana
Compartilhar

Barros afirma que vai apresentar cerca de 900 processos contra médicos ao STF

O Ministro Ricardo Barros afirmou nesta sexta-feira (25) que não foi notificado pelo Supremo Tribunal Federal da determi..

Andreza Rossini - 25 de agosto de 2017, 12:22

O Ministro Ricardo Barros afirmou nesta sexta-feira (25) que não foi notificado pelo Supremo Tribunal Federal da determinação do ministro Ricardo Lewandowski, para que ele se pronuncie sobre a exigência do cumprimento de carga horária dos médicos do Sistema Único de Saúde (SUS).

De acordo com o Ministério da Saúde, assim que for notificado, será apresentado ao órgão 878 processos reunidos pelo Conasems (Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde) referentes a ações do Ministério Público (MP) contra gestores municipais que apontam irregularidades de cumprimento de carga horária de profissionais de saúde, inclusive médicos.

O esclarecimento é sobre uma afirmação de Barros, quando disse que os médicos “fingem que trabalham”. De acordo com Barros, ele defende salários adequados para a categoria.

Na ocasião, durante evento no Palácio do Planalto, Ricardo Barros disse, ao mencionar a implantação de sistemas de acompanhamento da frequência: “Vamos parar de fingir que pagamos o médico e o médico vai parar de fingir que trabalha”. Poucos dias após a fala, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul ingressou com um processo para que o STF interpelasse judicialmente o ministro a se explicar, por entender que Barros havia ofendido toda a categoria. A medida é etapa anterior à possível abertura de uma ação penal por injúria.

O Ministério da Saúde ainda informou que não abrirá mão do cumprimento correto da carga horária em unidades básicas  de saúde implantando biometria.