câmara dos vereadores
Compartilhar

Jejum intermitente: a verdade e os riscos da nova moda para emagrecer

Nas redes sociais, nos blogs de saúde, nas academias não se fala em outro assunto: o jejum intermitente, a nova moda par..

Jordana Martinez - 04 de agosto de 2017, 19:07

Nas redes sociais, nos blogs de saúde, nas academias não se fala em outro assunto: o jejum intermitente, a nova moda para emagrecer.

A estratégia é simples e contoversa: fechar a boca pelo maior número de horas possível para, só então, fazer uma refeição. O objetivo é ficar, no mínimo, 12 horas sem comer nada. O ideal, dizem os defensores da dieta, seriam 16 horas de jejum, algumas vezes por semana, com o objetivo de obrigar o organismo a regular os hormônios e o metabolismo.

O Paraná Portal conversou com o médico e cirurgião Caetano Marchesini, presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM) e autor da coluna Medicina e Saúde, que explicou o que há de verdade científica que justificaria a prática, mas também alertou para os riscos desse tipo de dieta.

Segundo ele essa dieta não é indicada para qualquer pessoa e é necessário um acompanhamento criterioso para não acabar prejudicando a saúde: "logicamente isso vai fazer você emagrecer porque seu corpo vai procurar energia em dois lugares, como não tem açúcar, você vai ter uma perda proteica, vai perder músculos se você não fizer uma atividade física focada para músculo. E a segunda fonte é através da cetoacidose, é procurar na gordura a energia, e esse é o foco", disse.

"As nutricionistas e alguns médicos ficam de cabelo em pé porque realmente vai contra todos os conceitos habituais de comer a cada três horas, fazer uma dieta equilibrada, uma dieta com variedade... nós somos uma máquina perfeita apesar do que nós fazemos com ela, e nós temos a capacidade de autorregulação. O jejum intermitente não é para todos porque nem todos conseguem se autorregular dessa forma e fazer com que os hormônios comecem a trabalhar como a gente gostaria que trabalhasse porque, às vezes a condição clínica da pessoa não permite fazer esse tipo de dieta", argumentou.