câmara federal
Compartilhar

Justiça ouve testemunhas de defesa de Reni Pereira, ex-presidente de Foz

A Justiça Federal ouve, nesta terça-feira (8), mais dez testemunhas de defesa do ex-prefeito de Foz do Iguaçu, no oeste ..

Andreza Rossini - 08 de agosto de 2017, 09:42

A Justiça Federal ouve, nesta terça-feira (8), mais dez testemunhas de defesa do ex-prefeito de Foz do Iguaçu, no oeste do estado, Reni Pereira. Até o dia 17, devem ser ouvidas 64 testemunhas do processo.

O ex-prefeito tem acompanhado a série de audiências.

Reni foi preso na quarta fase da Operação Pecúlio e responde a dois processos.

Denúncia da Pecúlio

A investigação tem mostrado que servidores públicos de várias secretarias municipais, diretores, agentes políticos, ex-secretários e empresários tinham um esquema montado para desviar dinheiro por meio de fraudes em licitações. A estimativa é que R$ 30 milhões tenham sido desviados do município.

54 pessoas foram iniciadas pela PF na operação. O Ministério Público ofereceu denúncia contra 85, entre elas o ex-prefeito Reni Pereira, que viraram réus na operação após a Justiça acatar a acusação.

Segundo as investigações, Pereira é o líder da organização criminosa que envolve agentes políticos, vereadores, ex-vereadores, além de empresários da região. Entre os esquemas, o grupo recebia propina para aprovar e privilegiar empresários com contratos com a prefeitura.

Promotoria

Ele foi denunciado pela 6ª promotoria do município por contratar empresa para prestação de serviço, sem realizar licitação, procedimento que é obrigatório.  O ex-presidente da Fundação Municipal de Saúde de Foz, um assessor jurídico são denunciados na mesma ação.

De acordo com o Ministério Público, os quatro denunciados teriam acordado a contratação da empresa de forma ilícita, com serviços ao custo de R$ 357,9 mil. Ainda segundo o MP, também houve superfaturamento nos preços cobrados pela contratada – como no caso de perícias que, em valores de mercado, custam R$ 20, mas foram realizadas por R$ 555.

A pena prevista para o crime é de três a cinco anos de prisão e multa.