câmara federal
Compartilhar

Delegacia investiga 48 mortes no trânsito de Maringá

Do Metro MaringáQuarenta e oito acidentes de trânsito que resultaram em mortes este ano estão sob investigação na Delega..

Andreza Rossini - 27 de junho de 2017, 08:55

Do Metro Maringá

Quarenta e oito acidentes de trânsito que resultaram em mortes este ano estão sob investigação na Delegacia de Acidente de Trânsito de Maringá, no noroeste do estado.

Os dados são referentes a ocorrências atendidas pela PM (Polícia Militar), PRF (Polícia Rodoviária Federal) e PRE (Polícia Rodoviária Estadual) no perímetro urbano e nas rodovias nos limites da cidade, incluindo a avenida Colombo.

Os números preocupam as autoridades ainda mais quando comparados aos de 2016, ano em que foram instaurados 56 inquéritos para apurar mortes no trânsito. Neste mês de junho o trânsito fez sete vítimas, três delas no fim de semana.

O último acidente fatal na cidade ocorreu no início da madrugada de ontem, no Jardim Alvorada, e matou Jorge Ricardini, 64 anos. Ele dirigia o Palio que bateu violentamente em uma árvore no cruzamento das avenidas Pedro Taques e Sophia Rasgulaeff. O motorista ficou preso às ferragens e morreu no local.

Outra vítima do trânsito foi Hemmily Camilly Mendes, 7 anos. A menina estava no Uno que colidiu em um poste na avenida Guaiapó, no Jardim da Glória, na noite de sábado. Ela estava na cadeirinha e usava cinto de segurança no momento do acidente, mesmo assim não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital horas depois de ser socorrida.

O pai dela era quem dirigiu a carro e também ficou ferido. Na noite de sexta-feira, a PRE havia registrado uma morte na PR-317. Manoela Aparecida da Silva, 46 anos, morreu ao ser atropelada por caminhonete ao tentar cruzar a rodovia.

Excesso de velocidade

O secretário de Mobilidade Urbana, Gilberto Purpur, vê os números com preocupação e acredita que eles podem estar relacionados com a falta de fiscalização eletrônica na cidade. Desde agosto de 2016 os radares fixos que monitoram o excesso de velocidade estão desligados. A licitação para a retomada do serviço foi publicada na sexta-feira. “A falta de fiscalização muda o comportamento dos motoristas. Essas colisões em árvores, postes e muros não ocorrem por falta de sinalização ou problemas na malha viária, mas sim por excesso de velocidade”, lamenta o secretário.