camara municipal
Compartilhar

Familiares de ciclista morto na BR-277 protestam em Curitiba

Familiares e ciclistas protestaram pela morte de Glaucio da Silva, de 44 anos, neste domingo (15). Ele morreu apó..

Fernando Garcel - 15 de outubro de 2017, 15:50

Familiares e ciclistas protestaram pela morte de Glaucio da Silva, de 44 anos, neste domingo (15). Ele morreu após ser atropelado no acostamento da BR-277, em Curitiba, por uma motorista embriagada no último domingo (8). A mulher, de 24 anos, está presa preventivamente.

A mobilização começou com uma concentração no Parque Barigui e, de lá, os participantes se encaminharam até o ponto exato do acidente, onde uma ghost bike – que é uma bicicleta pintada de branco – foi instalada em um poste.

Ciclista morre atropelado e motorista recusa bafômetro

Acidente

Glaucio da Silva pedalava com frequência e preferia praticar mountain bike em trilhas da região. Ele e o irmão estavam no acostamento da BR-277 quando Glaucio foi atingido por trás nas imediações do viaduto do Orleans pelo carro de uma universitária de 24 anos que dirigia embriagada na volta de uma balada. "Quando aconteceu, a perna do meu marido bateu na perna do irmão dele. Inclusive, eu acho que foi um milagre o irmão dele estar aqui hoje... Ele poderia estar morto também", conta Cristina.

Após o acidente, a jovem, que não teve o nome divulgado pela polícia, teria confessado que ingeriu bebida alcoólica em uma festa e teria dormido ao volante quando atingiu o ciclista. Mesmo recusando realizar o teste do bafômetro, ela foi presa em flagrante por policiais rodoviários federais e encaminhada para à Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran).

Motorista bêbada que matou ciclista passa noite na cadeia

Na última terça-feira (10), o juiz Rubens dos Santos Junior, da Central de Audiência de Custódia, decidiu expedir um mandado de prisão preventiva - quando não há prazo para soltura.

O delegado da Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran), Vinícius Carvalho, disse que pesou contra a motorista o fato de ela ter consumido bebida alcoólica antes de dirigir e de ter assumido, assim, o risco de acidentes. “Eram três possibilidades que poderiam ocorrer na audiência de custódia: a decretação da prisão preventiva, a soltura mediante fiança ou a soltura sem fiança. Eles entenderam que ela teria ingerido bebida alcoólica e, a partir disso, ela se colocou em uma BR, onde a estrada é mais perigosa, o trânsito precisa de atenção. Eles entenderam que ela assumiu o risco”.

Justiça determina prisão preventiva de motorista bêbada que atropelou ciclista