Prefeitura - Curitiba - Chuvas - Árvores

Prefeitura registra 40 quedas de galhos e árvores em Curitiba pela chuva

As fortes chuvas que caíram em Curitiba nesta quarta-feira (18), derrubaram 40 galhos e árvores em toda cidade, segundo a Equipe do Meio Ambiente da Prefeitura Municipal.

Esses incidentes provocaram problemas no tráfego de carros em algumas regiões da cidade. Na Avenida Anita Garibaldi no bairro Barreirinha e na Rua Coronel Dulcídio no bairro Água Verde houve registro de quedas de árvores e paralisação do fluxo veicular.

No bairro Alto da Glória, no cruzamento entre as ruas Padre Camargo e Agostinho Leão Júnior, uma erosão no asfalto provocou bloqueio no trânsito.

De acordo com o Simepar (Sistema Meteorológico do Paraná), foram registrados 21,6 mm de chuva em apenas 15 minutos, com ventos na casa dos 65 km/h. A expectativa de pluviosidade do Simepar para todo o mês de setembro era de 60 mm.

DEFESA CIVIL NAS RUAS

A Vila Calixto, região do bairro Umbará, registrou diversas famílias impactadas pelas chuvas. Por isso, a FAS (Fundação de Ação Social) distribuiu colchões, cobertores e lonas para as pessoas atingidas.

Outros bairros que também precisaram de auxílio da Defesa Civil com lonas foram o Boa Vista, o Portão, o Cajuru e a Caximba, em especial a região da Vila 29 de Outubro.

A Defesa Civil recomenda para as pessoas que fiquem em suas residências em caso de novas tempestades. Para as pessoas que estão nas ruas, é importante nunca se abrigar abaixo de árvores e estruturas metálicas, até pela alta incidência de raios em Curitiba.

As comunicações sobre quedas de árvores devem ser feitas pelo telefone 156 da Central de Atendimento ao Cidadão ou pelo site (www.central156.org.br).

Já a Defesa Civil pode ser contatado pelo 156 e também pelos números do telefone de emergência 199 e pelo 153 da Centro de Operações da Defesa Social – Guarda Municipal.

Outras situações devem ser comunicadas ao Corpo de Bombeiros (193) e para Copel (0800 51 00 116).

O relatório final com o número total de pessoas atingidos será divulgado pela Defesa Civil, nesta quinta-feira (19), às 8h

gripe influenza mortes casos confirmados curitiba paraná 2019 foto divulgação

Com sete óbitos em duas semanas, mortes por gripe chegam a 111 no PR

Sete pessoas morreram por gripe no Paraná, nos últimos 15 dias, de acordo com o boletim periódico divulgado pela Sesa (Secretaria de Estado da Saúde). De janeiro até agora, 111 mortes relacionados às complicações da doença foram registrados.

Nas últimas duas semanas, as autoridades sanitárias confirmaram 53 novos casos de infecções pelo vírus Influenza, totalizando 580 desde o início do ano. O boletim anterior (3 de setembro) contabilizava 527 casos.

As sete mortes mais recentes foram confirmadas nos municípios de Castro, Guarapuava, Cianorte, São José dos Pinhais e Curitiba. Entre as vítimas estavam três crianças, dois idosos e dois adultos.

“A Influenza atinge principalmente as faixas etárias extremas, menores de 6 anos e pessoas com mais de 60 anos estão nas faixas consideradas favoráveis e preocupantes para as complicações da doença. A idade, associada a fatores como doenças cardiovasculares, renais, neurológicas e hepáticas; pneumonia, diabetes, obesidade e asma, podem levar ao óbito”, explicou o chefe da Divisão de Vigilância das Doenças Transmissíveis, Renato Lopes.

De acordo com a Sesa, o subtipo viral da Influenza com maior circulação no Paraná é o A H1N1. Esse vírus causou 95 das 111 mortes registradas no Paraná, e 480 dos 580 casos de gripe.

A regional de Curitiba, que abrange os municípios da região metropolitana, lidera as confirmações, com quase metade dos casos (216).

*Com informações da Secretaria de Estado da Saúde

curitiba granizo tempestade

Tempestade com granizo interrompe show na Pedreira e assusta em Curitiba

Uma tempestade de granizo chegou com força em Curitiba no final da tarde desta quarta-feira (18). Com muitos ventos, diversas pedras de gelo assustaram moradores da capital e complicaram ainda mais o trânsito da cidade. Na Pedreira Paulo Leminski, um festival de rock teve de ser interrompido.

Ruas ficaram alagadas, semáforos desligaram e vários acidentes de trânsito foram registrados na capital paranaense. A Defesa Civil e a Setran (Superintendência de Trânsito) contabilizam a extensão dos danos. O forte temporal acompanhado de granizo atingiu toda Curitiba e também assustou moradores da região metropolitana.

Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) emitiu um alerta laranja para os fenômenos a partir da 00h desta quinta (19), mas o temporal chegou antes do previsto. De acordo com a estimativa, a chuva deve ficar entre 50 e 100 milímetros por dia, enquanto os ventos vão variar entre 60 e 100 km por hora.

Uma equipe da Defesa Civil está fazendo o levantamento das ocorrências, mas já se sabe que a chuva provocou  pontos de alagamento em bairros como Fazendinha, Boa Vista, Água Verde e Boqueirão. Além disso, a Defesa Civil também recomenda esperar a chuva passar em um local seguro.

Colaboração

CHUVA DERRUBA ÁRVORES, DESLIGA SEMÁFOROS E PARA SHOW NA PEDREIRA

O temporal de aproximadamente 20 minutos causou transtornos em praticamente todas as regiões de Curitiba. No São Loureço, na Pedreira Paulo Leminski, um festival de rock em andamento foi suspenso devido ao granizo. As pedras de gelo se acumularam na pista e no palco. Por questões de segurança, as apresentações foram interrompidas e não se sabe se performances de grupos como o Scorpions vai ser adiado.

Na região central, por exemplo, uma árvore caiu próximo ao Cemitério Municipal. O cruzamento das Ruas Ângelo Sampaio com Getúlio Vargas está alagado, então os motoristas devem evitar a região.

De acordo com a Setran (Superintendência de Trânsito), a Avenida Anita Garibaldi foi completamente bloqueada por uma árvore que caiu na altura do cruzamento com a Rua União da Vitória.

A Setran também confirmou o desligamento de semáforos nos bairros Pinheirinho e Cabral, devido à queda de energia. A sinalização ficou apagada em vários cruzamentos da Avenida Winston Churchill e em toda a região do Terminal do Cabral.

No bairro Barreirinha, um forro da agência da Caixa Econômica caiu. Já no Centro, um pedaço do telhado de um posto de combustível também sofreu uma queda pelo forte granizo.

VEJA IMAGENS DO GRANIZO:

Colaboração
Colaboração
Alagamento em trecho da Mateus Leme, no Centro Cívico
trincheira da mário tourinho viaduto obras paralisadas prefeitura de curitiba ArquivoFernando GarcelParaná Portal

Obras da trincheira da Mário Tourinho serão retomadas com impacto para 62 mil pessoas

A Prefeitura de Curitiba anunciou nesta quarta-feira (18) que as obras da trincheira da Mário Tourinho serão retomadas. Os trabalhos devem afetar diretamente 62 mil pessoas e nove linhas de ônibus que passam pelo trecho todos os dias. A trincheira deveria ter sido entregue há três meses, segundo o cronograma inicial.

Os detalhes serão apresentados em uma coletiva de imprensa convocada para amanhã (19). Os questionamentos devem ser respondidos pelo secretário de Obras, Rodrigo Rodrigues, pelo diretor de Planejamento e Operação da Superintendência de Trânsito, Pedro Darci, e o engenheiro do Ippuc Márcio Augusto de Toledo Teixeira.

OBRAS PARALISADAS

A Prefeitura de Curitiba admitiu apenas em março que os trabalhos da trincheira da Mário Tourinho estavam suspensos, embora essa situação fosse perceptível desde o início do ano.

Segundo a Caixa Econômica Federal, os repasses foram cortados porque o município indicou a necessidade de alterações no projeto “em virtude de não estarem disponíveis no mercado local o quantitativo suficiente de pranchas metálicas para a contenção da obra e execução dos serviços”.

TRINCHEIRA DA MÁRIO TOURINHO SEM PRAZO

A licitação da construção da trincheira foi homologada pelo vice-prefeito e então Secretário Municipal de Obras, Eduardo Pimentel Slavieiro, em julho do ano passado.

As obras começaram em setembro de 2018, mas foram adiadas para o início do ano seguinte. Em janeiro, tapumes e cones indicavam que os trabalhos começariam de fato, o que não ocorreu.

O prazo para conclusão da obra previsto no contrato original terminou em julho deste ano. A Prefeitura de Curitiba ainda não informou uma nova data de conclusão para a trincheira da Mário Tourinho. Os detalhes devem ser repassados nesta quinta-feira (19).

tempestade granizo paraná inmet santa catarina

Inmet emite alerta para tempestade e granizo no Paraná nesta quinta-feira

O Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) emitiu um alerta laranja para tempestade e granizo em uma faixa do Paraná, que inclui Curitiba, e grande parte de Santa Catarina. O aviso vale da 00h até às 23h59 desta quinta-feira (19).

A chuva deve ficar entre 50 e 100 milímetros por dia, enquanto os ventos vão variar entre 60 e 100 km por hora. 

Com o alerta, há possibilidade de corte de energia, estragos em plantações, queda de árvores e alagamentos. 

Conforme o Inmet, as tempestades devem atingir a região de Curitiba, o Litoral, os Campos Gerais, o Sudoeste e o Sul do Paraná. Em Santa Catarina, as tempestades devem ficar no Oeste, Planaltos Norte e Sul, Vale do Itajaí, Grande Florianópolis e o Meio-Oeste Catarinense. Confira no mapa:

Alerta de tempestade no Sul do país. (Reprodução / Inmet)

TEMPO NO PARANÁ

Em Curitiba, nos Campos Gerais e no litoral sul do Paraná, o tempo já virou nesse início de tarde. O forte calor e o céu ensolarado deu lugar às nuvens carregadas e a primeira pancada de chuva marcou presença.

A estimativa do Simepar para a capital paranaense é que 7 milímetros de chuva caiam nesta quarta (18). As temperaturas devem variar enter 16ºC e 25ºC.

Entretanto, o quadro é de piora nos próximos dias. A capital paranaense não deve superar os 20ºC no final de semana. Para piorar, a chuva na sexta-feira (20) deve ser de 23 milímetros.

Já no Norte do estado, a situação é mais tranquila. Londrina, Maringá, Apucarana, Paranavaí e Jacarezinho devem ter máximas girando na casa dos 30ºC.

Previsão do tempo para essa quinta-feira (Reprodução/Simepar)

ORIENTAÇÕES À POPULAÇÃO

Em caso de rajadas de vento durante a tempestade, o Inmet orienta que as pessoas não se abriguem embaixo de árvores pelo risco de queda e descargas elétricas. O estacionamento de veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda também é uma medida segura.

Por fim, o Instituto ainda recomenda desligar aparelhos elétricos e quadro geral de energia.

Para mais informações, em qualquer urgência, é possível ligar para a Defesa Civil (199) ou ao Corpo de Bombeiros (193).

AVISOS DO INMET

O Inmet classifica seus avisos de quatro formas. A cor verde quer dizer que nenhum fenômeno está previsto. Já a cor amarela representa perigo potencial.

Por fim, a cor laranja apresenta perigo, enquanto a cor vermelha significa ‘grande perigo’.

“Elvis e os Amigos do HC” fazem show para campanha Outubro Rosa

Os Amigos do HC e o músico Rogério Cordoni promovem em 1º de outubro, no Guairinha, o show “Elvis e os Amigos do HC”, em prol da campanha Outubro Rosa, de conscientização sobre o câncer de mama. Parte da da renda obtida com a venda de ingressos será revertida para o Centro Integrado da Mama do Complexo Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná.

Mestre de cerimônias, cantor e imitador conhecido por suas performances de clássicos de Elvis Presley, Rogério Cordoni vai se apresentar ao lado de sua Big Band Show, que estará acompanhada de mais de 20 artistas convidados, além dos jornalistas Jasson Goulart e Dulcinéia Novaes, que farão participações especiais no show, com músicas temáticas.

Dentre os artistas convidados estão Rafa Gomes, que foi finalista do The Voice Kids, a banda curitibana Sr.Banana, o Grupo Tesão Piá, a dupla Willian & Renan, os músicos, Tiago Bigode, Mauro Muller, Fabio Elias, o humorista Zico Lamour, a soprano Ana Paula Brunkow, crianças do Coral Nova Terra e crianças da percussão do Playing for Change – BigHug.Life.

AMIGOS DO HC

Os Amigos do HC são uma organização da sociedade civil sem fins lucrativos, que realiza ações para melhorar a qualidade de vida dos pacientes do Complexo Hospital de Clinicas da UFPR, de seus familiares e acompanhantes de tratamento. Rogério Cordoni tem participação ativa nas ações sociais do HC e dos Amigos do HC desde 2009, visitando leitos de pacientes e cantando de maneira voluntária em eventos promovidos pelo hospital e pela associação.

Londrina dengue

Número de casos confirmados de dengue no Paraná sobe 37%

Em uma semana, o número de casos confirmados de dengue no Paraná subiu 37%, passou de 257 para 354 casos.

Os dados estão no último boletim epidemiológico, divulgado nesta terça-feira (17) pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa).

Dos casos confirmados, 294 são autóctones, ou seja, foram contraídos no mesmo município em que a pessoa infectada vive. Além disso, mais 10 cidades registraram casos pela primeira vez desde o início do levantamento epidemiológico, em agosto.

3.355 casos suspeitos da doença foram notificados em 195 municípios paranaenses. 1.204 deles foram descartados.

RISCO

Os municípios com maior número de casos confirmados são: Londrina (25), Foz do Iguaçu (23) e Uraí (19). Já os municípios com maior número de casos suspeitos notificados são: Londrina (660), Foz do Iguaçu (377) e Maringá (282).

De acordo com o boletim, cinco municípios estão em situação de alerta de epidemia da doença: Floraí, Inajá, Uraí, Flórida e Indianópolis.

1º CASO DE CHIKUNGUNYA

O mosquito Aedes aegypti também é responsável pela transmissão do Zika Vírus e da Chikungunya. Segundo o boletim desta semana, foram notificados 39 casos de suspeita de Chikungunya e um confirmado no município de Araucária, na região de Curitiba. Além disso foram notificados 8 casos de suspeita de Zika Vírus no Paraná e nenhum confirmado.

Dengue: fique por dentro de ações para evitar o avanço da doença!

 

alvo mortos família 50 tiros

Crianças feridas, após família ser executada com 50 tiros, recebem alta

As duas crianças que ficaram feridas após o carro em que elas estavam ser atingido por pelo menos 50 tiros, em Ponta Grossa, na região dos Campos Gerais, receberam alta na tarde desta terça-feira (17), de acordo com o Hospital Regional de Ponta Grossa. O caso aconteceu no último domingo (18). Na ocasião, os pais das crianças e o irmão delas, de apenas seis anos, foram assassinados.

Segundo o Hospital, a menina, de 4 anos, foi baleada na região do quadril. Já o menino, de dois anos, não foi baleado, mas teve alguns ferimentos e precisou ser internado.

Uma mulher e outra criança que estavam fora do veículo foram atingidas por estilhaços de vidro.

O CASO

O homem, de 32 anos, e a mulher, de 27 anos, além do filho do casal, de seis anos, morreram após o carro ser alvejado. Os três chegavam em casa, no bairro Chapada, quando foram alvos de aproximadamente 50 tiros.

Robson e Daniele Ferreira morreram na hora, em frente ao portão. Já a criança chegou a ser encaminhada ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

ACERTO DE CONTAS

Para o delegado da Polícia Civil do Paraná, Nagib Palma, que investiga a chacina, o caso está sendo investigado como um acerto de contas. Com passagens pela polícia, Robson estava em regime semiaberto e usava tornozeleira eletrônica após ser condenado por roubo.

“Pela forma que foi feita e a dinâmica que se percebe, foi um acerto de contas do mundo do crime. O personagem principal tinha passagens por roubo, a caixa eletrônico e pedágio, e por tráfico. Em 2014, ele já havia sofrido um atentado com um filho, então estamos com a investigação orientada nesse sentido”, disse.

As perícias mais detalhadas já foram solicitavas. Enquanto isso, a polícia tenta identificar o veículo utilizado pelos criminosos.

Na última segunda-feira (16), um carro queimado foi encontrado nas proximidades do Mosteiro da Ressurreição, que fica no mesmo bairro onde o crime aconteceu. Com alguns indícios, a polícia acredita que exista ligação com o crime.

A Polícia pede para que qualquer informação sobre o crime seja enviada pelo Whatsapp (42) 9 9827-9684. A denúncia é sigilosa.

incêndio na Vila Corbélia em Curitiba

Operação do Gaeco investiga incêndio que destruiu Vila Corbélia

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) do MP-PR (Ministério Público do Paraná) deflagrou, nesta quarta-feira (18), a segunda fase da Operação Tális, que investiga mortes e o incêndio que destruiu centenas de casas na Vila Corbélia, no bairro Cidade Industrial (CIC), em Curitiba. O caso aconteceu no dia 7 de dezembro de 2018.

Segundo o Gaeco, são cumpridos 19 mandados de busca e apreensão em 16 residências de policiais militares na capital, uma em Araucária, uma em Ponta Grossa e uma em São José do Seridó, município do Rio Grande do Norte.

O coordenador do GAECO, Leonir Batisti, disse mais cedo que a investigação está sobre sigilo e que espera solucionar o mais rápido possível a relação da morte do policial e dos civis envolvidos no crime. “Estamos fazendo o que é possível fazer para apurar os fatos mencionados, além do incêndio que acabou com a Vila Corbélia”, afirmou.

Veja o material apreendido agora cedo

O INCÊNDIO

O incêndio de grandes proporções aconteceu na madrugada do dia 7 de dezembro. Um dia antes, um policial militar e dois moradores da vila foram mortos e um motorista de aplicativo ficou ferido a tiro. A Polícia Militar, o Ministério Público do Paraná e a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa abriram diligências para apurar as circunstâncias dos ocorridos.

O policial militar Erick Nório, do 23º Batalhão, foi atingido por tiros ao chegar na comunidade para atender uma ocorrência de perturbação de sossego. Na mesma noite, a Vila foi incendiada. Moradores acusaram a PM de represália. Já a PM atribuiu o incêndio a uma ação do “crime organizado” e rebateu a acusação.

Após os fatos, um vídeo foi entregue ao Ministério Público do Paraná. Nele, dois homens, que vestem coletes balísticos da Polícia Militar, descem de um carro branco e atiram contra casas e ordenam que moradores de uma área de invasão em Curitiba se recolham.

Dias depois, após a divulgação do vídeo, a PM confirmou que os homens que aparecem atirando horas antes do início do incêndio no local pertencem à corporação.

Na ocasião, moradores relataram terem sido torturados e testemunharam policiais consumindo cocaína e espalhando gasolina sobre casas momentos antes do início do fogo.
cobra píton dançarina do ventre delegacia de proteção ao meio ambiente flagrante capão raso aluguel de cobra divulgação pc-pr

Mulher é presa por alugar cobra de 3 metros a dançarinas do ventre no PR

Uma mulher de 42 anos foi presa em flagrante em Curitiba, nesta terça-feira (17), pela posse ilegal de uma cobra píton albina. De acordo com a PC-PR (Polícia Civil do Paraná), a suspeita é dançarina do ventre e alugava o animal  por R$ 500 para outras profissionais do ramo utilizarem o réptil durante as apresentações.

Apreendida pela Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente, a serpente tem 3 metros de comprimento, mais de 20 kg e aproximadamente sete anos de vida. A operação foi desencadeada após denúncias anônimas da população.

“Segundo apuramos, a mulher alugava o animal a dançarinas do ventre. Ela cobrava R$ 500,00 e deixava que elas levassem a cobra para as apresentações”, relatou o delegado Matheus Layola ao Paraná Portal.

A dona da píton albina foi presa em flagrante por crime ambiental. Detida em casa, no bairro Capão Raso, a suspeita prestou depoimento ainda nesta terça-feira (17) e vai responder em liberdade.

DANÇARINAS DO VENTRE SERÃO INVESTIGADAS

De acordo com o delegado-chefe da divisão de Proteção ao Meio Ambiente, as dançarinas do ventre também serão alvo de investigação da Polícia Civil.

“A responsabilidade das ‘clientes’ [dançarinas do ventre] também será apurada, mas primeiro estamos ouvindo a dona da cobra”, ponderou Matheus Layola.

A Polícia Civil do Paraná agora vai investigar quantos aluguéis foram concretizados para chegar a uma estimativa do valor movimentado e do período em que os crimes ambientais foram cometidos.

PÍTON ALBINA: COBRA VALORIZADA

cobra píton dançarina do ventre delegacia de proteção ao meio ambiente flagrante capão raso aluguel de cobra divulgação pc-pr 1
A posse de cobras como a píton albina só é permitida com o aval das entidades que regulam o setor. O réptil é valorizado no mercado negro. (Divulgação/PC-PR)

O delegado também ponderou que o local correto dos animais silvestres é a natureza. Para manter a posse de um réptil como a píton albina é necessário realizar a compra junto a um criador autorizado e realizar uma vistoria completa dos órgãos de controle ambiental.

Para conceder as permissões, os agentes avaliam cada caso de forma isolada. Eles levam em consideração, por exemplo, o espaço físico disponibilizado pelo tutor e as condições às quais os animais serão submetidos em cativeiro.

Segundo a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente, uma píton albina — como a que foi apreendida nesta ação — chega a ser negociada por valores entre R$ 5 mil e R$ 10 mil.