racha mata estudante curitiba

Laudo aponta que motorista que matou estudante estava a 114km/h

Um laudo feito pelo Instituto de Criminalística do Paraná apontou que o motorista Fernando Rocha Fabiane de 26 anos estava a 114km/h quando atropelou e matou a estudante universitária Caroline Beatriz Olímpio de 19 anos, na manhã do dia 12 de março, na Rua Pedro Viriato Parigot de Souza, no bairro CIC, em Curitiba.

Além disso, o motorista Nicholas Henrique Castro de 22 anos estava a 88km/h, também com velocidade acima da permitida na via.

Segundo o documento, a velocidade máxima permitida na via é de 60km/h.

Fernando e Nicholas deixaram o Complexo Médico Penal, em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, na terça-feira (24), após decisão do juiz Daniel Surdi de Avelar da 2ª Vara do Tribunal do Júri.

Os dois foram acusados de homicídio qualificado por meio cruel, pois, segundo a denúncia do Ministério Público do Paraná (MP-PR), praticavam um racha na via quando Fernando Rocha atingiu a estudante que tentava atravessar a rua.

O QUE DIZEM OS ADVOGADOS

A defesa da família de Caroline, representada pelo advogado Jeffrey Chiquini, disse que o laudo “comprova que os acusados fizeram de seus veículos armas com potencial para matar. As velocidades demonstram a prática de corrida clandestina em via pública”.

Já a defesa de Fernando Rocha Fabiane, informou que “terá a oportunidade de apresentar, no curso do processo, sua resposta técnica à acusação contida na denúncia”.

A CBN Curitiba fez contato com a defesa de Nicholas Henrique Castro e aguarda retorno.

bolsonaro facada coronavírus

Quarentena: Bolsonaro inclui templos religiosos em serviços essenciais

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) incluiu templos religiosos e casas lotéricas no rol de serviços essenciais, que não podem ser interrompidos durante os esforços de combate ao novo coronavírus.

A norma estabelece que fica proibida “a restrição à circulação de trabalhadores que possa afetar o funcionamento de serviços públicos e atividades essenciais, e de cargas de qualquer espécie que possam acarretar desabastecimento de gêneros necessários à população”.

Bolsonaro publicou nesta quinta-feira (26) um decreto que atualiza uma primeira lista publicada em 20 de março. Sobre as casas lotéricas, Bolsonaro anunciou na quarta (25) que atualizaria o decreto para incluí-las como atividades essenciais.

“No Brasil existem 12.956 casas lotéricas e 2.463 se encontram fechadas por decretos estaduais ou municipais. Para que possam funcionar em sua plenitude, atualizei, nessa data, o Decreto 10.282”, escreveu o presidente no Twitter.

Antes de Bolsonaro acrescentar templos religiosos no decreto, na última sexta-feira (20), em entrevista ao SBT, o presidente defendeu que, durante a pandemia, os templos religiosos permaneçam abertos.

“Muita gente, para dar satisfação ao seu eleitorado, toma providências absurdas. Fechando shopping, tem gente que quer fechar igreja, [que] é o último refúgio das pessoas”, declarou o presidente ao apresentador Carlos Roberto Massa, o Ratinho.

Em seguida, Bolsonaro afirmou que o pastor vai saber conduzir o culto e ter consiciência se a igreja está muito cheia. Por fim, o presidnete argumentou que a garantia de culto é um direito do Brasil.

Diante da escalada de casos confirmados do novo coronavírus no Brasil e da recomendação de sanitaristas de que a redução do contato social é medida efetiva para reduzir a contaminação, governadores e prefeitos têm adotado medidas para restringir a circulação de pessoas.

CIDADES DO PARANÁ MANTÉM MEDIDAS RESTRITIVAS

As principais cidades do Paraná que registram casos de coronavírus optaram em manter as medidas restritivas mesmo após o pronunciamento de Jair Bolsonaro. Curitiba, Cianorte e Foz do Iguaçu, por exemplo, registram o maior índice de pessoas infectadas. Além delas, Londrina e Maringá, com duas das maiores populações do estado, também vão agindo contra a doença.

Leia as medidas tomadas pelas cidades do Paraná aqui!

IPVA

Coronavírus: prazo para registro e licenciamento de carros novos é suspenso no PR

O prazo para registro e licenciamento de veículos novos, inclusive os destinados ao transporte coletivo de passageiros e de cargas, foram suspensos por tempo indeterminado no Paraná.

O condutor que estiver portando a nota fiscal de compra e venda do veículo não será impedido de utilizar os veículos de transporte de carga de qualquer espécie, além dos coletivos.

A decisão, tomada pelo Detran-PR (Departamento de Trânsito do Paraná), em conjunto com a PRF (Polícia Rodoviária Federal), o DER-PR (Departamento de Estradas e Rodagem) e a (PM-PR) Polícia Militar do Paraná, atende ao Decreto 4230/2020 do Governo do Estado para enfrentamento da pandemia do coronavírus.

CORONAVÍRUS NO PARANÁ: CASOS PASSAM DE 70 PARA 97 

O Paraná tem 27 novos casos de coronavírus. Assim, o estado registrou um total de 97 confirmações. Em um dia, a doença avançou mais 38,5%. Os números da Covid-19 foram atualizado pela Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) no início da noite desta quarta-feira (25).

Em relação aos casos suspeitos, os números quase dobraram em 24 horas. Até ontem (24), eram 1.844 investigações em andamento. Agora, conforme a Sesa, são 3.588 casos suspeitos de coronavírus no Paraná.

projeto-crie-em-casa-artistas-curitibanos

Projeto ‘Crie em Casa’ estimula músicos curitibanos durante isolamento social

Respeitando as orientações da OMS (Organização Mundial da Saúde), a programação do projeto ‘Vale da Música’ continua de casa. A ideia é fazer com que músicos e bandas criem material exclusivo de casa para ser veiculado nas redes sociais e, assim, mantenham seus cachês.

O evento acontece, presencialmente, na Ópera de Arame, em um palco flutuante, de terça a domingo. Porém, com a pandemia de coronavírus e o Estado do Paraná ter declarado estado de calamidade, os organizadores pensaram em uma maneira de dar continuidade no trabalho dos músicos.

“A Covid-19 está impactando toda a economia e o segmento da cultura e entretenimento é um dos primeiros a sentir esse baque. Por isso, pensamos numa forma de fazer com que a engrenagem continue girando, e que não só os instrumentistas que já participam do Vale da Música, mas também outros músicos independentes da cidade, possam mostrar seus trabalhos e serem remunerados, mesmo que dentro de suas casas, em suas quarentenas”, explica Gabriella Camargo, gerente de marketing da Ópera de Arame. 

PROJETO ‘CRIE EM CASA’ ESTIMULA ARTISTAS DE CURITIBA A CONTINUAR TRABALHO APESAR DO ISOLAMENTO

O projeto ‘Crie em Casa’ está selecionando artistas para participar da ação e continuar estimulando a arte local. O músico deve fazer um vídeo criando dentro da própria casa como, por exemplo, solos, covers, brincadeiras com o instrumentos e composições autorais.

Em seguida, o material -gravado em modo vertical- deve ser enviado por WeTransfer para o e-mail “curadoriavale@futurafonte.com.br”, junto com seu nome artístico e um breve histórico. Na próxima etapa, o núcleo curador do projeto analisa e, uma vez aprovado e publicado, o artista é remunerado.

Por dia, serão postados de três a cinco vídeos, estimulando que cada vez mais músicos participem do projeto. Com isso, oprojeto mantém a essência de incentivar a arte e, sobretudo, a música instrumental.

Como ainda não há previsão de quando as atividades voltarão à normalidade, o Vale da Música preparou uma curadoria para receber e selecionar os artistas que participarão do projeto. “Existem músicos incríveis da cena instrumental da cidade. Por que não incentivá-los a criar em casa nesse momento de crise e por que não aproximar o trabalho deles das pessoas?”, questiona Gabriella.

Assista abaixo dois artistas da cidade que participam do projeto ‘Crie em Casa”!

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Parque das Pedreiras (@parquedaspedreiras) em

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Parque das Pedreiras (@parquedaspedreiras) em

Cidades do Paraná mantém medidas restritivas após discurso de Bolsonaro

As principais cidades do Paraná que registram casos de coronavírus optaram em manter as medidas restritivas mesmo após o pronunciamento de Jair Bolsonaro. Curitiba, Cianorte e Foz do Iguaçu, por exemplo, registram o maior índice de pessoas infectadas. Além delas, Londrina e Maringá, com duas das maiores populações do estado, também vão agindo contra a doença.

Conforme a Secretaria Estadual da Saúde, o estado tem 97 casos confirmados e mais de 3.500 em investigação.

O cenário assusta apesar de Bolsonaro ter pedido, entre outras coisas, para a população com menos de 60 anos voltar a realizar atividades normalmente.

Ratinho Junior, governador do Paraná, um dos principais aliados do governo federal, não criticou o discurso, mas definiu que “manterá o planejamento”.

O mesmo aconteceu com os prefeitos das cidades de Curitiba, Cianorte, Foz do Iguaçu, Londrina e Maringá, confira:

CURITIBA

Em Curitiba, Rafael Greca (DEM) pregou o isolamento social por “respeito aos curitibanos”. Por enquanto, a capital paranaense já suspendeu as aulas, comércio e todos os serviços não essenciais. Os parques da cidade, como Passeio Público e Jardim Botânico, também estão fechados.

Ou seja, a ordem é continuar ficar em casa para evitar o crescimento dos casos confirmados de coronavírus. Além disso, o prefeito também descartou utilizar os estádios de futebol da cidade para construção de leitos.

CIANORTE SOFRE COM CORONAVÍRUS

Cianorte está com toque de recolher. (Renata Martins / Tribuna de Cianorte / Colaboração)

A segunda cidade com mais casos de coronavírus no estado, conforme a Sesa, também adotou medidas mais rigorosas. Foi decretado toque de recolher, das será das 21h até as 5h do dia seguinte, até a próxima terça-feira (31).

Além disso, os mercados tiveram seus horários de funcionamento alterados. Eles podem operar das 8h às 19h de De segunda a sábado e das 8h às 12h aos domingos.

Antes, o prefeito Claudemir Romero Bongiorno (PMDB) já tinha proibido os idosos de usarem o transporte público e o fechamento do comércio.

FOZ DO IGUAÇU SUSPENDEU ATÉ HOTÉIS

A principal cidade do oeste do Paraná tem cinco casos confirmados e teve suas fronteiras com Argentina e Paraguai determinada pelo governo federal após pedido da administração estadual.

Contudo, Foz elaborou outras medidas para combater o coronavírus. Mesmo sendo o principal ponto turístico do estado, o decreto da prefeitura suspendeu as atividades do transporte coletivo, rodoviária e hotéis desde ontem (24) e enquanto durar a emergência da doença.

20 ônibus estão à disposição dos usuários que prestam os serviços essenciais, como saúde, mercados, farmácias e postos de combustíveis. A medida é uma das mais rigorosas, já que 68 mil pessoas costumam utilizar o transporte público.

Por fim, o decreto impõe que a multa para quem desrespeitar as medidas podem chegar até R$ 8,7 mil, além de permitir que os fiscais interditem qualquer estabelecimento.

Conhecida pelas Cataratas do Iguaçu, Foz do Iguaçu proibiu atividades dos hotéis. (José Fernando Ogura/ANPr)

LONDRINA E MARINGÁ TAMBÉM ADOTAM MEDIDAS

Londrina também adotou medidas restritivas. (José Fernando Ogura / AEN)

Em Londrina, segunda maior cidade do Paraná, o prefeito Marcelo Belinati (PP) decretou que todos os serviços que não são essenciais devem ser suspensos a partir do próximo sábado (28), afetando a construção civil e algumas indústrias.

Além disso, a Prefeitura anunciou a contratação de 497 profissionais da área da saúde para reforçar o atendimento. A cidade de Londrina também reorganizou os atendimentos nas unidades de saúde e hospitais.

Já em Maringá, as atividades da rodoviária e o toque de recolher foram decretados na última segunda-feira (23). Com isso, todos devem estar em casa às 21 horas e permanecer até 5h da madrugada. Só quem pode circular é quem estiver acessando ou prestando serviços na área da saúde e segurança, além de serviços públicos e essenciais.

A multa para quem descumprir é, inicialmente, de R$300,00. Contudo, o valor é multiplicado por dois a cada incidência.

“Reafirmamos, com muita veemência, todas as medidas que tomamos até agora. Não há nenhuma possibilidade de nenhum abrandamento em qualquer das nossas medidas. Está comprovado no mundo inteiro, que o único caminho é o isolamento social”, disparou o prefeito Ulisses Maia (PDT) hoje, após a declaração do presidente Jair Bolsonaro.

Segundo ele, a prefeitura está preparada para atender quem ficará sem renda alguma. Entre as ações, estão a distribuição de um cartão para compra de alimentos e distribuição de cestas básicas.

Maringá tem toque de recolher. (José Fernando Ogura / AEN)
saúde - unidades básicas de saúde - UPA - Curitiba - hospitais

MPF cobra Exército sobre montagem de tendas em hospitais de Curitiba

O atendimento a céu aberto para a realização de testes é fundamental para evitar a propagação do coronavírus. Por isso, o MPF (Ministério Público Federal) cobrou nesta terça-feira (24) posicionamento da 5ª Região Militar do Exército Brasileiro sobre a instalação de tendas em hospitais de Curitiba.

Segundo o MPF as tendas deveriam ter sido instaladas em hospitais de referência no tratamento do coronavírus na capital paranaense, mas até o momento não foram registrados o início da montagem nesses locais.

De acordo com a procuradora Regional dos Direitos do Cidadão, Indira Bolsoni Pinheiro, os hospitais estão no aguardo da instalação das tendas para organizar melhor os testes de coronavírus para a população.

pis pasep

Bancos de Curitiba e Região Metropolitana irão paralisar atendimento presencial

A partir desta quinta-feira (25) os bancos de Curitiba e Região Metropolitana irão paralisar o atendimento presencial em suas agências. A medida foi tomada pela 20ª Vara do Trabalho de Curitiba, após Ação Civil Pública ajuizada pelo  Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários, Financiários e Empresas do Ramo Financeiro de Curitiba.

O Sindicato entrou com a ação pedindo urgência no atendimento presencial durante a pandemia de coronavírus, respaldado por decisões estaduais e das recomendações sanitárias da OMS (Organização Mundial de Saúde).

A decisão é válida para os bancos Santander, Banco do Brasil, Itaú, Bradesco, Banrisul, Safra e Caixa Econômica. Todos os trabalhadores que que prestam serviços considerados não essenciais também estarão dispensados do seu serviço, com pagamento e demais bônus pagos de forma integral.

Em sua decisão, o magistrado José Wally Gonzaga Neto apontou como essencial a proteção da saúde de todos esses funcionários. “A suspensão de qualquer trabalho presencial não essencial representa, em última instância, a proteção da saúde da própria sociedade, pois impede o contato de milhares de trabalhadores com clientes e com pessoas no trajeto casa-trabalho”, finalizou Gonzaga Neto.

Dessa forma fica mantido apenas os serviços não presenciais como compensação bancária, rede de cartões de crédito e débito, caixas bancários eletrônicos, além de serviços necessários para a população como o pagamento de benefícios governamentais como o Bolsa Família e seguro-desemprego.

ALEP aprova envio de R$ 37,7 milhões para o combate ao coronavírus no Paraná

ALEP transfere R$ 37,7 milhões para o combate ao coronavírus no Paraná

Com recursos do Fundo de Modernização do Legislativo, a ALEP (Assembleia Legislativa do Paraná) vai transferir R$ 37,7 milhões para o combate ao coronavírus no estado.

A proposta foi aprovada via projeto de lei complementar nesta quarta-feira (25) durante a sessão plenária do dia, que contou apenas com as presenças do  presidente Ademar Traiano (PSDB), primeiro secretário Luiz Claudio Romanelli (PSB) e segundo secretário Gilson de Souza (PSC). Os demais parlamentares acompanharam de forma remota as discussão.

“Esses recursos seriam utilizados para a modernização de alguns setores da Assembleia. Abrimos mão para socorrer o estado. É a contribuição que o Poder Legislativo está dando nesse momento em que há a necessidade de que todos nós venhamos a nos unir para passar e superar essa grave crise”, explicou Ademar Traiano.

Outra medida aprovada pelos deputados para auxiliar os paranaenses a enfrentarem o coronavírus foi a retirada de juros e mora sobre as dívidas dos mutuários com a Cohapar (Companhia de Habitação do Paraná).

As dívidas com os mutuários são um dos principais problemas de inadimplência enfrentados pelo Governo do Paraná. A expectativa é que a redução dos valores possa permitir a quitação da dívida por essas famílias.

coronavírus, pandemia, epidemia, brasil, casos confirmados, ministério da saúde, brasil, Foz do Iguaçucoronavírus, paraná, novos casos, sesa, secretaria de estado da saúde do paraná, secretaria estadual da saúde, covid-19, curitiba, pontagrossa, foz do iguaçu, gráfico, evolução dos casos de coronavírus

Coronavírus no Paraná: casos passam de 70 para 97 e suspeitas dobram em um dia

O Paraná tem 27 novos casos de coronavírus. Assim, o estado registrou um total de 97 confirmações. Em um dia, a doença avançou mais 38,5%. Os números da Covid-19 foram atualizado pela Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) no início da noite desta quarta-feira (25).

Em relação aos casos suspeitos, os números quase dobraram em 24 horas. Até ontem (24), eram 1.844 investigações em andamento. Agora, conforme a Sesa, são 3.588 casos suspeitos de coronavírus no Paraná.

Além disso, mas da metade das regionais de saúde do estado já têm casos confirmados da Covid-19. A doença já foi registrada em 13 das 21 regionais do Paraná.

De acordo com os dados atualizados nesta quarta-feira (25) pela Sesa, Curitiba tem mais da metade das confirmações. São 60 casos de coronavírus na capital e outros 328 em investigação.

Depois aparecem Cianorte (noroeste), com seis casos confirmados, e Foz  do Iguaçu (oeste), com cinco confirmações.

Ainda conforme a Sesa, os novos casos são referentes a pacientes com idades entre 20 e 54. Dos 27 novos registros, 19 são de Curitiba.

Dois casos são de Ponta Grossa. Além disso, houve registros em moradores de Pinhais, Foz do Iguaçu, Maringá, Faxinal, Campo Mourão e São Paulo (SP).

stf paraná maranhão dívida união

STF suspende dívidas do Paraná e Maranhão com a União por 180 dias para combater vírus

O STF (Supremo Tribunal Federal) suspendeu o pagamento das parcelas das dívidas do Paraná e Maranhão com a União. O despacho do ministro Alexandre de Moraes é válido por 180 dias e prevê o uso dos recursos no combate ao coronavírus.

O ministro avaliou como plausível o posicionamento de Paraná e Maranhão. Os dois Estados afirmaram estarem impossibilitados de cumprir a obrigação por causa do momento “extraordinário e imprevisível” causada pela doença.

O governo do Paraná reconhece que as parcelas da dívida somam mais de R$ 639 milhões, enquanto o Maranhão sustenta o valor de R$ 7,4 bilhões.

Moraes destacou que a Covid-19 eleva as necessidade dos recursos públicos para atenuar os riscos à população e “real e efetiva proteção ao direito fundamental à saúde”.

A medida, de forma similar, já tinha sido deferida em relação a São Paulo e à Bahia.

STF: UNIÃO NÃO PODE APLICAR PENALIDADES

O ministro do STF, Alexandre de Moraes, impôs a condição que o Paraná e Maranhão comprovem que os recursos estão sendo usados às Secretarias estaduais da Saúde para a luta contra o coronavírus.

O ministro Alexandre de Moraes impôs como condição que os estados comprovem que os recursos estão sendo integralmente destinados às secretarias estaduais de Saúde exclusivamente para o custeio das ações de prevenção, contenção e combate da pandemia.

Por fim, Moraes também determinou que a União não poderá aplicar penalidades previstas nos contratos nos casos de inadimplência das dívidas. Entre as ações anuladas estão a retenção dos valores devidos nos recursos do Tesouro Estadual, o vencimento antecipado da dívida e o bloqueio de recebimento de transferências financeiras da União, durante o prazo de 180 dias válido pela decisão.