Defensoria Pública do Paraná solicitou ao Paraná Clube a utilização da Vila Capanema para receber pessoas em situação de rua

Defensoria Pública pede ao Paraná Clube para acolher pessoas em situação de rua

Após o Paraná Clube disponibilizar a Vila Capanema para auxiliar o poder público no combate ao coronavírus, a Defensoria Pública do Paraná, por meio do Nucidh (Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos), pediu a equipe a disponibilidade do estádio para acolher pessoas em situação de rua.

O ofício assinadora pela defensora pública auxiliar Cinthia Azevedo Pecher foi direcionado ao presidente do Paraná Clube, Leonardo Oliveira, afirma que essa faixa da população tem sido muito afetada pela pandemia do coronavírus, seja pelo número de vagas ofertadas em equipamentos públicos, mas também pela necessidade de agrupar diversos perfis de pessoas.

Esse grupo está mais suscetível a contaminação pelo coronavírus, porque não tem acesso a locais para praticar seu asseamento diário, como lavar as mãos e tomar banho, evitando dessa forma a propagação da doença.

Por isso, a Defensoria Pública explicou na carta que a Vila Capanema possa servir como espaço a essas pessoas, para que elas usem as instalações para higienização básica, tendo inclusive a oportunidade da entrada de entidades de assistência social para auxiliar no atendimento a esse grupo.

CURITIBA DESCARTA USO DE ESTÁDIOS COMO HOSPITAIS

Já o prefeito de Curitiba, Rafael Greca (DEM), anunciou nesta quarta-feira (25) que não irá utilizar os estádios da capital paranaense para a criação de leitos hospitalares. Além da Vila Capanema, o Coritiba havia disponibilizado o Couto Pereira e o Athletico Paranaense a Arena da Baixada.

“Um hospital improvisado é um perigo. Um hospital não é uma cozinha. A cozinha do Madalosso tem fogão, gás, água quente e frita, que faz comida de qualidade. Não dá para comparar a cozinha do Madalosso com uma valeta de fogo de chão, no meio de um estádio de futebol onde vão assar costelas”, explicou Greca relacionando os estádios ao maior restaurante da cidade e o segundo maior da América Latina.

mandetta bolsonaro ministério da saúde

Mandetta diz que fica no Ministério da Saúde e não critica discurso de Bolsonaro

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, declarou nesta quarta-feira (25) que só sai do cargo “na hora que o presidente achar” e não criticou o pronunciamento de Jair Bolsonaro, que pediu o fim do isolamento social durante o combate ao coronavírus. Apesar disso, ele não respondeu nenhum questionamento dos jornalistas e também não entoou a fala do presidente, que declarou que a doença é só uma “gripezinha”.

Na visão do chefe do Poder Executivo, apenas as pessoas que estão no grupo de risco da doença – idosos ou pessoas com doenças crônicas – devem ficar em casa.

Contudo,  o discurso do presidente é acusado de desrespeitar um dos pilares das recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde) e das principais autoridades da área da Saúde. Além disso, governadores especularam a saída do ministro da Saúde.

“Eu vou deixar muito claro: eu saio daqui na hora que acharem, que o presidente achar, que eu não devo trabalhar, se eu tiver doente ou eu achar que esse momento de turbulência passou e não sou mais útil. Nesse momento, vou trabalhar ao máximo. Vamos trabalhar com critério técnico, sempre”, declarou Mandetta.

Sobre a fala de Bolsonaro, o ministro da Saúde reconheceu que todas as outras áreas da sociedade são afetadas pelo coronavírus. Por isso, afirmou que o governo federal está firme e todos os ministros estão envolvidos para atuar nas diversas áreas.

“Vamos fazer junto.  Sei o quão eles são afetados por isso. A Saúde não é uma ilha, não vamos nos tratar isoladamente”, completou.

ECONOMIA x CORONAVÍRUS

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, entrou brevemente na discussão da crise econômica causada pelo isolamento social da população. Empresários, como Junior Durski, dono do Madero, pedem para que não fechem tudo e que as pessoas mantenham suas atividades para que não resulte no aumento de desempregados.

Na visão de Mandetta, o pronunciamento de Bolsonaro foi positivo.

“Nesse sentido, vejo a grande colaboração da fala do presidente. Chamar a atenção de todos que é pensar na Economia. Não tem ninguém aqui que não saiba a gravidade do problema”, disse.

Ainda sobre o isolamento, Mandetta disse que o “fechamento total”, conhecido internacionalmente lockdown, ainda está sendo estudado e que os governadores e prefeitos tomaram medidas antecipadas. No caso das Igrejas, por exemplo, Mandetta não disse para fecharem as portas.

“Que fiquem abertas, mas não se aglomerem. Pastores preguem pela televisão, pela internet”, finalizou.

coronavírus mortes casos brasil

Mortes por coronavírus no Brasil sobem para 57; casos confirmados aumentam 10%

O Brasil tem 57 mortes e 2.433 casos confirmados por causa do coronavírus. Os dados foram divulgados pelo Ministério da Saúde na tarde desta quarta-feira (25).

O ministro Luiz Henrique Mandetta participa da apresentação dos números, contrariando os boatos que poderia ser desligado do governo federal após o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro.

Apenas São Paulo e Rio de Janeiro haviam registrados mortes, mas Amazonas, Pernambuco e Rio Grande do Sul também têm óbitos. Contudo, SP segue na liderança do ranking com 48 mortes, enquanto o RJ soma seis vítimas da doença.

Ontem (24), a pasta registrava 46 óbitos e 2.201 casos confirmados da Covid-19. Ou seja, houve um aumento de 23,9% no número de mortes e 10.54% nos casos confirmados.

CORONAVÍRUS EM CADA REGIÃO DO BRASIL 

No total, a Região Sul apresenta 313 pessoas infectadas, o que representa 12,9% dos casos da Covid-19 em todo o país. Por enquanto, apenas o Rio Grande do Sul tem uma morte registrada – além disso, também são 123 infectados. Santa Catarina, com 109 casos, e Paraná, com 81 pacientes, aparecem na sequência.

O Sudeste segue com o maior índice de casos. São Paulo tem 862, seguido por Rio de Janeiro, com 370, Minas Gerais, com 133, e Espírito Santo, com 39, totalizando 1.404 pacientes de coronavírus. Isso representa 57,9% da incidência da doença.

O Nordeste, com 15,8%, é o segundo colocado na porcentagem de casos. Ceará, com 200, e Bahia, com 84, são os estados com maior número de pessoas infectadas.

Já o Centro-Oeste representa 9,1% dos casos contra 4,3% da região Norte. O Distrito Federal, com 160 infectados, e Amazonas, com 54 pacientes e uma morte, são os estados com números mais alarmantes dessas regiões, respectivamente.

gol, azul, cascavel, aeroportos, voos, suspensos, cancelados, adiados, paraná, coronavírus, covid-19

Gol e Azul suspendem voos em Cascavel devido à pandemia do coronavírus

As principais rotas que ligam Cascavel, no oeste do Paraná, a outros aeroportos do estado e do Brasil serão suspensas devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19). As companhias aéreas Gol e Azul deciram cancelar as operações temporariamente.

O espaço aéreo da cidade, de acordo com a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), continua aberto para a aviação geral.

CASCAVEL: SEGURANÇA REFORÇADA NO AEROPORTO

Conforme a Prefeitura de Cascavel, todas as orientações das autoridades da saúde são seguidas no aeroporto da cidade.

Todos os pacientes que desembarcam no município passam por uma triagem.

Aqueles que manifestam sintomas correspondentes à Covid-19 são orientados a respeitar o período de quarentena.

Leia mais: Thiago Wild, revelação do tênis, é diagnosticado com coronavírus 

De acordo com a Gol o período de suspensão das atividades em Cascavel começa no sábado (28) e vai até o dia 3 de maio. Conforme a Azul, o cancelamento temporário da companhia inicia amanhã (26) e vai até o dia 30 de abril.

*Com informações da BandNews FM

londrina, paraná, coronavírus, covid-19, indústria, economia, saúde, decreto

Coronavírus: Londrina reforça medidas e fecha indústrias que não são essenciais

A Prefeitura de Londrina anunciou medidas mais restritivas para conter o avanço do novo coronavírus no município. Por meio de um decreto, todos os serviços que não são essenciais devem ser suspensos a partir de sábado (28).

As novas determinações também afetam setores da construção civil e da indústria. Entre as fábricas, por exemplo, apenas aquelas que produzem alimentos, remédios e insumos médicos, equipamentos hospitalares e produtos de higiene poderão funcionar.

Os demais setores devem fechar as portas até que o decreto que impõe novas medidas de combate ao coronavírus deixe de vigorar.

O prefeito Marcelo Belinati (PP) anunciou a contratação de 497 profissionais da área da saúde para reforçar o atendimento. A cidade de Londrina também reorganizou os atendimentos nas unidades de saúde e hospitais.

“Seis postos de saúde ficarão com atendimentos de síndromes respiratórias. Continuaremos com duas unidades focadas nos atendimentos relacionados à dengue. E as outras unidades de saúde continuarão com antendimento normal, mas com prioridade às patologias mais graves”, disse Belinati.

“Além disso, teremos atenção aos casos de hipertensão e diabetes, que podem complicar outras doenças”, comentou o prefeito, em pronunciamento por meio de uma rede social.

LONDRINA ENDURECE MEDIDAS CONTRA CORONAVÍRUS

De acordo com a Prefeitura de Londrina, além das indústrias dos setores essenciais citadas no decreto, também poderão funcionar os setores regulamentados pelo governo federal.

Assim, apesar do avanço do coronavírus, mercados, farmácias, distribuidoras de água e gás, serviços de telecomunicações e de segurança continuam operando normalmente.

As empresas de callcenter também podem funcionar, mas devem respeitar o distanciamento de um metro e meio entre os colaboradores. O trabalhador que sentir-se inseguro ou qualquer cidadão que flagrar irregularidades devem acionar a Polícia Militar e fazer denúncias ao Ministério Público do Trabalho.

Leia mais: Bolsonaro e Mandetta não participam de coletiva; Governadores reagem duramente 

A Prefeitura de Londrina informou que irá encerrar as obras públicas até sexta-feira (27). Obras privadas também devem respeitar o novo decreto a partir do final de semana.

A segunda maior cidade do Paraná tem três casos confirmados do novo coronavírus.

curitiba descarta arena da baixada coronavírus

Curitiba descarta usar estádios de futebol para enfrentar crise do coronavírus

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca (DEM) descartou a construção de leitos na Arena da Baixada, Couto Pereira e Vila Capanema para combater o coronavírus. A resposta dele foi dada nesta quarta-feira (25), após Athletico-PR, Coritiba e Paraná Clube, respectivamente, terem disponibilizados seus estádios na semana passada.

“Nós não precisamos disso. Não haverá hospital na Arena da Baixada. A estrutura de saúde pública de Curitiba é formidável”, declarou Greca.

A medida foi usada em São Paulo, onde 200 leitos estão sendo montados no Estádio Municipal do Pacaembu.

Além disso, ele ainda comparou a situação com a cozinha do restaurante Madalosso, o maior da cidade e o segundo maior da América Latina.

“Um hospital improvisado é um perigo. Um hospital não é uma cozinha. A cozinha do Madalosso tem fogão, gás, água quente e frita, que faz comida de qualidade. Não dá para comparar a cozinha do Madalosso com uma valeta de fogo de chão, no meio de um estádio de futebol onde vão assar costelas”, completou.

Os clubes não se pronunciaram após a fala de Greca, mas continuam disponíveis às autoridades para ceder suas estruturas. Inclusive, a Sesa (Secretaria Estadual do Paraná) admite que admite a possibilidade de usar pelo menos a Arena da Baixada e que existem conversas das equipes técnicas a respeito. Ou seja, o governo estadual estuda aproveitar as estruturas de futebol no combate a Covid-19.

CORONAVÍRUS EM CURITIBA

Curitiba tem 46 casos confirmados, 210 suspeitos e 185 descartados de coronavírus, divulgou a Secretaria Municipal da Saúde nesta terça-feira (24). Por enquanto, o único paciente em estado grave é o médico Jamal Munir Bark, que está internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) há cinco dias.

Já a Sesa informa que são 70 casos em todo o Paraná.

Motoristas, soltura, justiça, atropelamento, morte, estudante, universitária

Justiça determina soltura de motoristas envolvidos na morte de estudante universitária

O juiz Daniel Surdi de Avelar da 2ª Vara do Tribunal do Júri determinou a soltora dos dois motoristas suspeitos de envolvimento na morte da estudante universitária Caroline Beatriz Olímpio de 19 anos. Ela foi atropelada enquanto tentava atravessar a Rua Pedro Viriato Parigot de Souza, na manhã do dia 12 de março.

Fernando Rocha Fabiane de 26 anos e Nicholas Henrique Castro de 22 anos foram presos no mesmo dia e foram denunciados por homicídio qualificado por meio cruel.

Segundo a Polícia Civil, os motoristas participavam de um racha na via quando o carro dirigido por Fernando Rocha atingiu a estudante.

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) que ofereceu a denúncia já havia se manifestado favorável a soltura dos dois.

Segundo a decisão do juiz, “ocorre que ambos os denunciados não são pessoas perigosas, nunca foram presos ou processados, são possuidores de endereço fixo e certo, exercem atividade lícita e de certa forma colaboraram com a justiça”.

Avelar também fixou medidas cautelares como a suspensão da carteira de habilitação dos dois motoristas; retenção das CNH e dos passaportes e ainda determinou o comparecimento obrigatório à justiça toda última quinta-feira do mês, além de proibição de se ausentarem da comarca de Curitiba.

Em nota, o advogado que representa a família de Caroline, Jeffrey Chiquini, disse respeitar a decisão do juiz e afirmou que “a liberdade dos acusados não enfraqueceu a acusação e não impedirá que sejam responsabilizados pelo crime bárbaro que praticaram”.

Já a defesa de Fernando Rocha Fabiane informou que “na próxima fase do processo, terá a oportunidade de apresentar sua resposta técnica à acusação contida na denúncia”.

Por fim, os advogados de Nicholas Castro disseram receber a decisão de soltura com a mesma serenidade com que enfrentará a ação penal e que “agora, a defesa poderá responder à acusação e indicar as provas que serão produzidas, inclusive provas periciais, documentais e testemunhais, tudo sob o crivo do contraditório judicial”.

Leia mais: “Nós continuamos em casa”, diz Rafael Greca em relação à pandemia de coronavírus

Bolsonaro faz pronunciamento contra isolamento no país

Bolsonaro e Mandetta não participam de coletiva; Governadores reagem duramente

Depois de discutir com os governadores do Rio de Janeiro, Wilson Witzel e João Doria, de São Paulo, o presidente Jair Bosonaro, juntamente o ministro Mandetta, fariam um nova coletiva sobre as ações do governo federal no combate à pandemia do coronavírus.

Há pouco o Palácio do Planalto cancelou a coletiva, com a presença do presidente e do ministro, sem explicar os motivos.

Quem falou com a imprensa sobre a crise política desencadeada na noite de ontem, foi Heitor Abreu, Subchefe de Articulação e Monitoramento da Casa Civil. Segundo ele, não há nenhuma nova diretriz do governo federal com relação ao combate do coronavírus. “Não há novas diretrizes sobre fechamentos de escolas e comércio no país”, afirmou.

A coletiva com os jornalistas foi rápida e com poucas perguntas.

Mais cedo, em uma reunião virtual com o governadores da região Sudeste, o presidente acusou os dois governadores, que são seus adversário políticos, de “fazer demagogia” com relação às medidas de isolamento tomadas nos estados.

Logo depois da reunião com os governadores o presidente se reuniu com o Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

ENTIDADES SE MANIFESTAM CONTRA O PRESIDENTE

Desde o pronunciamento de ontem à noite (23), várias entidades classe ligadas ao setor da saúde se manifestaram contrárias ao presidente Jair Bolsonoro.

A  Sociedade Brasileira de Infectologia divulgou uma nota de esclarecimento logo após o pronunciamento. No documento, a SBI diz que ficou preocupada com o presidente ser contra o fechamento de escolas e se referir ao coronavírus como um resfriado.

“Tais mensagens podem dar a falsa impressão à população que as medidas de contenção social são inadequadas e que a COVID-19 é semelhante ao resfriado comum.”

Em carta aberta, Secretários Estaduais de Saúde do Brasil, informaram estar “estarrecidos” com o pronunciamento do presidente.

” Temos plena consciência de que o Brasil e o mundo irá enfrentar uma grave recessão econômica, aprofundamento das desigualdades sociais e empobrecimento. A economia, com trabalho, disciplina, organização e espírito público, se recuperará. Seremos solidários e trabalharemos sem descanso para permitir uma rápida recuperação da nossa economia. Mas é preciso que se entenda, vidas perdidas, não serão recuperadas jamais”.

GOVERNADORES SE REÚNEM NA TARDE DESTA QUARTA-FEIRA

O governador de São paulo, João Doria, informou há pouco em entrevista coletiva, que os 27 governadores de estado  concordaram em participar de uma reunião virtual, às 18h desta quarta-feira (25). Inicialmente a reunião tem previsão de duas horas e na pauta o posicionamento do presidente Jair Bolsonaro, contra as recomendações dos órgãos de saúde e de seu próprio ministério, para o combate ao coronavírus.

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), aliado do presidente até ontem, informou na manhã desta quarta-feira (25), seu rompimento com o presidente.

“Não tem mais diálogo com esse homem. As decisões do presidente da República não alcançarão o Estado de Goiás.  “Desta vez ele rompeu os limites”

RATINHO JR. DIZ QUE VAI MANTER AS DECISÕES DE ISOLAMENTO NO ESTADO

Mesmo sendo aliado de Jair Bolsonaro, o Governo do Paraná anunciou nesta quarta-feira (25) que irá manter o planejamento de contingência contra o coronavírus. Isso inclui o isolamento social e o fechamento dos comércios.

Na noite de ontem, Bolsonaro pediu aos governos estaduais e prefeituras que cessem o isolamento para pessoas com menos de 60 anos. “Nossa vida tem que continuar, os empregos devem ser mantidos, assim como os sustentos das famílias. Algumas autoridades devem abandonar o terreno de terra arrasada”, apontou o presidente no discurso em rede nacional.

Porém, o governador Carlos Massa Ratinho Junior decidiu seguir as orientações do Ministério da Saúde e continuar com o planejamento em relação à pandemia do coronavírus. Horas antes, o Governo do Paraná anunciou pacote social de R$ 400 milhões para ajudar famílias paranaenses.

NÓS FICAMOS EM CASA”, AFIRMA O PREFEITO RAFAEL GRECA

Rafael Greca afirmou que a Prefeitura de Curtiba segue as medidas repassadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde) em relação à pandemia de coronavírus. “Em repeito aos curitibanos, nós continuamos em casa”, disse Greca no final do pronunciamento.

Na noite de ontem, em pronunciamento em rede nacional, o presidente Jair Bolsonaro orientou os governadores e prefeitos do país para cessarem o isolamento social para pessoas com menos de 60 anos, indo contra o Ministério da Saúde.

“Nossa vida tem que continuar, os empregos devem ser mantidos, assim como os sustentos das famílias. Algumas autoridades devem abandonar o terreno de terra arrasada”, apontou o presidente no discurso em rede nacional.

Greca Curitiba fundo Lei do Zoneamento obras Linha Verde ligeirão

“Nós continuamos em casa”, diz Rafael Greca em relação à pandemia de coronavírus

Na manhã desta quarta-feira (25), Rafael Greca afirmou que a Prefeitura de Curtiba segue as medidas repassadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde) em relação à pandemia de coronavírus. “Em repeito aos curitibanos, nós continuamos em casa”, disse Greca no final do pronunciamento.

Na noite de ontem, em pronunciamento em rede nacional, o presidente Jair Bolsonaro orientou os governadores e prefeitos do país para cessarem o isolamento social para pessoas com menos de 60 anos, indo contra o Ministério da Saúde.

“Nossa vida tem que continuar, os empregos devem ser mantidos, assim como os sustentos das famílias. Algumas autoridades devem abandonar o terreno de terra arrasada”, apontou o presidente no discurso em rede nacional.

RAFAEL GRECA DIZ QUE NÃO HAVERÁ HOSPITAL NA ARENA DA BAIXADA

Além de orientar os curitibanos a ficarem em casa, Rafael Greca também anunciou algumas medidas:

  • garantia da merenda escolar para alunos carentes;
  • crédito de R$ 70 reais para a compra de mantimentos nos armazéns da família;
  • assepsia da cidade, com água misturada com hipoclorito de sódio;
  • máscaras escudo estão sendo feitas em impressoras 3D, para distribuição para funcionários da saúde;

O prefeito também foi enfático em dizer que não haverá hospital na Arena da Baixada. “Não precisamos disso, a estrutura de saúde de Curitiba é formidável. Um hospital improvisado é um perigo para todos.”

GOVERNO DO PARANÁ MANTÉM ISOLAMENTO SOCIAL

Mesmo sendo aliado de Jair Bolsonaro, o Governo do Paraná anunciou nesta quarta-feira (25) que irá manter o planejamento de contingência contra o coronavírus. O governador Carlos Massa Ratinho Junior também decidiu seguir as orientações do Ministério da Saúde e continuar com o planejamento em relação à pandemia do coronavírus.

CORONAVÍRUS EM CURITIBA: RECOMENDAÇÕES

coronavirus-prevenção-1024x407
Formas para evitar a transmissão do coronavírus. (Reprodução / Ministério da Saúde)

Na semana passada, a Prefeitura de Curitiba criou um canal de teleatendimento à população. Profissionais da área da Saúde atendem pessoas com sintomas de doenças respiratório e esclarecem dúvidas. Para entrar em contato, é só ligar para (41) 33350-9000.

Por fim, a Secretaria Municipal da Saúde reforça é a principal orientação é todos ficarem em casa. Nesse cenário, tornam-se necessárias as medidas de higiene como lavar a mão com água e sabão ou álcool gel, além de evitar contatos físicos.

“Se alguém apresentar quadro que sugerem infecção respiratória, essa pessoa deve ficar isolada, em casa, por 14 dias”, completa a infectologista Marion Burger.

thiago wild paranaense atp coronavirus

Thiago Wild, revelação do tênis, é diagnosticado com coronavírus

O tenista paranaense Thiago Wild foi diagnosticado com o novo coronavírus. O esportista esteve recentemente no Chile, onde conquistou o ATP 250 de Santiago.

De acordo com o tenista, os sintomas começaram a aparecer há 10 dias, mas o resultado dos exames só foi divulgado nesta terça-feira (24). Wild cumpre quarentena em casa, onde permanece em isolamento social para evitar a disseminação do coronavírus.

Apesar do histórico de atleta, e de a doença não ter se desenvolvido de forma grave no caso dele, o tenista explica aos fãs que a Covid-19 oferece riscos e deve ser combatida por todos.

“Uns dez dias atrás tive alguns sintomas, tive febre…fiquei um pouco gripado. Venho me sentindo bem nos últimos dias, mas estou passando para alertar que tem que ficar em casa.”

THIAGO WILD É UM DOS PRIMEIROS ATLETAS DO CIRCUITO PROFISSIONAL DE TÊNIS COM CORONAVÍRUS

Com o exame positivo, Thiago Wild se tornou um dos primeiros atletas do circuito profissional de tênis diagnosticado com a Covid-19. Aos 20 anos, ele é o segundo melhor brasileiro no ranking da ATP. Atualmente, ele ocupa a posição 114 na classificação geral mundial.

Com a recente vitória no ATP 250 de Santiago, no Chile, Thiago Wild quebrou o recorde de Gustavo Kuerten, o Guga, o tornou-se o mais jovem brasileiro a conquistar um torneio profissional do circuito. Além disso, foi o primeiro atleta do Brasil a vencer um campeonato da ATP desde 2015.