Jovem envolvido em tiroteio em colégio de Medianeira deixa internação

Angelo Sfair - BandNews FM Curitiba

Prestes a completar cinco meses de internação, um dos dois adolescentes envolvidos no ataque a tiros em uma escola na cidade de Medianeira, na região Oeste, voltou ao convívio familiar. O atentado aconteceu no dia 28 de setembro de 2018, deixando dois jovens feridos.

 

Ao reformar a sentença, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) atendeu ao pedido da defesa para individualizar as medidas socioeducativas, levando em consideração a gravidade da participação de cada um dos responsáveis. O jovem que abriu fogo contra os colegas no Colégio Estadual João Manoel Mondrone permanece internado em um centro de socioeducação.

No dia 31 de outubro de 2018, os dois adolescentes de 15 anos foram condenados pela Vara de Infância e Juventude por tentativa de homicídio e resistência à prisão. O jovem responsável pelos tiros ainda foi considerado culpado pelo porte ilegal de arma de fogo.


O advogado que representa o adolescente beneficiado pela decisão afirma que as medidas socioeducativas serão mantidas na rotina do cliente. Leandro Chibiaqui esclarece que a liberdade está condicionada às medidas corretivas.

Desde a condenação, em outubro do ano passado, o defensor argumentava que a aplicação da mesma punição aos dois garotos era desproporcional. A reforma da sentença pelo TJ, durante o julgamento do recurso de apelação, foi uma decisão unânime entre os desembargadores.

As investigações apontam que o ataque ao Colégio Estadual João Manoel Mondrone foi motivado pela prática de bullying. Segundo o inquérito policial, o adolescente de 15 anos que atirou contra estudantes era vítima de agressões repetitivas desde os 10 anos. Com o jovem foram encontrados um revólver, explosivos, recortes de jornal com notícias de ataques nos Estados Unidos e uma carta com um pedido de desculpas. Na casa dele, à época, mais materiais explosivos foram encontrados e apreendidos.

Post anteriorPróximo post