Apenas 15% dos kits de TV digital para famílias de baixa renda foram distribuídos

Mariana Ohde


Por BandNews Curitiba

Pouco menos de 15% dos kits para TV digital oferecidos gratuitamente a famílias de baixa renda foram distribuídos no Paraná até agora. Até o final de janeiro, 366 mil conjuntos com antena digital, conversor e controle remoto precisam ser entregues em Curitiba e mais 26 cidades da região.

No dia 31 de janeiro, o sinal analógico de televisão será desligado nessas cidades e as famílias da região não poderão mais retirar os kits.

Têm direito ao equipamento gratuito as pessoas inscritas em programas do governo federal, como o Bolsa Família. Para garantir que a população tenha acesso a informações e possa fazer o agendamento do recebimento, a empresa responsável pela distribuição, a Seja Digital, está participando de mutirões e firmando parcerias com os municípios envolvidos.

Segundo a gerente regional da empresa, Sandra Frasson, nesta semana agentes da Seja Digital participam de um mutirão que a prefeitura de Curitiba promove na Cidade Industrial. “É importante que a pessoa, ao chegar ao mutirão, esteja com o NIS, que é o Número de Identificação Social, para que a gente possa fazer a consulta na nossa base de dados e verificar se a pessoa tem direito. Caso ela tenha direito, a gente faz o agendamento e ela escolhe o dia, horário e local para retirar [o kit]”, explica.

Depois de fazer o agendamento nos mutirões, nos postos de atendimento instalados nos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) dos municípios ou pelo site da Seja Digital, o beneficiário pode retirar o kit nos Correios, na data e horário marcados. Depois de vencido o prazo de 31 de janeiro, até mesmo as pessoas que são atendidas pelos programas do governo federal terão que comprar o equipamento.

Em Curitiba, o kit custa entre R$ 129 e R$ 200. Com a migração do sistema analógico para digital, o espaço hoje ocupado pelas TVs vai ser reaproveitado pelas operadoras de telefonia e internet.

Segundo Sandra Frasson, a transição cumpre um cronograma estabelecido pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). “Com a finalização do sinal analógico vai haver uma reorganização na rede de frequência, sobrando espaço na frequência 700 mhz para a ampliação da internet banda larga. Para que isso acontecesse de uma maneira tranquila, a Anatel organizou o cronograma para fazer a migração. Nós temos até 2023 a migração do analógico para o digital no Brasil”, explica.

A Seja Digital foi constituída por determinação da Anatel pelas operadoras Vivo, Claro, TIM e Algar para coordenar o processo de distribuição de conversores de TV digital. A oferta dos kits gratuitos é uma espécie de contrapartida exigida para que as telefônicas possam explorar com banda larga e internet o espectro analógico que vai ser liberado pelas TVs.

Previous ArticleNext Article
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal