Audiências do caso Tatiane Spitzner serão realizadas em dezembro

Lorena Pelanda


Nos dias 11 a 13 de dezembro serão realizadas as audiências com testemunhas de defesa e acusação da morte da advogada Tatiane Spitzner, em Guarapuava, na região central do Paraná.

O depoimento do acusado de matar a esposa, Luís Felipe Manvailer, está marcado para o dia 13 do mês que vem. Esta vai ser a primeira vez que o professor universitário vai ser ouvido pela Justiça desde a prisão. Uma das testemunhas é o delegado Bruno Miranda, que presidiu o inquérito do caso de Tatiane na Delegacia da Mulher. Também será ouvido o chefe administrativo do Instituto Médico Legal (IML) de Guarapuava Obadias de Souza de Lima Júnior.

O depoimento de uma testemunha de defesa que mora na Alemanha será tomado por vídeo conferência. As audiências estavam agendadas inicialmente para 22 de novembro, mas foram canceladas depois que a juíza acolheu o pedido do Ministério Público para incluir o motivo torpe como qualificadora do crime de homicídio.

A modificação foi feita depois da conclusão do laudo do Instituto Médico-Legal (IML) que confirmou Tatiane Spitzner morreu por asfixia mecânica, “causada por esganadura e com sinais de crueldade” e que não há dúvidas de que a advogada foi morta antes de ser jogada do 4° andar do prédio.

O corpo de Tatiane foi encontrado no dia 22 de julho, dentro do apartamento onde o casal morava. Câmeras de segurança flagraram Manvailer agredindo a esposa. A advogada tinha diversas marcas, como arranhões e escoriações.

O marido foi preso no mesmo dia, a mais de 300 quilômetros de Guarapuava, quando seguia em direção ao Paraguai. Ele segue preso na Penitenciária Industrial de Guarapuava.

Previous ArticleNext Article
Lorena Pelanda
Coordenadora de jornalismo da rádio BandNews FM Curitiba