Megaoperação contra pedofilia prendeu mais de 250 pessoas no país

Folhapress

cerca de 2.600 policiais também cumpriram 579 mandados de busca e apreensão.

Dos 251 presos, 128 são de estados da região Sudeste, 47 do Nordeste, 38 do Sul, 21 do Centro-oeste e 17 do Norte do país. O número total de presos, no entanto, ainda pode ser maior, já que policiais ainda trabalhavam para checar o material apreendido e contabilizar os dados na noite desta quinta-feira.

Um novo balanço com os dados finais da operação está previsto para ser divulgado nesta sexta-feira (18). A ação integra a segunda fase da operação Luz da Infância. Na primeira fase, em outubro do ano passado, os agentes prenderam 112 suspeitos em 24 estados, além do Distrito Federal –Amapá e Piauí não participaram na ação porque não tiveram tempo hábil de concluir as investigações.

No total, foram identificados mais de 151 mil arquivos com conteúdo de pedofilia –cenas de sexo explícito com a participação de crianças– que eram compartilhados entre os suspeitos. A lei diz que apenas armazenar esse tipo de material já configura crime. Os suspeitos tanto armazenavam quanto compartilhavam esse material. Em alguns casos, também o produziam.

A operação ocorreu após seis meses de investigações, feitas em parceria com órgãos norte-americanos (caso da Embaixada dos Estados Unidos e da Adidância da Polícia de Imigração e Alfândega em Brasília) e agências de inteligência de polícias judiciárias estaduais. Segundo o ministério, o nome da operação “Luz na Infância” foi escolhido por serem “bárbaros e obscuros” os crimes contra a dignidade sexual de adolescentes e pelos acusados agirem “nas sombras da internet”.

Questionado sobre o motivo da Polícia Federal não ter participado da operação, Jungmann disse que isso ocorreu devido à falta de efetivo suficiente e de disponibilidade de recursos.

Ao todo, 2.625 agentes estiveram nas ruas para cumprir os mandados, distribuídos em 284 cidades do país. Os suspeitos detidos em flagrante foram levados às delegacias de proteção à criança e crimes cibernéticos dos estados envolvidos. Só no estado de São Paulo, os agentes buscam cumprir 166 mandados. Destes, 95 foram expedidos na capital paulista.

Segundo Jungmann, essa é a maior ação integrada de polícia judiciária já feita no Brasil e a maior operação para reprimir crimes de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes já realizada em apenas um dia no mundo.

Os estados do Rio Grande do Norte do Paraná não participam da operação policial por não ter havido tempo de verificar os dados.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="524005" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]