Assustado com a conta, curitibano faz poço artesiano em casa e divide água com vizinhos

Mariana Ohde e Vanessa Fernandes - CBN Curitiba

O último reajuste - de 5,12% - entrou em vigor em 17 de maio.

Há alguns meses, o curitibano Edson Martins se assustou ao receber a conta de água em sua residência, no bairro Guabirotuba. Desde o dia 17 de maio, data em que entrou em vigor o último reajuste determinado pela Sanepar – de 5,12% – a fatura pesou um pouco mais.

Edson, então, resolveu fazer algo a respeito. No início, a ideia era perfurar um poço artesiano em casa, para abastecer o imóvel e economizar. Porém, quando o trabalho estava concluído, uma surpresa: a água mineral era adequada para o consumo, fato comprovado por um laudo da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

O proprietário do poço decidiu que o bem precisava ser dividido com os vizinhos. “Como deu água mineral, o que eu não esperava, resolvi deixar para os vizinhos pegarem e usarem à vontade”, disse.

Para evitar depredações e problemas similares, Edson chegou a instalar um sistema de pagamento, com valores simbólicos – bastava inserir algumas moedas para liberar a água. Porém, após um vídeo sobre a iniciativa viralizar nas redes sociais, Edson resolveu retomar o antigo sistema, sem a cobrança.

Um dos motivos para acabar com os pagamentos foi o medo de uma eventual fiscalização ou multa. Na última quarta-feira (6) a vigilância sanitária esteve no local e, segundo Edson, o órgão irá analisar a situação.

“Eles perguntaram se eu tinha os documentos do poço, registro, alvará de abertura do poço. Mostrei para eles, eles tiraram foto. Vão ver o que vão resolver. Eles não sabem por onde começar, porque nunca viram uma coisa assim”, ri.

A CBN Curitiba entrou em contato com a vigilância sanitária que informou que esteve no local e está analisando as condições sanitárias do poço, bem como questões relativas à comercialização do recurso.

A Sanepar também informou que questões relacionadas a legislação que normatiza a abertura de poços cabe ao Instituto das Águas e à Vigilância Sanitária verificar as condições de operação e potabilidade do poço particular.

Por enquanto, Edson fica na expectativa e lamenta: se for proibido de manter as torneiras para o lado de fora de sua casa, deixará de dividir uma água mineral de qualidade atestada com os vizinhos. “É água mineral, natural, fluoretada, pH 8,4. Você não acha isso no comércio”, diz.

Valor da água

Desde 17 de maio, quem se enquadra na Tarifa Residencial Normal (com consumo de até cinco metros cúbicos) teve acréscimo de R$ 3,03 na conta – valor vai passar para R$ 62,25.

Quem consome dez metros cúbicos teve acréscimo de R$ 3,47 e passa a pagar R$ R$ 71,89. Os beneficiados pela Tarifa Social tiveram um acréscimo de R$ 0,68 na fatura da Sanepar e a conta vai chegar a R$ 13,88.

Previous ArticleNext Article
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal