Polícia investiga denúncia de abuso sexual contra menina de 3 anos em escola

Ana Flavia Silva - BandNews FM Curitiba

Moradores do bairro Guarituba, em Piraquara, fizeram um protesto nesta manhã (12) em frente a um Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) para pedir providências em relação a uma denúncia de abuso sexual contra uma menina de apenas três anos.

O crime teria acontecido na última semana. A mãe da criança notou manchas de sangue nas roupas da menina, que contou que um “tio estranho” teria mexido com ela na escola.

A família procurou ajuda médica. É o que conta um tio da vítima, Jhonatan Santos de Oliveira. “Minha irmã correu para o hospital, para ver se tinha acontecido uma violência sexual”. No dia seguinte, segundo ele, foi feito o Boletim de Ocorrência e a criança foi encaminhada para o hospital. Uma perita do Instituto Médico-Legal (IML) confirmou que houve penetração. “Mas não sabem por quê. Tem que esperar dez dias pelo exame para ver com o que foi penetrada. Desde sexta-feira, ela esta internada tomando coquetel de remédios”, conta.

A menina está no Hospital Pequeno Príncipe, passando por exames, sem previsão de alta. A família registrou o Boletim de Ocorrência, mas questiona a omissão da direção da escola, que não teria repassado o caso para a Secretaria Municipal de Educação. Uma reunião entre as partes foi realizada nesta manhã.


“Meu cunhado, minha mãe, a mãe dele, todos procuraram a diretora da escola para saber o que tinha acontecido, na sexta-feira de tarde. A diretora falou que não podia chamar os professores, para não expor eles. Falou que ia tomar as providências, mas não deu retorno para a família, para dizer o que tinha acontecido ou conversar”, disse Jhonatan. “A gente quer um parecer da escola, a gente está protestando para saber como isso aconteceu, como a criança ficou sozinha, quem pode ter feito”.

A delegacia local vai investigar o caso e deve ouvir professores e familiares ao longo da semana.

Uma guia para coleta de material da vítima foi expedida e entregue a mãe da criança.

A reportagem tentou contato com a Secretaria Municipal de Educação de Piraquara, mas não teve retorno.

Post anteriorPróximo post
Comentários de Facebook