Estudante paranaense que comercializava ecstasy é alvo da PF

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta manhã (17) a Operação Hipster, que mira um grupo suspeito de produzir e distribui..

Mariana Ohde - 17 de outubro de 2018, 07:28

Foto: PF
Foto: PF

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta manhã (17) a Operação Hipster, que mira um grupo suspeito de produzir e distribuir ecstasy em todo o país. O grupo tinha sede em Curitiba, capital do Paraná.

Os policiais cumprem cinco mandados de busca e apreensão e quatro mandados de prisão temporária. Entre os alvos está um estudante universitário.

A investigação teve início após a polícia receber informações da compra de uma prensa para a produção de drogas. Também foram identificadas diversas remessas postais contendo comprimidos de ecstasy a partir de uma agência dos Correios em Curitiba.

O órgão responsável pelo combate às drogas nos Estados Unidos (DEA) deu apoio à operação, com o fornecimento de informações.

Segundo a PF, em um período de dois meses, foram identificados os envios de, pelo menos, 80 envelopes. Também houve grande movimentação de recursos financeiros na conta corrente do principal suspeito. Os valores ultrapassam os R$ 500 mil em um período de dez meses.

Os presos foram levados à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde permanecerão à disposição da Justiça. Se condenados, eles podem ter penas superiores a 20 anos de prisão.

O nome da operação Hipster é uma alusão ao principal alvo da operação.