Motoristas e cobradores de Curitiba votam greve nesta quinta-feira

Mariana Ohde

Cartão Transporte

O Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc) convocou uma assembleia nesta quinta-feira (8), na Praça Rui Barbosa, no Centro de Curitiba. O objetivo é discutir o projeto de lei de autoria da prefeitura de Curitiba que pretende restringe atuação dos cobradores no transporte coletivo. Também está em pauta a aprovação de um indicativo de greve geral.

Segundo o sindicato, é possível que o transporte seja afetado no horário da assembleia.

Para o sindicato, o projeto pode extinguir a profissão dos cobradores, causado cerca de 6 mil demissões. Também há preocupação em relação a atuação dos motoristas, que podem acabar desempenhando ambas as funções.

“Com o Paraná tendo mais de 200 mil pessoas procurando emprego e outros milhares na informalidade, é inadmissível um projeto de lei que causa a demissão de 6 mil pais e mães de famílias. Isso é o equivalente a praticamente três montadoras, onde essas pessoas vão trabalhar? Não podemos admitir isso, vamos lutar até o fim para impedir que essa medida avance na Câmara Municipal”, disse o presidente do sindicato, Anderson Teixeira.


O sindicato também realizou um abaixo-assinado para barrar o projeto. A petição é mais uma das ações da campanha #SomosTodosCobradores, que também conta com a distribuição de material gráfico e ações nas redes sociais.

O projeto

O projeto de lei, encaminhado na semana passada à Câmara Municipal, propõe alterações na lei que trata da instalação de equipamentos de bilhetagem eletrônica no transporte público.

A mensagem do executivo municipal trata especificamente de alteração no Art. 2º da Lei 10.333. Nele, se lê, atualmente: “Deverão ser mantidos os cobradores nas estações-tubo, terminais de transporte e no interior dos coletivos, ressalvados aqueles atendidos pelas estações-tubo e o micro-ônibus”.

No projeto, altera-se o texto para: “Fica autorizada a implementação exclusiva do Sistema de Bilhetagem Eletrônica – SBE por meio da utilização dos cartões transporte nos pontos de acesso aos serviços de transporte coletivo do Município de Curitiba”.

De acordo com o presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto, o objetivo desta mudança na lei é a modernização do sistema e a diminuição no número de assaltos ao transporte coletivo. Ainda segundo o presidente da Urbs não se fala em extinção da função do cobrador mas na redução desta atividade.

De acordo com ele, a modernização está prevista na convenção coletiva de trabalho assinada entre sindicatos de trabalhadores e empresas neste ano. Também está prevista estabilidade de emprego por 12 meses, requalificação em cursos no Sesc e Senac. “Eles têm essa garantia de serem aprovados em outras atividades que as empresas tenham necessidade”, disse.

Post anteriorPróximo post
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal
Comentários de Facebook