8 pessoas são presas suspeitas de preparar envio de cocaína pelo Porto de Paranaguá

De acordo com a PF, o envio da cocaína para o exterior era realizado pelos contêineres sem o conhecimento do exportador

Redação - 28 de janeiro de 2022, 08:55

Claudio Neves/Portos do Paraná
Claudio Neves/Portos do Paraná

Oito pessoas foram presas temporariamente na manhã desta sexta-feira (28), pela PF (Polícia Federal) e Receita Federal), através da Operação Reach Stackers, suspeitas de preparar o envio de cocaína pelo Porto de Paranaguá.

Outros nove mandados de busca e apreensão foram cumpridos no município, em Matinhos e em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba. Também foram decretadas medidas patrimoniais de sequestro de imóveis e bloqueio de valores existentes em contas bancárias e de aplicações financeiras.

De acordo com a PF, o envio da cocaína para o exterior era realizado pelos contêineres, sem o conhecimento do exportador, na modalidade conhecida como “RIP ON/RIP OFF”. Os suspeitos presos hoje são responsáveis por fornecer informações privilegiadas sobre posições, rotas e cargas dos contêineres para subsidiar organizações criminosas.

Eles também eram responsáveis por movimentarem os contêineres de forma a possibilitar a inserção dos carregamentos de cocaína dentro do pátio do terminal portuário. As ações criminosas ocorriam de forma dissimulada e sem o consentimento da administração do TCP (Terminal de Contêineres de Paranaguá), que auxiliou no desenvolvimento das investigações.

Os investigados responderão pelos crimes de tráfico transnacional de entorpecentes, com penas que podem chegar até 25 anos de reclusão para cada ação perpetrada, bem como pelos crimes de organização criminosa e de associação para o tráfico, que podem chegar a 24 anos de reclusão.

A operação foi batizada Reach Stackers em alusão ao equipamento de mesmo nome utilizado em terminais portuários para o deslocamento de contêineres.