Acidente da BR-277: Polícia Civil deve concluir inquérito até o final do mês

Angelo Sfair

acidente, engavetamento, br-277, caminhoneiro, polícia científica, polícia civil, delegado, investigação, tacógrafo, mãe, iml, vítimas, curitiba, são josé dos pinhais, paraná, 277

A PCPR (Polícia Civil do Paraná) espera concluir até o final de agosto o inquérito que investiga o acidente da BR-277, no último dia 2. O engavetamento no km 76, no limite entre São José dos Pinhais e Curitiba, matou oito pessoas e deixou 26 feridos.

De acordo com o delegado Fábio Machado, mais de 20 pessoas foram ouvidas. A delegacia de São José dos Pinhais ainda espera tomar o depoimento de mais 30 testemunhas e sobreviventes.

Já prestaram depoimento os policiais rodoviários federias, os bombeiros, e os funcionários da concessionária que prestaram o atendimento. O caminhoneiro envolvido no acidente da BR-277 também já apresentou a versão.

Alguns sobreviventes e familiares já foram ouvidos. “Agora as investigações prosseguem pra que a gente possa ainda ouvir as pessoas que estão se recuperando. Nós temos que respeitar esse período. Mas a gente quer ouvir essas pessoas e seus familiares para que a gente possa ter uma visão imparcial sobre o que aconteceu”, explica Fábio Machado.

LAUDO DO ACIDENTE DA BR-277 AINDA NÃO FOI APRESENTADO

De acordo com o delegado, o laudo pericial sobre o acidente da BR-277 ainda não foi concluído. A conclusão dos peritos da Polícia Científica será fundamental para as conclusões do inquérito da Polícia Civil.

A polícia diz que é cedo para afirmar se o acidente da BR-277 foi uma fatalidade, ou se houve crime. Os investigadores apontam que a neblina aliada à fumaça de um incêndio ambiental criou um bolsão de invisibilidade no km 76, no trecho onde ocorreu o acidente.

A concessionária Ecovia alega que não teve tempo para sinalizar o perigo – os funcionários haviam começado os alertas no sentido oposto, Paranaguá-Curitiba, quando aconteceu o primeiro acidente que viria a ocasionar o engavetamento.

“Ouvimos o dono do terreno às margens da BR-277, onde haveria o incêndio que causou essa fumaça, assim como moradores de um condomínio daquela região. Não há nenhum indício de que o incêndio tenha sido criminoso”, afirmou Machado.

Procurada pelo Paraná Portal, a SESP (Secretaria de Estado da Segurança Pública), responsável pela Polícia Científica, não se manifestou acerca do fim do prazo para a conclusão do laudo pericial do acidente da BR-277.

Previous ArticleNext Article