ACP sugere que empresários paguem transporte de colaboradores em dinheiro para desafogar ônibus

Angela Luvisotto - BandNews FM Curitiba

coronavírus, covid-19, estudo, unifesp, transporte público, autônomos

Uma das soluções apontadas pela Associação Comercial do Paraná para evitar a superlotação do transporte público é que os comerciantes associados, ao invés de pagarem o vale transporte para os funcionários, utilizem os serviços dos aplicativos de transporte e organizem esquemas de caronas entre os colaboradores.

Desde a reabertura do comércio e dos shoppings centers de Curitiba, no último dia 25 de maio, a Associação Comercial tem participado de reuniões com representantes da COMEC e da URBS para discutir medidas que evitem o impacto do funcionamento do comércio no transporte público de Curitiba e Região Metropolitana. Na última segunda-feira (08) o número de passageiros que circulou pelo transporte coletivo de Curitiba registrou movimento de cerca de 297 mil pessoas. Antes da pandemia do coronavírus, esse número era de aproximadamente 754 mil passageiros por dia.

A URBS, empresa que opera o transporte coletivo em Curitiba, começou a fazer o cruzamento dos dados de utilização do cartão transporte de funcionários, por empresas, para entender melhor o perfil de uso dos transportes desse público. A intenção é fazer um mapeamento dos passageiros por segmentos: comércio, indústria e serviços. Com isso, fica mais fácil escalonar os horários de funcionamento e encontrar soluções para evitar aglomerações no transporte na capital paranaense. Na próxima sexta-feira (12) mais uma reunião vai discutir o tema, desta vez, também com representantes da Fiep e da Fecomércio, além da Associação Comercial e de representantes da COMEC e da URBS.

Na semana passada, a associação comercial do Paraná chegou a enviar uma carta para os vereadores pedindo que eles regulamentassem o horário alternativo de funcionamento do comércio. O prefeito Rafael Greca disse em entrevista à BandNews, na última segunda-feira, que o comércio deve se auto regular e que não há necessidade de lei para que, neste momento, os horários do comércio sejam alterados.

A sugestão dos gestores do transporte e da ACP é que o comércio de rua funcione das dez da manhã às cinco da tarde e os shoppings do meio dia ás oito horas da noite. Durante a pandemia, a frota em Curitiba circula com 80% da capacidade. Os dados da URBS mostram que a circulação de passageiros tem atingido cerca de 35% da capacidade normal da frota. Algumas linhas tanto de Curitiba, como na região metropolitana estão circulando com frota reforçada nesta semana.

A linha Inter 2, por exemplo, passou a funcionar com 100% da frota nos dias úteis. As linhas expressas Pinheirinho-Rui Barbosa, Santa Cândida-Capão Raso e Circular Sul operam com 90% da capacidade nos horários de maior movimento e as linhas alimentadoras, que atuam na região Sul da cidade, também trabalham com 100% no horário de pico. Também teve reforço na linha Boqueirão-Centro Cívico nos picos da manhã e da noite.

Fiscais e agentes da Guarda Municipal fazem a orientação nos terminais de ônibus de Curitiba para evitar que a lotação ultrapasse os 50% e garantir que todos os passageiros estejam de máscaras. O exército também está ajudando na fiscalização do transporte em Curitiba e em terminais da Região Metropolitana.

Leia também: Coronavírus: Prefeitura de Carambeí fecha comércio por 15 dias após aumento de casos

Previous ArticleNext Article