Aluna do CEP ameaça de morte colegas com perfil fake e polícia investiga o caso

O Núcleo de Combate de Cibercrimes da PCPR (Polícia Civil do PR), identificou a aluna que criou perfil falso na internet..

Ana Cláudia Freire - 24 de julho de 2020, 13:06

Divulgação/CEP
Divulgação/CEP

O Núcleo de Combate de Cibercrimes da PCPR (Polícia Civil do PR), identificou a aluna que criou perfil falso na internet para ameaçar de morte os colegas estudantes do CEP (Colégio Estadual do Paraná), o maior e mais antigo colégio estadual do Estado.

Conforme a polícia, a denúncia partiu da direção do Colégio Estadual do Paraná, que através de alunos, pais e funcionários, soube de um perfil falso no Instagram, com ameaças de morte aos estudantes.

Nas ameaças, a aluna dizia que entraria no colégio com uma carabina (uma espécie de espingarda curta) e mataria todos que estiverem no colégio, depois do fim da quarentena.

Segundo o delegado José Barreto, que investiga o caso, um boletim de ocorrência foi registrado e a polícia então deu início à investigação identificando a conexão da adolescente, em sua casa, em Almirante tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba.

"Quando começaram as investigações solicitamos mandado de busca e apreensão, que aconteceu na manhã desta sexta-feira. Chegando ao local, a polícia identificou uma adolescente de 16 anos, com sua família em casa. A jovem é estudante do CEP e assumiu a criação do perfil fake (falso) e as postagens de ameaça aos aos colegas. Ela informou que queria apenas criar uma alerta na escola, mas as postagens de ameaça eram mensagens  bem concretas. Com uma carabina ela mataria todos do colégio", informou o delegado.

O  pai da jovem foi ouvido e liberado pela polícia. Já a aluna foi encaminhada à delegacia de Polícia Civil de Almirante Tamandaré, tendo em vista que o município não tem delegacia especializada para menores.

O delegado reforça ainda que a internet é sempre vista pelas autoridades e que esse tipo de crime está sempre sendo monitorado.

"A polícia está de olho na internet. Não é um campo aberto aonde as  pessoas podem fazer o que elas quiserem é muito importante ter muita responsabilidade no que a gente tá postando, qualquer mensagem que envolva crime ou ato infracional, o autor das mensagens pode responder pelos fatos", orientou José Barreto.

A estudante vai responder um termo circunstanciado, pelo ato infracional análogo a contravenção de falso alarme, que está previsto no Artigo 41 da Lei de Contravenções Penais.

O CEP (Colégio Estadual do Paraná) informou que aguarda um retorno oficial das investigações para poder tomar as providências cabíveis com relação à aluna.