Estudantes deixam ocupação de escolas e se reúnem com Beto Richa

Fernando Garcel


Os estudantes secundaristas que ocuparam colégios estaduais em Maringá, no norte do Paraná, deixaram os prédios na manhã desta segunda-feira (30). A decisão aconteceu após assembleia que ocorreu na tarde de domingo (29), no Colégio Estadual Gerardo Braga. Os representantes se encontram com o governador, no Palácio Iguaçu, às 14 horas.

Os cartazes e faixas que foram fixados pelos estudantes foram retirados e as chaves entregues aos diretores das instituições. Nas redes sociais, o grupo organizado pela União Paranaense dos Estudantes Secundaristas (Upes) apresentou um documento em que o o chefe da Casa Civil, Valdir Rossoni, a secretária estadual de Educação, Ana Seres, e o presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), deputado Hussein Bakri, afirmam assumir um compromisso de se reunir com os estudantes nesta segunda-feira (30), no Palácio Iguaçu, às 14 horas, com a presença do governador Beto Richa (PSDB).

Segundo o presidente da Upes, Matheus dos Santos, a desocupação foi definida depois que representantes do governo assinaram o termo de compromisso sobre as reivindicações dos estudantes como construções e reformas das instituições, melhorias na merenda e resultados da investigação sobre desvios de verbas públicas nas escolas.

O grupo também usou as redes sociais para esclarecer a desocupação dos prédios. De acordo com os estudantes, a saída aconteceu porque o governo se propôs a atender as reivindicações, mas mantém o alerta sobre novas ocupações caso as pautas não sejam cumpridas. “O governo se propôs a atender nossas reivindicações e então desocuparemos. Com isso mostramos que estamos abertos ao diálogo. Mas estamos em alerta. Se as promessas não forem cumpridas, vamos ocupar o Paraná inteiro!”, diz o grupo em nota.

Segundo o Superintendente de Desenvolvimento em Educação da Secretaria Estadual da Educação, Paulo Choinski, a partir desta segunda-feira (30) as escolas começam a receber alimentos provenientes da agricultura familiar e não deve haver desabastecimento. “Verificando que poderia haver desabastecimento, uma cota extra no valor de R$ 2,6 milhões foi dividida entra as escolas do Paraná para que elas comprassem diversos gêneros para evitar qualquer tipo de desabastecimento”, diz.

Na semana passada, o governador Beto Richa disponibilizou cerca de R$ 40 milhões em agricultura familiar. A homologação de contratos da Secretaria de Estado da Educação com 44 cooperativas pretende fornecer produtos como frutas, legumes, verduras e hortaliças para a merenda escolar no estado.

Em relação às obras, várias delas paradas, Paulo afirma que elas estão sendo retomadas e que novas intervenções devem acontecer nos colégios do estado. “Essa operação [Quadro Negro] foi deflagrada no ano passado sob a possibilidade de ter havido fraude nos processos. As retomadas das obras e as medidas necessárias estão sendo tomadas”, diz Choinski.

Conforme a secretaria, devido às ocupações em Maringá, 2.117 estudantes ficaram sem aulas e vão ter direito à reposição do conteúdo perdido. As equipes jurídica e de legislação escolar avaliam como vai ser feita essa reposição.

Previous ArticleNext Article