Alunos mudam nome de escola que homenageava ditador

Redação


Passa de mil escolas ocupadas em todo o Brasil, em protesto pela retirada da Medida Provisória que reforma o ensino médio e a PEC 241 do governo Michel Temer. Em um das escolas do Paraná – Estado com maior número (850) de ocupações – no Colégio Estadual Presidente Castelo Branco, em Foz do Iguaçu, os estudantes rebatizaram a instituição, que trazia o nome do militar e político Humberto de Alencar Castelo Branco.

A homenagem/protesto, em cartaz escrito à mão, traz o nome da escritora Clarice Lispector (1920-1977), considerada uma das mais importantes autoras do século 20. Nascida na Ucrânia,  radicada no Rio de Janeiro, Clarice Lispector escreveu dezenas de livros, entre eles “Laços de Família”, seguido de “A Legião Estrangeira” e de “A Paixão Segundo G. H.”, considerado um marco na literatura brasileira.

Castelo Branco foi o primeiro presidente no período da Ditadura Militar no Brasil, que ocupou o poder durante 20 anos até 1964. Após o golpe, foi estabelecido o Ato Institucional nº1 (AI-1) e chamou-se eleições indiretas para presidente.

O AI-1, assinado pela Junta Militar, “suprimiu a constância dos cargos públicos determinada pela Constituição, o presidente teria também o poder de invalidar mandatos e a faculdade legal de suspender por dez anos os poderes políticos de qualquer indivíduo que possuísse direitos civis e políticos – nomes como João Goulart, Leonel Brizola, Juscelino Kubitschek e Jânio Quadros sofreram essa restrição. Ele podia igualmente impor retificações à Constituição e, se preciso, decretar estado de sítio”.

Associações sindicais e artífices toleraram a interposição dos militares, várias alianças campesinas foram abolidas. As persecuções e as prisões se intensificaram. Foram aprisionados líderes sindicais, operários, religiosos, bem como estudantes, professores, campesinos e militares acusados de agitação.

Após a iniciativa dos alunos no Paraná, entidades se posicionaram em apoio. “Trata-se de uma iniciativa pioneira no Paraná, em que a juventude mostra para toda a sociedade sua opção pela criatividade, pela sensibilidade e pela expressão da vasta condição humana, em detrimento da força e do autoritarismo”, diz um texto publicado pela APP-Sindicado de Foz, que representa professores da rede estadual de ensino.

Previous ArticleNext Article