Apartamentos do “prédio que gira” vão a leilão

BandNews FM Curitiba

Penhorado devido a ações cíveis e trabalhistas movidas contra a extinta Construtora Moro, apartamentos do prédio giratório, localizado no bairro Mossunguê, em Curitiba vão a leilão amanhã (06). Inaugurado há 14 anos, o Suíte Vollard, mais conhecido como “prédio que gira” vai passar por leilão judicial com nove apartamentos colocados à venda.

Caso arrematados, os imóveis serão habitados pela primeira vez. A medida foi determinada pela 19ª Vara Federal de Curitiba com o objetivo de sanar o imbróglio fiscal do edifício. Com editais lançados no dia 29 de maio, a primeira parte do leilão acontece amanhã (06), às 10 horas da manhã e será aberta ao público. Os lances podem ser feitos presencialmente na sede do leiloeiro, na Rua Jacarezinho, 1257, no bairro Mercês, ou no site pbcastro.com.br.

De acordo com o leiloeiro oficial Plinio Barroso, os valores iniciais, tabelados de acordo com o preço de avaliação, variam conforme o apartamento. Para o primeiro andar, que já está pronto para morar, o valor inicial é de 730 mil reais. Já para os demais, o preço é 630 mil, bem abaixo dos valores de lançamento, que giravam em torno dos 2 milhões e 300 mil reais.

O leiloeiro afirma que o curioso empreendimento atrai diversos interessados, entre investidores e compradores particulares.


“Tem bastante interessado, gente do Brasil inteiro porque é um imóvel diferenciado, né… é o único imóvel no Brasil com essas características.

Caso as vendas não aconteçam amanhã (06), uma segunda rodada será feira no dia 13 de junho, com preços ainda menores, equivalentes a 60% dos valores iniciais. Uma terceira rodada pode acontecer ainda no dia 20 de junho, sob os mesmos parâmetros, ou seja, com preços equivalentes a 60% dos cobrados na segunda etapa. Os benefícios, porém, tem o objetivo de atrair os investidores, já que ainda é possível travar a compra com ações judiciais.

Apesar disso, Plinio Barroso ressalta que o comprador corre risco zero de perder o dinheiro investido.

A empresa executada e responsável pela construção do Suíte Vollard ingressou com medida judicial na 19ª Vara Federal de Curitiba, solicitando o cancelamento do leilão por conta de erros nos valores de avaliação. A empresa afirma que as dívidas relativas ao prédio que gira deverão ser negociadas diretamente junto à Receita Federal. O juiz André Luis Medeiros Jung negou o pedido.

Foto: divulgação/PBCastro

Post anteriorPróximo post
Comentários de Facebook