Após dez dias, oito vereadores presos pelo Gaeco são liberados pela justiça

Os oito vereadores de Itaipulândia, no oeste do Paraná, presos pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organi..

Redação - 22 de abril de 2016, 19:16

Os oito vereadores de Itaipulândia, no oeste do Paraná, presos pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), acusados de desvio de dinheiro da Câmara Municipal, no último dia 12, foram liberados nesta sexta-feira (22).

As prisões temporárias encerraram na última quinta-feira (21) e como não houve pedido da justiça para transformar as prisões em preventivas, eles foram liberados.

Os suplentes dos vereadores tomaram posse no último dia 15, por determinação judicial. O único vereador do município que não está envolvido nas investigações, o Roberto Piano (PT), assumiu a presidência da Câmara.

Uma decisão do Tribunal de Justiça determinou que os oito vereadores presos sejam reconduzidos ao cargo, já que a manutenção dos salários dos acusados e dos suplentes geraria um alto custo ao município.

O caso

Investigações do Gaeco apuraram que, de setembro de 2013 a novembro de 2015, vereadores se utilizaram do subterfúgio de inscrever-se em cursos para receber diárias indevidamente.

Entre as irregularidades identificadas destacam-se casos de vereadores que sequer iam para o local da capacitação e outros que se deslocavam até a cidade do treinamento, mas não o freqüentavam. Alguns vereadores também receberam verba para um número de dias superior ao que ficavam no local e ainda outros que compareciam apenas para registrar presença, sem participação efetiva nos cursos. Foram gastos pela Câmara, no período indicado, R$ 511 mil em diárias e R$ 160 mil para pagamento dos cursos.

Foram presos pelo Gaeco os vereadores Adolfo Florencio Preis (PSB), Diacir Ferreira da Silva (PSB), Gelson Lautert (PR), Jair Jose Escher (PR), Marlei Kaefer (PSL), Silvani Olivia Groth Mendes (PV), Vilso Nei Serena (PP), Claudinei Vieira (PMDB). O único vereador de Itaipulândia que não teve prisão decretada é Roberto Piano (PT).