Após invasões na Amazônia, base do ICMBio é atacada no Paraná

Uma base do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) no Parque Nacional de Ilha Grande, no oeste..

Estelita Hass Carazzai - Folhapress - 15 de janeiro de 2019, 22:42

Foto: ICMBio
Foto: ICMBio

Uma base do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) no Parque Nacional de Ilha Grande, no oeste do Paraná, foi atacada e teve móveis e utensílios destruídos na semana passada.

É o segundo ataque ao local nos últimos dois meses, em meio a uma sequência de protestos, invasões e ameaças a servidores de órgãos de fiscalização ambiental na Amazônia. O ataque foi descoberto na manhã da última quarta-feira (9). Os invasores arrombaram a casa e destruíram fogões, camas e pias. Em novembro, houve um princípio de incêndio na mesma base, situada na cidade de São Jorge do Patrocínio e utilizada esporadicamente pelos servidores.

O caso é investigado pela Polícia Federal, que já identificou alguns suspeitos. Uma das hipóteses é que a ação tenha sido uma represália à fiscalização de imóveis construídos irregularmente na região.

Nos últimos quatro anos, cerca de cem casas de veraneio, erguidas irregularmente na área do parque, foram demolidas pelo ICMBio e pelo Ministério Público Federal.

"Algumas pessoas não concordam, ficam revoltadas", diz o analista ambiental Tersio Pezenti, que trabalha no parque. Ele, porém, afirma não ter notícias de ameaças contra os fiscais.

Outra possibilidade é que grupos contrabandistas, que usam o rio Paraná para transportar mercadorias, tenham provocado o ataque. O parque fica próximo à divisa com o Paraguai.

Segundo o delegado da PF Fernando Bertuol, os indícios apontam que os ataques foram praticados pelo mesmo grupo.

"Que foi intencional, não tem dúvida", disse o investigador à Folha. O inquérito continua em andamento.

Em nota, o presidente do ICMBio, Adalberto Sigismundo Eberhard, lamentou o episódio e disse que o crime "atenta contra o patrimônio público, a sociedade brasileira e as ações do ICMBio em defesa do meio ambiente". O órgão informou que as ações de fiscalização serão intensificadas.

Atualmente, seis servidores atuam no Parque Nacional de Ilha Grande, que abrange 76 mil hectares.