Ar na tubulação de água deixa a conta mais cara para os usuários, segundo vereador

William Bittar - CBN Curitiba

Sanepar alerta população para proteger o hidrômetro em dias d

Tramita na Câmara Municipal de Curitiba (CMC) um projeto de lei que obriga a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), responsável pelo fornecimento de água na cidade, a instalar nas residências “equipamentos para a eliminação de ar nas tubulações de abastecimento”.

A proposta de lei, protocolada no dia 26 de fevereiro, obriga a fornecedora de água a divulgar a medida nas contas de água e começar a instalação dos equipamentos pelos equipamentos públicos de Curitiba.

O projeto é do vereador Professor Silberto (MDB), que afirma que muitos consumidores pagam a conta mais cara, por conta do ar que fica nas tubulações quando há corte do fornecimento, na ocorrência de manutenção, intermitência no abastecimento, por acidentes ou pelo desgaste natural de tubos em construções mais antigas.

“15% do custo da água que vem da fatura é ar que vem pelas tubulações e acaba girando o hidrômetro e cobrando do consumidor isso”, explicou o vereador. Ele ainda sugere que se o consumidor se sentir lesado reclame para a Sanepar e peça que ela instale um equipamento para a retirada do ar da tubulação.

“A minha sugestão é que os consumidores que sentirem a necessidade que peçam para a Sanepar que ela instale esse aparelho que retira o ar antes dele chegar no hidrômetro”, completou o vereador.

O empresário Fabrício Vendramini contou à CBN Curitiba que é um dos usuários que paga a conta mais cara, mas ao invés de água, chega ar na torneira.

“Isso a gente acabou descobrindo porque acabou a água e quando você deixa o relógio aberto e a água retorna vem aquele monte de ar antes. Daí a gente chama eles [Sanepar] para vir e eles não resolvem nada. Ainda falam que vão cobrar R$ 50,00 para vir fazer a visita. Então eu preferi pagar o que me cobraram a mais já que vou ter que pagar esses 50 reais de qualquer jeito”, desabafou o empresário.

Vendramini também revela que a conta de água no último mês quase dobrou por conta do ar na tubulação.

“Na verdade aconteceu tanto na minha casa aqui no Butiatuvinha,que é em Santa Felicidade, tanto na minha empresa, que também fica aqui em Santa Felicidade. A conta veio quase o dobro do valor”, completou.

O projeto aguarda instrução técnica da Procuradoria Jurídica, para então passar pelas comissões temáticas da Câmara Municipal.

Durante a análise, podem ser solicitados estudos adicionais, juntada de documentos faltantes, revisões no texto ou o posicionamento de outros órgãos públicos afetados por seu teor.

Depois de passar pelas comissões, a proposta pode seguir para o plenário e, se aprovada, para sanção do prefeito para virar lei.

A reportagem procurou a Sanepar e não recebeu resposta até o fechamento da matéria.

Previous ArticleNext Article