Associação Comercial é alvo de vandalismo após pedido de prisão de Lula

Fernando Garcel e Victor Duarte Faria - Metro Maringá

O prédio da Associação Comercial e Empresarial de Maringá (Acim), no Noroeste do Paraná, foi alvo de vandalismo. Na porta do prédio os dizeres “Lula Livre 13” e as paredes foram bombardeadas com tinta rosa. As câmeras de monitoramento indicam que o ato foi feito por volta das 2h por quatro pessoas.

Nesta semana, a entidade se posicionou sobre o habeas corpus preventivo julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e colocou outdoors e jornais da cidade campanhas como “STF agora é sua vez” e “STF acabe com o mecanismo da corrupção”.

Foto: Divulgação

“A operação Lava Jato ajudou os brasileiros a acreditarem que o Brasil não é a terra da impunidade. Independente da cor partidária ou do tamanho da conta corrente, empresários, políticos e doleiros responsáveis por desvios públicos bilionários foram processados e cumprem, na cadeia, a pena por seus crimes. Nada mais justo que punir corruptos e corruptores. Agora, é o Supremo Tribunal Federal (STF) que tem em mãos uma grande decisão, que vai ajudar a coibir a impunidade. Esperamos que o STF confirme a decisão que réus condenados à prisão em segunda instância cumpram suas penas. Afinal, esses réus já tiveram sua sentença confirmada em primeira e segunda instâncias”, publicou a Acim em sua página no Facebook na terça-feira (3), véspera do julgamento que negou o habeas corpus ao ex-presidente Lula.

Previous ArticleNext Article