Audiência tenta encerrar greve de funcionários do HC nesta terça-feira

Mariana Ohde

Coronavírus: Hospital de Clínicas é escolhido pelo Instituto Butantan para testar vacina

Uma audiência será realizada nesta terça-feira (7) na Justiça do Trabalho para tentar encerrar a greve de funcionários do Hospital de Clínicas (HC) da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba. A paralisação começou nesta segunda-feira (6) e afeta o atendimento em vários setores da instituição.

De acordo com o sindicato que representa os trabalhadores da Funpar que atuam no hospital de clínicas (Sinditest), 80% dos profissionais aderiram à paralisação (6). Já o balanço do hospital informa que, dos 851 funcionários da fundação, cerca de 130 cruzaram os braços no primeiro dia.

Com a paralisação, alguns serviços foram afetados. Segundo o último balanço divulgado, 230 funcionários, de um total de 851, aderiram à paralisação. Os dados são da administração da instituição.

A Central de Agendamento de exames e consultas e os Ambulatórios estão atendendo apenas pacientes de fora de Curitiba. O banco de sangue está fechado. O setor de exames apresenta lentidão no atendimento. Ainda segundo o HC, nenhuma cirurgia foi cancelada até o momento por causa da paralisação.

As consultas prejudicadas serão agendadas como extras pelo hospital, após o término da greve. A orientação para os pacientes de Curitiba que tinham primeiras consultas marcadas e não foram atendidos é procurar o HC após o término da greve para um novo agendamento. Os pacientes que já são atendidos pelo hospital devem aguardar contato telefônico com a nova data da consulta.

Reivindicações

Os funcionários da Funpar pedem um reajuste salarial de 20%. O coordenador geral do Sinditest, José Carlos de Assis, relata que o pedido de aumento foi apresentado no fim de abril, mas a categoria não teria recebido retorno da UFPR. “Nossa expectativa é que a juíza determine o índice mínimo para podermos começar as negociações com a Reitoria do reajuste dos salários. Porque até hoje a gente não teve nenhuma contraproposta para os 20%”, afirma.

A audiência vai reunir representantes dos trabalhadores, da Funpar e da UFPR. A categoria espera receber uma proposta de aumento que cubra, pelo menos, o reajuste da inflação. “Se vier um índice menor, algo que contemple, pelo menos, a inflação, a gente, apresentando na assembleia, tem grandes chances de a gente conseguir encerrar o movimento grevista e retornar ao trabalho”, explica.

Em nota, o Complexo HC reafirmou que enfrenta uma grave crise financeira que não permite atender à proposta de aumento solicitada pelo Sinditest. Ainda de acordo com o hospital, nos últimos anos, foram firmados os melhores acordos coletivos para os trabalhadores, com a reposição dos seus salários pelo INPC, que abrangeu também o vale-alimentação, o auxílio-creche e o adicional de insalubridade.

 

Interdição ética

Também nesta terça-feira, o HC se reúne com o Conselho Regional de Medicina do Paraná, que determinou a interdição ética das Unidades de Terapia Intensiva cardíaca, pediátrica e neonatal do hospital. Será dado o prazo de 120 dias para que a instituição ofereça as condições para a boa prática médica em prol da população. Outros setores da instituição também estão sob análise, após fiscalização que indicou uma série de problemas que fragilizam a qualidade do atendimento, como a falta de funcionários, de materiais e de medicamentos.

Previous ArticleNext Article
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal