Paraná decreta epidemia para dengue após alta seguida de casos

O Paraná registrou na última semana novos 6.601 casos de dengue, segundo boletim divulgado pela Sesa (Secretaria de Estado da Saúde).

Redação - 19 de abril de 2022, 19:13

Arquivo/Agência Brasil
Arquivo/Agência Brasil

O Paraná registrou na última semana novos 6.601 casos de dengue, segundo boletim divulgado pela Sesa (Secretaria de Estado da Saúde), nesta terça-feira (19).

O registro apresenta alta nos novos casos em relação ao boletim anterior, quando 4.885 mil ocorrências de dengue foram confirmadas.

Devido a alta consecutiva de novos casos da dengue no Estado, o Governo do Paraná decretou epidemia para a doença.

“Entramos em epidemia de dengue. Em cada boletim semanal os números apontavam para este desfecho. Apesar do nosso constante monitoramento, por parte da Vigilância Ambiental, os números aumentaram e agora precisamos reverter a situação”, explicou o secretário de Estado da Saúde, César Neves.

Desde o início do ciclo no início de agosto foram confirmados 23.161 casos e cinco óbitos no Paraná. O levantamento deste ciclo da dengue irá durar até julho de 2022.

Outros 24.275 amostras ainda aguardam análises laboratorial e 31.390 pacientes já tiveram o diagnóstico negativo para a dengue.

Já as notificações de dengue passaram de 65.040 para 80.004 nos últimos sete dias, sendo que 287 municípios do Paraná registraram ao menos um caso da doença.

Todas as 22 Regionais de Saúde do Paraná têm ao menos um caso confirmado da doença, sendo que em 21 essas ocorrências foram autóctones, ou seja, com contaminações dentro dos municípios.

“Precisamos reavivar os métodos de combate da dengue. Aquele vaso de água, de entulho, na cisterna de captação de água, entulhos devem ser evitados, pois o criador do mosquito pode estar lá”, finalizou o secretário.

Os principais sintomas da dengue são febre alta e de forma súbita, dor de cabeça, dor atrás dos olhos, náuseas, tontura e extremo cansaço. Se a doença não foi tratada, pode evoluir rapidamente para dores abdominais fortes e contínuas, vômitos, palidez, sangramentos pelo nariz, boca e gengivas.

LEIA MAIS: Gabriel Luiz, repórter da Globo esfaqueado em Brasília, recebe alta da UTI