Dengue: Paraná registra novos 1,2 mil casos e totaliza 8 mil ocorrências neste ciclo

Jorge de Sousa

Dengue: Paraná registra novos 1,2 mil casos e totaliza 8 mil ocorrências neste ciclo

O Paraná registrou na última semana novos 1.289 casos pela dengue, segundo boletim divulgado pela Sesa (Secretaria de Estado da Saúde), nesta terça-feira (20).

O registro apresenta considerável alta em relação ao boletim anterior, quando 752 novos casos de dengue foram confirmados.

Desde o início do ciclo em agosto foram confirmados 8.741 casos e 18 óbitos no Paraná. O levantamento deste ciclo da dengue irá durar até julho de 2021.

Outros 10.856 amostras ainda aguardam análises laboratorial e 26.931 pacientes já tiveram o diagnóstico negativo para a dengue.

Já as notificações de dengue passaram de 51.599 para 55.198 nos últimos sete dias, sendo que 247 municípios do Paraná registraram ao menos um caso da doença.

Todas as 22 Regionais de Saúde do Paraná têm ao menos um caso confirmado da doença, sendo que em 20 essas ocorrências foram autóctones, ou seja, com contaminações dentro dos municípios.

Outra preocupação para a Sesa é o aumento repentino de casos de chikungunya. Na comparação entre os meses de fevereiro e março, os casos confirmados saltaram de um para 19, enquanto as notificações de 20 para 53.

“Hoje o estado de São Paulo passa por um surto de chikungunya; a proximidade com o Paraná e o fluxo de pessoas entre os estados pode ter originado o aumento dos casos por aqui”, explicou a coordenadora de Vigilância Ambiental da Sesa, Ivana Belmonte.

Desde 1991, os casos de dengue são acompanhados pela Secretaria Estadual da Saúde. Mas no último ciclo, o Paraná quebrou o recorde de casos confirmados e mortes, com 227.724 contaminações e 177 óbitos.

Segundo o Ministério da Saúde, o Brasil registrou 971.136 casos de dengue no último ciclo, sendo que 91,7% dessas ocorrências foram concentradas entre os estados do Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná.

Os principais sintomas da dengue são febre alta e de forma súbita, dor de cabeça, dor atrás dos olhos, náuseas, tontura e extremo cansaço. Se a doença não foi tratada, pode evoluir rapidamente para dores abdominais fortes e contínuas, vômitos, palidez, sangramentos pelo nariz, boca e gengivas.

Já a chikungunya tem como principais sintomas febre e dores nas articulações, tendo em casos mais graves dores muscular e de cabeça, náusea, fadiga e erupção cutânea como impactos da doença.

LEIA MAIS: Campanha oferta massagens em profissionais da saúde nos hospitais de Curitiba

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="758865" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]