Caminhão incendiado por criminosos causa acidente na BR-277

Conforme a polícia, o motorista de um carro não conseguiu desviar do caminhão incendiado pelos criminosos, que interditou a rodovia.

Redação - 18 de abril de 2022, 09:29

Foto: Divulgação/PRF
Foto: Divulgação/PRF

Um carro bateu contra um caminhão que foi incendiado por criminosos na BR-277, em Guarapuava, durante a ação que causou pânico nos moradores da cidade e da região Central do estado, na noite deste domingo (17).

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o acidente ocorreu por volta das 22h30, minutos após o grupo atear fogo no veículo pesado, interditando a rodovia. Conforme a polícia, o motorista de um SUV Jeep Compass não conseguiu desviar do caminhão incendiado e colidiu contra ele.

Apesar do susto, ninguém se feriu no acidente.

O Corpo de Bombeiros foi acionado e conteve as chamas do caminhão. Os veículos foram recolhidos por guinchos do Departamento de Estradas de Rodagem (DER-PR), já no fim da madrugada desta segunda-feira (18), por volta das 5h10.

O trânsito flui normalmente no local, ainda conforme a PRF.

A polícia rodoviária atua em conjunto com as demais forças de segurança na região, tentando identificar e prender todos os envolvidos no ataque. O reforço do policiamento na região foi determinado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, que enviou equipes da Polícia Federal e da PRF à Guarapuava.

A população pode ajudar a identificar os suspeitos por meio de denúncias anônimas pelo telefone 191.

TERROR EM GUARAPUAVA

A quadrilha que causou pânicos aos moradores de Guarapuava e região estava fortemente armada. Armas de grosso calibre, como fuzis e metralhadoras .50, foram usadas na ação, conforme as marcas de tiros e cartuchos que ficaram espalhados por diversos pontos da cidade.

A logística da quadrilha chamou a atenção das autoridades. O bando se dividiu em grupos para cercar a cidade. Alguns criminosos atearam fogo em veículos nos acessos à cidade, como na BR-277, e espalharam miguelitos pela pista - dispositivos pontiagudos usados para furar pneus.

Outros criminosos abordaram veículos pelas ruas de Guarapuava e utilizaram populares como reféns, enquanto acontecia o ataque à transportadora de valores Proforte. 

Após a ação, que durou cerca de três horas, eles fugiram sentido ao Interior do estado.