Campanha do Detran usa figura da morte para alertar motoristas sobre beber e dirigir

Francielly Azevedo


Com AEN

Uma campanha do Departamento de Trânsito do Paraná (Detran-PR) utilizou a morte como personagem principal para alertar os motoristas sobre os perigos de misturar álcool e direção. O vídeo, batizado de “Bilhetes da Morte”, utilizou câmeras escondidas para filmar a reação das pessoas em um bar ao receber um recado da própria morte.

“Bebeu? Quer ir embora comigo?”; “Se não for embora de táxi, te pego lá fora”; “Vai dirigir depois de beber? Te encontro no primeiro semáforo”, perguntam os bilhetes. Só então o garçom revela a identidade de quem os enviou.

“É uma brincadeira, mas com uma mensagem de impacto. Ao ver o ator fantasiado, de capa e foice, as pessoas se assustam, não com medo dele, mas conscientes de que as consequências de beber e dirigir são fatais. Assim, começam a repensar a forma de voltar para casa e preferem pegar um táxi, carona, transporte público”, conta o diretor-geral do Detran, Marcos Traad.

O vídeo, produzido por meio da Secretaria de Estado da Comunicação, faz parte das ações do Movimento Maio Amarelo.

 

[insertmedia id=3vLo0q733nQ]

Mortes

No Brasil mais da metade das mortes no trânsito são causadas pelo consumo de álcool. Segundo a Associação Brasileira de Estudos de Álcool e Outras Drogas (Abead) em 61% dos acidentes de trânsito registrados no país, o condutor havia ingerido bebida alcoólica. Entre os casos fatais, o índice sobe para 75%.

No Paraná, dirigir sob influência do álcool ou embriagado corresponde a 10% dos acidentes com mortes nas rodovias federais. Um levantamento da Polícia Rodoviária Federal revela que essa é quarta maior causa de acidentes no Estado, ficando atrás apenas de excesso de velocidade (31,2%), falta de atenção (28,5%) e desobediência a sinalização (11,2%).

 

 

Fiscalização

A Lei Seca, em vigor há mais de sete anos, determina que o condutor que tiver nível igual ou superior a 0,3 miligramas de concentração de álcool por litro de ar alveolar pode ser preso. Neste caso, o motorista comete crime de trânsito e deve ser encaminhado à delegacia.

Quem se recusa a fazer o teste bafômetro, ou qualquer exame que detecte a influência de álcool ou drogas, paga multa de R$ 2.934,70, tem a carteira de habilitação suspensa por 12 meses e o veículo retido. Além disso, o agente de trânsito pode fazer a comprovação da embriaguez por meio de testemunhas, vídeos e sintomas evidentes como hálito, sonolência e agressividade.

Previous ArticleNext Article
Jornalista, formada pela Universidade Tuiuti do Paraná. Tem passagens pela TV Educativa, TV Assembleia, TV Transamérica, CATVE, Rádio Iguassu e Folha de Londrina. Atualmente trabalha no Paraná Portal e na Rádio CBN.
[post_explorer post_id="428966" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]