Carreata e buzinaço: caminhoneiros alertam sobre nova paralisação caso não tenham reivindicações atendidas

Fernando Garcel


Cerca de quarenta caminhoneiros participaram de uma carreata e buzinaço na Linha Verde, em Curitiba, na manhã deste sábado (30). O protesto foi convocado pelo Sindicato dos Transportadores Autônomos do Paraná (Sinditac-PR) e soa como um aviso do descontentamento da categoria com o posicionamento tomado pelo Governo Federal.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF) não há alterações no fluxo do trânsito na rodovia.

> ‘Mesma coisa que jogar gasolina em fogo’, diz líder de caminhoneiros sobre live de Bolsonaro

Segundo Vanderlei Calixto, um dos integrantes da mobilização, se a gestão de Jair Bolsonaro não atender as reivindicações dos caminhoneiros, entre elas a fiscalização do cumprimento da tabela de frete mínimo e a redução do custo com óleo diesel, uma nova paralisação nacional pode tomar força até maio.

“Caso ele [Jair Bolsonaro] não nos atenda até 21 de maio, quando completa um ano da paralisação do ano passado, nós vamos fazer uma nova paralisação”, afirma o representante da categoria.

Outra cobrança dos caminhoneiros é a definição de um prazo mínimo para que seja reajustado o preço do combustível.

“Os aumentos do óleo diesel tem massacrado a classe nos últimos dias e meses. Ele tem elevado muito e o frete continua a mesma coisa. A lei 13703, do piso mínimo, não está sendo cumprida. O governo não tem fiscalização efetiva para essa lei e no Brasil sem punição a lei não se cumpre. Estamos fazendo essa manifestação para chamar atenção do governo”, explica Calixto.

A política do frete mínimo foi uma das reivindicações dos caminhoneiros que paralisaram as estradas de todo o país em maio do ano passado. A lei especificou que os pisos mínimos de frete deverão refletir os custos operacionais totais do transporte, definidos e divulgados nos termos da Agência Nacional de Transportes Terrestre (ANTT), com priorização dos custos referentes ao óleo diesel e aos pedágios.

Convocação

O presidente do Sinditac, Plínio Dias, divulgou um vídeo na semana passada convocando a categoria para a carreata. Na gravação, ele pede atenção do governo, pede que as leis sejam cumpridas e afasta que o ato tenha posicionamento político. “A gente não é contra o governo. Não é ato político. É ato de sobrevivência de uma categoria. […] 90% da categoria acreditou nesse governo”, garante.

Na última quinta-feira (28), Jair Bolsonaro anunciou o lançamento do cartão-caminhoneiro, que deve garantir a compra de combustível, por caminhoneiros, sem a variação no valor do diesel.

Com informações da CBN Curitiba

Previous ArticleNext Article