Carteira de Vacinação agora é obrigatória para a realização da matrícula escolar

BandNews FM Curitiba

A Carteira de Vacinação agora é obrigatória para a realização da matrícula escolar em todo o Paraná.

Todos os alunos de escolas públicas e particulares, que ofereçam educação infantil, ensino fundamental e médio, devem entregar o documento atualizado de acordo com o Calendário de Vacinação da Criança e do Adolescente, disponibilizado pelo Ministério da Saúde. O secretário estadual da saúde, Antônio Carlos Nardi, destaca que a lei garante a imunização, principalmente dos menores que precisam ser levados pelos responsáveis para serem vacinados.

“A carteira de vacinação é um documento oficial, que deve estar em dia e transmite a certeza da saúde plena ofertada pelo Sistema Único de Saúde. A vacina é comprovadamente eficaz e essa exigência é uma forma do Paraná estar livre da reinserção de muitas doenças”, afirmou.

Somente será dispensado da apresentação da Carteira de Vacinação o aluno que apresentar um atestado médico de contraindicação. A ausência do documento ou a constatação da falta de alguma das vacinas consideradas obrigatórias não vai impossibilitar a matrícula. Porém, a situação deverá ser regularizada em um prazo máximo de trinta dias, sob pena de comunicação imediata ao Conselho Tutelar para que sejam tomadas as devidas providências. Um levantamento feito pelo Ministério da Saúde chama a atenção para o movimento de muitos pais que têm se posicionado contrários a vacinação dos filhos. Segundo dados divulgados recentemente pela pasta, 312 municípios brasileiros estão com a cobertura vacinal abaixo de 50% para a poliomielite, por exemplo, que é uma doença erradicada no País há quase 20 anos.


Em Curitiba, de acordo com dados da Secretaria Municipal de Saúde, a cobertura vacinal da pólio atinge atualmente 92,4%, sendo que a meta é de 95%. O Diretor do Centro de Epidemiologia, da Secretaria Municipal da Saúde, Alcides de Oliveira, afirma que o número é um alerta.

“A meta é definida pelo Ministério da Saúde. Essa cobertura vacinal traz uma proteção para a população. Sem dúvida alguma a meta de 93% sinaliza que as famílias precisam aparecer nas unidades de saúde, atualizar a carteira de vacinação da criança. A vacina da poliomelite é exclusiva da criança e é importante que os pais levem os filhos para tomar a vacina”, disse.

O diretor ressalta ainda que, apesar de no Brasil não terem sido registrados casos de Poliomielite há bastante tempo, os pais não devem descuidar e deixar de imunizar os filhos.

“Quando você deixa de vacinar está colocando a vida do seu filho em risco. A poliomelite da paralisia e é irreversível. Outras doenças que já estamos observando no norte do Brasil, como o sarampo, leva ao internamento hospitalar e pode causar morte. Os pais precisam ter consciência que essas doenças não podem voltar para o Brasil. Existe sempre a possibilidade da reintrodução de novas doenças que não existe no país”.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, três países ainda são considerados endêmicos da Poliomielite, o Paquistão, a Nigéria e o Afeganistão.

Post anteriorPróximo post
Comentários de Facebook