Caso Arruda: Polícia conclui análise de provas e pode indiciar bolsonarista nesta sexta

A SESP-PR não confirma a data da conclusão do inquérito, mas afirma que já concluiu a tomada de depoimentos e análise de provas

Redação - 14 de julho de 2022, 18:10

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

A Polícia Civil do Paraná pode apresentar, nesta sexta-feira (15), o indiciamento do policial penal Jorge Guaranho, que matou a tiros o tesoureiro do PT em Foz do Iguaçu, Marcelo Arruda, no último sábado (9). Bolsonarista declarado, o agente federal invadiu a festa de aniversário da vítima, que comemorava os 50 anos em uma celebração temática com decoração alusiva ao Partido dos Trabalhadores.

Com a autoria do crime confirmada pelas imagens de monitoramento da associação onde acontecia a festa, a investigação caminho no sentido de esclarecer a motivação do assassinato. As testemunhas indicam que se trata de um crime com motivação política. Antes de abrir fogo contra o aniversariante, Guaranho gritou "aqui é Bolsonaro" e "Bolsonaro mito", informação confirmada pela esposa do atirador.

O secretário estadual de Segurança Pública, Wagner Mesquita, afirmou nesta quinta-feira (14) que o inquérito policial entrou na fase final de apuração. "Foram 18 depoimentos tomados até o momento. As imagens que mostram a dinâmica do acontecido também já foram devidamente analisadas e juntadas aos autos", disse ele, em entrevista à BandNews FM.

De acordo com Mesquita, outras diligências complementares para elucidar as circunstâncias do fato também estão em fase final. Dessa forma, a expectativa é de que o inquérito seja concluído até amanhã. Ainda segundo o secretário, o indiciamento pode ser apresentado nesta sexta-feira (15).

"Existe a expectativa de concluirmos essa investigação e fazer uma coletiva [de imprensa] no período da manhã, na Delegacia de Homicídios de Foz do Iguaçu, apresentando de forma definitiva a autoria e as circustâncias do fato. Apresentando, então, o Caderno Apuratório para o Judiciário e para o Ministério Público para as demais providências", concluiu.

Apesar da previsão, a Secretaria de Estado da Segurança Pública e a Polícia Civil do Paraná ainda não confirmam, oficialmente, a data para a conclusão do inquérito e a apresentação do indiciamento.