Caso Daniel: Acusação diz que “único caminho” é o júri popular dos réus

William Bittar - CBN Curitiba

Foram treze depoimentos prestados à juíza Luciani Regina Martins de Paula, da 1ª Vara Criminal de São José dos Pinhais, nos três primeiros dias de audiências de instrução do processo envolvendo a morte do jogador de futebol Daniel Corrêa Freitas.

Nesta primeira fase, apenas testemunhas de acusação, arroladas pelo Ministério Público do Paraná e pelos advogados que representam a família do atleta foram ouvidas pela juíza responsável pelos julgamentos, no Fórum de São José dos Pinhais

RELEMBRE: Caso Daniel: o homicídio que chocou o país


Nos dias 01, 02, 03 e 05 de abril serão ouvidas as testemunhas de defesa e depois disso, será feito o interrogatório dos sete réus acusados de participação na morte de Daniel.

Somente após as alegações finais é que a juíza vai decidir se eles vão, ou não, a júri popular.

O advogado que representa a família de Daniel, Nilton Ribeiro, disse que não vê outra decisão que não seja a de colocar os réus no júri. Ele considerou que outros pontos levantados pelos advogados de defesa são apenas “fumaça” para tentar tirar o foco dos acusados e do crime brutal que eles cometeram.

“Eu acredito piamente que sim e acredito que neste ano ainda. Mas é tudo fumaça, é neblina para tirar o foco do que realmente é importante. O que é realmente importante? O homicídio, com fraude processual, várias testemunhas. Então aqui, por mais que esperneiem, façam figura, catimbem, não muda nada”, afirmou.

LEIA TAMBÉM: Audiências do “Caso Daniel” entram no terceiro dia 

Ao todo, sete pessoas foram acusadas de participação na morte do jogador Daniel, em outubro do ano passado. Seis estão presas desde a época do crime.

Edison Brittes Júnior, autor confesso do crime, Cristiana Brittes, esposa de Edison, Allana Emilly Brittes, filha do casal, Eduardo Henrique da Silva, Ygor King e David Vollero Silva.

Evellyn Brisola Perusso também é ré na ação, mas é a única que responde em liberdade.

O advogado que representa Edison Brittes e Cristiana Brittes, Cláudio Dalledone Júnior, voltou a dizer que Daniel cometeu o crime de importunação sexual contra Cristiana, o que ocasionou as agressões e a morte do jogador por parte de Edison Brittes.

“Agora no que toca a defesa efetivamente saímos daqui com o sentimento de dever cumprido. Parece até clichê, mas não é. Saímos daqui com a prova judicializada de que Daniel cometeu sim uma importunação sexual. Se prova como? Perguntando, indagando ao delegado de polícia e ao agente de autoridade policial. No entender deles houve sim uma importunação sexual”,

As acusações

Edison Brittes Júnior é réu por homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de menor e coação no curso do processo.

Cristiana Brittes responde homicídio qualificado por motivo torpe, coação do curso de processo, fraude processual e corrupção de menor

Allana Brittes responde por coação no curso do processo, fraude processual e corrupção de adolescente.

Eduardo da Silva é acusado de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor, mesmos crimes imputados a Ygor King e David Vollero Silva, sendo que este último ainda responde por denunciação caluniosa.

Por fim, Evellyn Brisola Perusso é acusada de denunciação caluniosa, fraude processual, corrupção de menor e falso testemunho.

Post anteriorPróximo post
Comentários de Facebook