Caso Daniel: Cristiana e Allana pedem à Justiça para visitar Edison Brittes na prisão

Angelo Sfair

caso danial, allana brittes, cristiana brittes, edison brittes, daniel correa freitas, visitar, visitas, pce, penitenciária central do estado, paraná, justiça

Cristiana e Allana Brittes, rés no Caso Daniel, pediram à Justiça do Paraná para visitar Edison Brittes na prisão. Réu confesso do assassinato do ex-jogador, ele está detido na PCE (Penitenciária Central do Estado), na região metropolitana de Curitiba.

Preso preventivamente desde 1º de novembro de 2018, Edison Brittes só teve contato com esposa e filha nos dias em que houve interrogatórios. Atualmente, Cristiana e Allana aguardam a sentença de pronúncia em liberdade.

A juíza Luciani Martins de Paula, da 1ª Vara Criminal de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, está prestes a decidir se os réus do Caso Daniel serão, ou não, submetidos ao júri popular. A instrução penal já foi encerrada e todas as provas já foram produzidas pelas defesas e pela acusação.

De acordo com a defesa de Cristiana e Allana Brittes, com o encerramento da fase de instrução, não haveria mais razões para que esposa e filha não pudessem visitar Edison Brittes na Penitenciária Central do Estado.

“Mostra-se cabível, razoável e proporcional que esta cautelar especificamente seja revista, com a permissão de que Allana e Cristiana possam manter contato familiar com o réu Edison, sem que tal atitude configure potencial descumprimento das cautelares vigentes”, argumentou, em petição, o advogado Claudio Dalledone Junior.

A juíza Luciani Martins de Paula, da 1ª Vara Criminal de São José dos Pinhais, ainda não decidiu sobre o pedido.

daniel corrêa freitas, caso daniel, jogador
Reprodução/SPFC

OS ACUSADOS

Sete pessoas respondem criminalmente pelo assassinato de Daniel Corrêa Freitas. Entre eles, o empresário Edison Brittes, assassino confesso de Daniel; Cristiana Brittes, esposa de Edison;  Allana Brittes, filha do casal. Além disso, também foram acusados Eduardo Henrique Ribeiro da Silva, Ygor King, David Vollero Silva e Evellyn Brisola Perusso.

  • Edison Brittes Júnior – homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de adolescente e coação no curso do processo;
  • Cristiana Brittes – homicídio qualificado por motivo torpe, coação do curso de processo, fraude processual e corrupção de adolescente;
  • Allana Brittes – coação no curso do processo, fraude processual e corrupção de adolescente;
  • Eduardo da Silva – homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de adolescente;
  • Ygor King – homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de adolescente;
  • David Willian Vollero da Silva – homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de adolescente e denunciação caluniosa;
  • Evellyn Brisola Perusso – denunciação caluniosa, fraude processual, corrupção de adolescente e falso testemunho.

RELEMBRE O CASO DANIEL

Revelado pelo Cruzeiro e com passagens por Coritiba, São Paulo, Ponte Preta, Botafogo e São Bento, Daniel veio para Curitiba comemorar o aniversário de 18 anos de Allana Brittes, no dia 26 de outubro de 2018, em uma casa noturna, no bairro Batel. A comemoração se estendeu na casa dos pais de Allana, Cristiana e Edison Brittes, último lugar que o jogador teve contato com amigos pelo WhatsApp. Na casa, ele foi espancado e depois conduzido no porta-malas do carro de Edison até o local onde foi morto (Colônia Mergulhão).

O corpo do jogador foi encontrado no dia seguinte (27/10) por moradores em uma área de mata na zona rural de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. Ele estava nu, com diversos cortes pelo corpo. Havia dois cortes profundos na região do pescoço. Além disso, o pênis foi decepado e pendurado em uma árvore a 20 metros do local onde o corpo foi encontrado.

O empresário afirma que Daniel estava no quarto dele e que havia tentado estuprar sua esposa, Cristina. A versão não encontrou sustentação nas investigações do Ministério Público do Paraná e da Polícia Civil. O delegado responsável pelo caso, Amadeu Trevizan, declarou que a família Brittes mentiu nos depoimentos e que a versão foi combinada entre os acusados.

Previous ArticleNext Article