Caso Daniel: Edison Brittes será transferido de prisão no PR após alegar maus-tratos

Vinicius Cordeiro e Ricardo Pereira - BandNews FM Curitiba

edison brittes caso daniel justiça coronavírus

Edison Brittes, acusado por homicídio no caso que investiga a morte do jogador Daniel Correia Freitas, será transferido de unidade prisional no Paraná. A decisão foi da juíza Luciani Regina Martins de Paula, da 1ª Vara Criminal de São José dos Pinhais, que acatou o pedido da defesa do empresário.

Segundo o advogado Claudio Dalledone, Edison sofreu “agressões físicas sistemáticas” de agentes, recebia comida azeda e chegou a ficar sem água potável. Além disso, a defesa ainda apresentou que, sem justificativas, Brittes ficou em isolamento total por dois períodos, um de 60 dias e outro por 50 dias. Para completar, Brittes ainda teria sido colocado em um ambiente sem luz, com colchão molhado e sem direito a banho de sol, ficando “impossível saber quando é dia e quando é noite“.

A decisão da Justiça determina que Edison Brittes seja transferido com “máxima urgência” da Penitenciária Central do Estado, em Piraquara, na região metropolitana de Curitiba, para a Casa de Custódia de São José dos Pinhais, cidade na qual a família Brittes tem residência.

“Solicito, com a máxima urgência, providencie a imediata transferência do réu para a Casa de Custódia de São José dos Pinhais, bem como para que preste esclarecimentos acerca da situação relatada pela defesa do réu no presente pedido.

Procurado pelo Paraná Portal, o Depen (Departamento Penitenciário do Paraná) afirma que todas as providências cabíveis já estão sendo tomadas pela Central de Vagas e que expectativa de data da transferência não é divulgada para segurança do preso.

BRITTES CORRE RISCO DE SER ASSASSINADO NA CADEIA, DIZ DEFESA

O advogado Cláudio Dalledone ressaltou que existem chances reais de Edison Brittes perder a vida dentro da Penitenciária de Piraquara. Segundo ele, alguns outros detentos também se voltaram contra o empresário sob recomendação de agentes do local.

“São três episódios que estamos noticiando há algum tempo via boletim de ocorrência e notícia de fato ao Ministério Público de Piraquara. Culminou agora que os agentes penitenciários que foram denunciados estariam colocando a massa carcerária contra ele, aí nós temos um risco iminente de vida. Junior Brittes pode ser assassinado dentro do sistema penitenciário paranaense. Isso é muito grave”, disse o advogado Cláudio Dalledone em entrevista à rádio BandNews FM Curitiba.

De acordo com a defesa, Brittes virou alvo dos servidores penitenciários por ter visto o comércio ilegal de um aparelho celular.

“Existe um inquérito instaurado na Delegacia de Piraquara, onde ele noticia a prática de tortura porque visualizou a venda de um celular por conta de um dos agentes e foi brutalmente espancado”, completou.

Cristiana e Edison Brittes. (Reprodução/Instagram)

Estão colocando em uma condição degradante, jogando ele no isolamento. Segundo ele informa, comendo comida azeda, em um ambiente insalubre onde até o colchão é molhado. Ele não tem condições de dormir, comer e fazer as necessidades fisiológicas

RELEMBRE O CASO DANIEL

Revelado pelo Cruzeiro e com passagens por Coritiba, São Paulo, Ponte Preta, Botafogo e São Bento, Daniel veio para Curitiba comemorar o aniversário de 18 anos de Allana Brittes, no dia 26 de outubro de 2018, em uma casa noturna, no bairro Batel.

A comemoração se estendeu na casa dos pais de Allana, Cristiana e Edison Brittes, último lugar que o jogador teve contato com amigos pelo WhatsApp. Na casa, ele foi espancado e depois conduzido no porta-malas do carro de Edison até o local onde foi morto (Colônia Mergulhão).

O corpo do jogador foi encontrado no dia seguinte (27/10) por moradores em uma área de mata na zona rural de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. Ele estava nu, com diversos cortes pelo corpo. Havia dois cortes profundos na região do pescoço. Além disso, o pênis foi decepado e pendurado em uma árvore a 20 metros do local onde o corpo foi encontrado.

daniel corrêa freitas, caso daniel, jogador
Daniel foi jogador do SPFC. (Divulgação/São Paulo)

O empresário afirma que Daniel estava no quarto dele e que havia tentado estuprar sua esposa, Cristina. A versão não encontrou sustentação nas investigações do Ministério Público do Paraná e da Polícia Civil. O delegado responsável pelo caso, Amadeu Trevizan, declarou que a família Brittes mentiu nos depoimentos e que a versão foi combinada entre os acusados.

OS RÉUS E AS ACUSAÇÕES NO CASO DANIEL: EDISON BRITTES É O ÚNICO QUE ESTÁ PRESO

Confira os sete réus da morte de Daniel e por quais crimes cada um deles responde:

  • Edison Brittes: homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de menor e coação.
  • Eduardo Henrique Ribeiro da Silva: homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de menor.
  • David William Vollero Silva: homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual.
  • Ygor King: homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual.
  • Cristiana Brittes: fraude processual, corrupção de menor e coação.
  • Allana Brittes: fraude processual, corrupção de menor e coação.
  • Evelyn Perusso: fraude processual.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="751867" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]