Caso Layane: principal suspeito é indiciado por homicídio qualificado

Redação

layane aparecida da silva, miguel angelo duarte, indiciamento, indiciado, investigação, mppr, ministério público do paraná, pcpr, polícia civil do paraná, inquérito, investigação, prisão, são josé dos pinhais, curitiba, paraná

O principal suspeito de matar Layane Aparecida da Silva, de 19 anos, foi indiciado pela PC-PR (Polícia Civil do Paraná) por homicídio. Miguel Angelo Duarte, de 24 anos, é apontado como o responsável pelo crime.

Layane foi encontrada morta em um matagal, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

Com a conclusão do inquérito, a delegada Lucy Atena de Aquino decidiu imputar a Miguel Angelo Duarte o crime de homicídio qualificado por motivo fútil.

Por isso, o indiciado teve a prisão convertida de temporária para preventiva — quando não há prazo para soltura.

Miguel Angelo Duarte confessou ter matado Layane Aparecida da Silva no dia 21 de janeiro. Conforme a versão do indiciado, ele teria agido em legítima defesa.
O advogado do jovem não foi encontrado para comentar o indiciamento.

O caso será repassado ao MP-PR (Ministério Público do Paraná), que levará em conta a investigação da Polícia Civil para possivelmente apresentar uma denúncia à Justiça.

CASO LAYANE

Conforme a mãe da garota, Layane Aparecida da Silva sumiu após sair com o suposto namorado na noite do dia 18 de janeiro, um sábado. O namorado chegou a ser ouvido pela Polícia Civil, mas a participação dele no crime foi descartada.

Depois, a polícia descobriu que Layane havia trocado mensagens com Miguel Angelo Duarte. O agora indiciado sustenta que saiu com a garota e usou cocaína, maconha e álcool. Em depoimento, afirmou que matou a jovem depois dela entrar em “estado de alucinação”.

A versão é contestada pela família e pelos amigos dela.

Layane Aparecida da Silva foi encontrada com marcas de violência e queimaduras. Miguel Angelo Duarte mostrou marcas de agressão no pescoço para comprovar a versão de que agiu em legítima defesa. Ele nega ter cometido qualquer tipo de violência sexual contra a vítima.

Previous ArticleNext Article