Caso Tatiane Spitzner: Justiça manda marcar júri popular de Luis Felipe Manvailer

Redação

caso tatiane spitzer, tatiane spitzer, luis felipe manvailer, júri popular, data, trivbunal do júri, 1ª vara criminal, guarapuava, paraná

A Justiça de Guarapuava, na região central do Paraná, mandou marcar o júri popular do biólogo Luis Felipe Manvailer, acusado de matar a esposa e arremessar o corpo pela janela. O caso Tatiane Spitzner foi registrado em julho de 2018.

Nesta sexta-feira (17), a juíza Paola Gonçalves Mancini de Lima, da 2ª Vara Criminal de Guarapuava, encaminhou ofício à 1ª Vara Criminal e ao Tribunal do Júri para que o julgamento seja preparado com urgência. Ele pode acontecer em 2020.

O julgamento é aguardado pelas partes. A defesa de Luis Felipe Manvailer diz que recebeu a decisão com tranquilidade e reafirmou a inocência do réu, enquanto os representantes de Tatiane Spitzner dizem aguardar a justiça no júri popular.

Manvailer foi acusado pelo MP-PR (Ministério Público do Paraná) por homicídio qualificado (por motivo torpe, asfixia mecânica, dificultar a defesa da vítima e feminicídio), além de fraude processual (por tentar adulterar a cena do crime).

De acordo com a Polícia Civil, após uma série de agressões registrada pelo circuito interno do condomínio onde moravam, o acusado asfixiou e matou Tatiane Spitzer. Posteriormente, arremessou o corpo pela sacada para simular uma queda proposital.

Manvailer foi preso no dia 22 de julho de 2018, horas depois de Tatiane Spitzner ser encontrada morta, dentro do apartamento do casal, na região central de Guarapuava. As câmeras de segurança mostram que o acusado recolheu o corpo da calçada, trocou de roupa e limpou as marcas de sangue no elevador e no apartamento antes de tentar fugir para o Paraguai.

CASO TATIANE SPITZNER

De acordo com a denúncia, Luis Felipe matou a advogada após diversas agressões físicas que teriam iniciado após um desentendimento ocorrido em virtude de mensagens em redes sociais, agindo por motivo fútil e desproporcional.

O réu foi interrogado em março, mas optou por permanecer em silêncio. Em breve manifestação à Justiça, negou que tenha matado a esposa e afirmou que a família da advogada influenciou testemunhas.

O crime

Tatiane foi encontrada morta no apartamento em que morava com Manvailer no dia 22 de julho de 2018. Um vídeo mostra ela sendo agredida antes de entrar no prédio, no estacionamento, no elevador, e a queda do 4º andar. Depois, o suspeito busca o corpo, leva ao apartamento, limpa os vestígios de sangue no corredor e elevador e foge do local por uma saída alternativa do estacionamento.

Confira imagens da noite:

Previous ArticleNext Article