Curitiba tem aumento e chega a 46 casos confirmados de coronavírus; um é grave

Vinicius Cordeiro

casos coronavírus curitiba

Curitiba tem 46 casos confirmados, 210 suspeitos e 185 descartados de coronavírus, divulgou a Secretaria Municipal da Saúde nesta terça-feira (24). Ou seja, são nove casos a mais em relação ao levantamento de ontem. Por enquanto, o único paciente em estado grave é o médico Jamal Munir Bark, que está internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) há cinco dias.

Segundo a infectologista Marion Burger, o doutor está tendo discreta melhora no dia a dia.

“Ele também está se recuperando, diminuindo os padrões respiratórios e apresentando uma diminuição de remédios na UTI, então estamos bem feliz que ele está se recuperando, apesar do caso ainda ser grave”, declarou.

Além dele, um casal também estava internado por problemas gerais. Contudo, os dois têm previsão de alta nesta quarta-feira (25).

De acordo com a infectologista, não há indicação de fazer testes para o novo coronavírus. Futuramente, quando houver a possibilidade de fazer o exame de sangue (e não molecular como hoje), todos os pacientes que apresentarem quadro suspeito farão exame.

“Não vamos fazer exame em todos os pacientes que tiverem sintomas. Ele tem que ser priorizado para casos graves”, completa ela.

CORONAVÍRUS EM CURITIBA: RECOMENDAÇÕES

Formas para evitar a transmissão do coronavírus. (Reprodução / Ministério da Saúde)

Na semana passada, a Prefeitura de Curitiba criou um canal de teleatendimento à população. Profissionais da área da Saúde atendem pessoas com sintomas de doenças respiratório e esclarecem dúvidas. Para entrar em contato, é só ligar para (41) 33350-9000.

Por fim, a Secretaria Municipal da Saúde reforça é a principal orientação é todos ficarem em casa. Nesse cenário, tornam-se necessárias as medidas de higiene como lavar a mão com água e sabão ou álcool gel, além de evitar contatos físicos.

“Se alguém apresentar quadro que sugerem infecção respiratória, essa pessoa deve ficar isolada, em casa, por 14 dias”, completa a infectologista Marion Burger.

Previous ArticleNext Article