Curitiba terá cobrador de ônibus ao menos até 2023

Um acordo coletivo de trabalho formalizado pelo Sindimoc (Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e ..

Metro Jornal Curitiba - 29 de maio de 2019, 07:52

PR - AUMENTO PASSAGENS CURITIBA - CIDADES - O preço da passagem do transporte coletivo de Curitiba subiu 55 centavos, um aumento de 14,86%. O valor foi reajustado de R$ 3,70 para R$ 4,25 a partir de zero hora desta segunda-feira (6). A gestão do prefeito Rafael Greca (PMN) também decidiu extinguir a tarifa “domingueira”, que passou de R$ 2,50 para o mesmo valor dos demais dias da semana.  O aumento da tarifa torna Curitiba a capital com passagem de ônibus mais cara do Brasil. Movimentos populares programaram protestos nesta segunda-feira, no final da tarde, na Praça 19 de Dezembro, centro da cidade.
Foto: Geraldo Bubniak/AGB
PR - AUMENTO PASSAGENS CURITIBA - CIDADES - O preço da passagem do transporte coletivo de Curitiba subiu 55 centavos, um aumento de 14,86%. O valor foi reajustado de R$ 3,70 para R$ 4,25 a partir de zero hora desta segunda-feira (6). A gestão do prefeito Rafael Greca (PMN) também decidiu extinguir a tarifa “domingueira”, que passou de R$ 2,50 para o mesmo valor dos demais dias da semana. O aumento da tarifa torna Curitiba a capital com passagem de ônibus mais cara do Brasil. Movimentos populares programaram protestos nesta segunda-feira, no final da tarde, na Praça 19 de Dezembro, centro da cidade. Foto: Geraldo Bubniak/AGB

Um acordo coletivo de trabalho formalizado pelo Sindimoc (Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e região) com a Procuradoria Regional do Trabalho da 9ª Região, Urbs e Sindicato da Empresas de Ônibus de Curitiba e região garante o posto de trabalho dos cobradores na capital por mais quatro anos.

Na reunião com a presença do Ministério Público do Trabalho, foi definido que até o dia 13 de maio do ano que vem só serão demitidos da função os cobradores que se aposentarem, ou que assumirem a função de motorista. A partir desta data, a cada ano 500 cobradores passarão por requalificação profissional com cursos oferecidos pelo SEST/Senat para serem encaixados em outros postos de trabalho.

Só a partir de 14 de maio de 2023 passa a ser mantida apenas a “quantidade necessária de cobradores”, segundo o Sindimoc. “Esse é o resultado da intensa mobilização da categoria. O compromisso foi fundamental para sensibilizarmos o patronal, a sociedade, os vereadores e atingirmos o objetivo de garantir a manutenção dos postos de trabalho”, disse o presidente do Sindimoc, Anderson Teixeira.

Na Câmara, o projeto do executivo sobre a instalação de equipamentos de bilhetagem eletrônica – e que permitia o fim da função de cobrador – foi modificado. Foi acordado um substitutivo geral com a assinatura de 37 dos 38 vereadores retirando a palavra “exclusividade”.