Cinco suspeitos foram mortos pela PM após ataques em Guarapuava

Informação foi dada pelo comandante-geral da Polícia Militar, Coronel Hudson Teixeira, em coletiva nesta sexta-feira (13).

Redação - 13 de maio de 2022, 16:51

(Foto: Reprodução/Redes sociais)
(Foto: Reprodução/Redes sociais)

Cinco suspeitos foram mortos pela PM (Polícia Militar do Paraná) após ataques à cidade de Guarapuava, no interior do Paraná, em abril. A informação foi dada pelo comandante-geral da PM, Coronel Hudson Teixeira, em coletiva nesta sexta-feira (13).

Anteriormente, já tinha sido confirmada a morte de três pessoas, após busca policial pelos responsáveis por uma tentativa de assalto a uma empresa de transporte de valores da cidade. 

Dos cinco, dois faziam parte de um grupo organizado que planejou o ataque em Guarapuava. Um deles teria uma espécie de "mini-hospital" para socorrer os criminosos e outro seria responsável pelos armamentos utilizados no assalto.

De acordo com o comandante da PM, os suspeitos estavam armados em três confrontos que acarretaram na morte deles. Um deles foi na própria cidade de Guarapuava. Outro foi após denúncia que o grupo estava em um deslocamento de Fazenda Rio Grande, na Região Metropolitana de Curitiba, para o interior do Paraná. 

Sobre o terceiro confronto, Hudson Teixeira diz não estar lembrado de como foi realizado. Ele diz ainda que a polícia tinha informações que ocorreria um ataque neste sentido no Paraná, mas não sabia em qual cidade: "Nós tínhamos o indicativo que ocorreria no estado, tanto é que fizemos reuniões orientando nossa tropa de como proceder em situações como essa. São informações reservadas".

ATAQUES EM GUARAPUAVA OCORRERAM DURANTE TENTATIVA DE ASSALTO

Cerca de 30 homens fortemente armados tinham o objetivo de realizar um assalto na transportadora de valores Proforte, em Guarapuava, entre os dias 17 e 18 de abril.

Os ataques na cidade começaram quando criminosos incendiaram veículos na parte urbana da cidade e bloquearam a entrada e saída do 16° Batalhão de Polícia Militar.

Ao todo, 260 policiais foram acionados com a missão de deslocar os envolvidos para a zona rural de Guarapuava, que fugiram sentido interior do estado. 

Uma pessoa morreu e duas ficaram feridas durante o ocorrido. O policial Ricieri Chagas, ferido na cabeça, morreu uma semana depois da tentativa de assalto. 

Outro policial, José Douglas Bonato, levou um tiro na perna, foi operado e já recebeu alta; e um popular também foi atingido nos ataques a Guarapuava.