Coaf auxilia investigação sobre golpe de seguradoras em idosos; prejuízo é de R$ 30 mi

Vinicius Cordeiro

golpe idosos coaf

Um golpe de seguradoras em idosos gerou um prejuízo total de R$ 30 milhões em centenas de vítimas vai sendo investigado pela Polícia Civil do Paraná (PCPR), com auxílio do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras). De acordo com as apurações, o golpe foi aplicado no Paraná e em Santa Catarina, mas ainda há suspeita que possa ter sido realizado em outras regiões do país.

“Solicitamos relatórios a outros órgãos como o Coaf. O relatório nos passou a incompatibilidade da movimentação financeira deles com a renda declarada desses investigados”, disse o delegado Cassiano Aufiero.

O ESQUEMA

Até agora, são 29 pessoas investigadas. Elas agendavam visitas nas casas das pessoas da terceira idade e se apresentavam como funcionários de órgãos públicos e bancos.

“Percebemos a existência de uma quadrilha de estelionatários, que colhiam dados e até mesmo assinaturas em papeis em branco sobre o pretexto de fazer uma atualização cadastral. Isso era utilizado para fazer falsos seguros de vida, que eram encaminhados aos bancos e debitados indevidamente”, completa ele.

Ainda de acordo com as investigações, essas pessoas compraram, ilegalmente, o cadastro de diversos funcionários. “Esses dados eram fornecidos por prefeituras, através de agentes públicos contaminados”, relata Aufiero.

De acordo com a polícia, muitas pessoas faleceram sem perceber que estavam caindo no golpe. Já quando os idosos descobriam, a seguradora pedia desculpa e cancelava os débitos sem muitos problemas. Isso era a conduta para o esquema não gerar muita repercussão.

“Os débitos eram cancelados dali para frente. O que já havia debitado, eles não reaviam mais por terem assinado o documento”, completa o delegado.

OPERAÇÃO DEFLAGRADA

A primeira ação da operação foi feita nesta quinta-feira (15), quando vão sendo são cumpridos 105 mandados de busca e apreensão em endereços ligados às empresas. De acordo com o delegado, são muitas empresas de fachada que possuem o mesmo endereço.

Em Curitiba, cerca de 150 policiais civis cumprem buscas nos bairros Boa Vista, Barreirinha, São Loureço, Bairro Alto, Bacacheri, Juvevê, Pilarzinho, Centro, Centro Cívico, São Francisco, Rebouças, Bigorrilho, Santa Felicidade, Água Verde, Portão, Boqueirão, Xaxim, Fanny, Vila Guaíra, Guaíra, Cidade Industrial de Curitiba e Campina do Siqueira.

Já na região metropolitana da capital paranaense, os policiais civis cumprem os mandados nos municípios de São José dos Pinhais, Pinhais, Bocaiuva do Sul, Itaperuçu, Araucária e Fazenda Rio Grande.

“A realização dessas buscas, vai tornar a investigação muito mais robusta para que outras medidas sejam solicitadas ao Poder Judiciário. A investigação vai perdurar por mais tempo”, finaliza o delegado Cassiano Aufiero.

A orientação para quem está sofrendo débitos indevidos, principalmente idosos, é que informe a polícia e registre boletim de ocorrência.

Previous ArticleNext Article