Cobrança de taxas de personal trainer em academias causa debate em audiência pública

Jordana Martinez


A queda de braço entre os donos de academias e profissionais que trabalham como personal  trainer  virou tema de uma audiência Pública na Assembleia Legislativa do Paraná, nesta quarta-feira (18).

O projeto de lei nº 861/2015, do deputado Felipe Francischini (SD) garante o direito dos alunos de contratar personal trainer e usar as dependências dos estabelecimentos sem pagar taxas extras. Os valores variam entre 15 e 30 reais a hora/aula.

O personal Luciano Rodrigues, que participou da audiência junto com um grupo de profissionais de educação física, não acha justo que as academias lucrem sobre o trabalho dos personais: “a presença não onera a academia em nada, não tem cabimento o personal pagar pela estrutura, luz, água, sendo que o aluno já paga mensalidade”, argumentou.

 

Já as academias defendem a liberdade da cobrança. O ex-nadador olímpico e sócio-fundador da academia Gustavo Borges, Renato Ramalho, argumenta que em uma escola de natação a atuação dos profissionais gera custos sim: “ele precisa entrar na piscina, tomar banho, usar o vestiário, usar o armário, ele usa os espaços e gera custos”, rebateu.

O presidente da Comissão de Esportes da Alep, o deputado Ribas Carli, PSDB, pretende ajustar o projeto de lei de forma a regulamentar a cobrança sem que ninguém seja prejudicado: “que saia um projeto que venha a beneficiar os dois lados, com pontos positivos para todos os envolvidos”, concluiu.

 

Previous ArticleNext Article
Jordana Martinez
Profissional multimídia com passagens pela Tv Band Curitiba, RPC, Rede Massa, RicTv, rádio CBNCuritiba e BandNewsCuritiba. Hoje é editora-chefe do Paraná Portal.