Com o fim da dívida, redução na tarifa é inevitável, diz novo diretor de Itaipu

Fernando Garcel com Andreza RossiniDurante coletiva de imprensa após a cerimônia de posse da nova diretoria brasileira d..

Fernando Garcel - 27 de março de 2017, 13:40

Fernando Garcel com Andreza Rossini

Durante coletiva de imprensa após a cerimônia de posse da nova diretoria brasileira da Itaipu Binacional, o ex-diretor da estatal Jorge Miguel Samek afirmou que o custo da energia elétrica deve baixar após o pagamento da última parcela de toda a dívida contraída para construir a hidrelétrica. O novo diretor, Luiz Fernando Vianna, também comentou o assunto e afirmou que a redução é "inevitável".

De acordo com o ex-diretor, a dívida será paga até fevereiro de 2023 e com isso recursos poderão ser aplicados no setor. "Ela foi paga com a própria geração de energia. Então, 62% do custo para gerar energia vai desaparecer. Portanto, será uma ótima oportunidade, tanto pro Brasil quanto para o Paraguai, de poder transformar e alavancar ainda mais o desenvolvimento e aplicar recursos em energias renováveis", declarou Samek.

> Nova diretoria brasileira da Itaipu Binacional toma posse em Curitiba

O assunto sobre o impacto da redução na tarifa para os consumidores também foi comentado pelo novo diretor da hidrelétrica, o engenheiro eletricista Luiz Fernando Vianna. Segundo ele, a redução da tarifa prevista para acontecer após 2023 é inevitável. "A tarifa deve ter uma redução. Com o término do pagamento da dívida será inevitável uma redução nessa tarifa", declarou. Porém, Vianna não tem uma previsão sobre a porcentagem da redução que chegará aos consumidores. "Nós não temos essa estimativa ainda. É um trabalho que iremos iniciar agora com o Paraguai", afirmou.

Nova diretoria e Conselho de Itaipu

Luiz Fernando Vianna assume em um dos melhores momentos da Itaipu, com a usina apresentando altos índices de desempenho operacional e equilíbrio financeiro, com a quitação total da dívida já próxima no horizonte e um plano de modernização tecnológica pronto para ser executado. “Viana vai receber uma empresa organizada, que eu também recebi organizada. Está tudo em dia, recursos em caixa e pagamentos em dia”, declarou o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), Ademar Traiano (PSDB).

Na última sexta-feira (24), o presidente Michel Temer (PMDB) nomeou três conselheiros da Itaipu Binacional, para mandato até 16 de maio de 2020. Entre eles Orlando Moisés Fischer Pessuti, Adailton da Rocha Teixeira e Paulo Jerônimo Bandeira de Mello Pedrosa. Com a nomeação dos três novos conselheiros, o Conselho de Administração da Itaipu Binacional brasileiro conta agora com cinco integrantes. Os dois que já estavam no cargo são Marcos Bezerra Abbot Galvão, representante do Ministério de Relações Exteriores, e o embaixador Paulo Estivallet de Mesquita. Ambos têm mandato válido até 16 de maio de 2020.

> Temer anula duas nomeações da Itaipu que feriam Lei das Estatais

Há ainda duas vagas não preenchidas, já que o Conselho de Administração é formado por sete integrantes (tanto no Brasil como no Paraguai). Seis deles são conselheiros e o sétimo é o representante da chancelaria, que não tem direito a voto nas decisões do Conselho.